Olá,

Visitante

O Papel do Samu na promoção em saúde com educadores e cuidadores de crianças com TEA

Diante da necessidade cada vez maior de profissionais cuidadores de crianças com transtorno do espectro autista, (TEA),devidamente capacitados e habilitados, para trabalhar com esse público, o SAMU, do município de Esperança-PB vem realizando capacitações com esses profissionais com o objetivo de que estes possam entender mais sobre esse e demais transtornos associados a estes pacientes, bem como saber como agir em determinadas situações de emergência.
Fundado no município de Esperança-PB, 2017, o AEE, (Atendimento Educacional Especializado) conta atualmente com 11 professores e 73 cuidadores, que são responsáveis pelo atendimento de aproximadamente 100 crianças devidamente cadastradas pela secretaria municipal de educação.
Portanto, observou-se a necessidade de uma melhor compreensão, atualizada e alicerçada em conhecimentos comprovados e seguros sobre o TEA e as habilidades de intervenção que se mostram essenciais para proporcionar o melhor suporte às crianças. A educação continuada capacita os cuidadores a lidar com desafios em constante evolução.
A parceria entre o SAMU e o AEE iniciada em 2023, busca ampliar o alcance e a eficácia desses programas de educação continuada criando assim, uma rede de suporte abrangente e eficiente para esse público.

Diante do crescente número de crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista), no município de Esperança-PB, surgiu a necessidade de capacitar os profissionais envolvidos com esse público, (Professores e cuidadores), afim de que esses profissionais saibam como lidar com situações do cotidiano que demandem cuidados de saúde e atendimento de primeiros socorros. Entre os principais eventos estão: quedas, convulsões, crises de ansiedade, administração de medicamentos de uso contínuo entre outras situações…
Durante as capacitações, fica claro que cada cuidador deve identificar precocemente a necessidade de chamar o Serviço de Atendimento Móvel de urgência, (SAMU) diante de ocorrências mais complexas que exijam a intervenção de profissionais devidamente capacitados para cada situação.

As capacitações realizadas com cuidadores de crianças e adolescentes portadores do transtorno do espectro autista, tem se mostrado extremamente necessária para que tanto professores e cuidadores, quanto seus alunos, se sintam mais seguros diante das adversidades do cotidiano.
Saber como agir diante de convulsões, desmaios, crises de ansiedade ou até mesmo algum acidente, faz toda diferença no resultado de uma prestação de socorro eficiente e humanizada.
Outro ponto fundamental nesse projeto, foi buscar quebrar diversos tabus existentes relacionados com essas e demais patologias como também desfazer tradições que pouco ajudavam ou até mesmo atrapalhavam o atendimento em caos de emergências.
Ainda destacou-se nesse projeto, a criação de laços de amizade entre cuidadores e profissionais de saúde envolvidos no processo, visto que por se tratar de um município de pequeno porte, estes profissionais tiveram a oportunidade se se conhecerem melhor e compartilhar suas experiências de maneira a contribuir para uma melhor interação e prestação de serviço para a comunidade.
Por fim essa ação tem resultado em uma constante troca de experiências que se mostram importantíssimas para uma melhor compreensão de como se deve ser um atendimento verdadeiramente humanizado, respeitando a individualidade de cada um e favorecendo um ambiente seguro de aprendizado e convivência em comunidade.

Para que essa prática seja adotada em demais localidades, é necessário primeiramente, que seja analisado a prioridade cada comunidade no que se refere às práticas que venham a ser mais proveitosas e de maior demanda da comunidade em questão.
Feito isso, analisa a disponibilidade de profissionais devidamente capacitados para realização do projeto, e em seguida as demandas para que este seja colocado em prática. Na falta de profissionais, o município pode capacitar seus profissionais ou trazer profissionais de outros municípios.
Por fim, realizar análise contínua dos resultados observando pontos positivos e negativos, em busca de cada vez mais atender as necessidades da comunidade assistida.

Principal

FABIANO VIEIRA CÂNDIDO

fabymusik@gmail.com

ENFERMEIRO SOCORRISTA

Coautores

FABIANO VIEIRA CÂNDIDO¹ JARINA DANIELLY BRANDÃO BORBOREMA² APARECIDA DE FÁTIMA ALVES³

A prática foi aplicada em

Esperança

Paraíba

Nordeste

Esta prática está vinculada a

RUA ANTENOR NAVARRO, S/N - CENTRO - ESPERANÇA PB

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

FABIANO VIEIRA CÂNDIDO

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

15 abr 2024

e atualizada em

15 abr 2024

Início da Execução

21/12/2023

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Ações intersetoriais: integrando estratégias no combate às arboviroses na cidade de Belém do Brejo da Cruz (PB)
Paraíba
Práticas
Re(h)abilitando a interdisciplinaridade e o cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Fato ou fake: utilizando a força da internet no combate a fake news sobre vacinação em Esperança – PB.
Paraíba
Práticas
Projeto saúde na feira: ampliando o acesso de serviços de saúde no município de Ingá.
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Promoção da saúde mental dos trabalhadores da estratégia de saúde da família: cuidando do cuidador.
Paraíba