Olá,

Visitante

Atencão Básica como Ordenadora da Rede: Experiencia do Município de Mafra/Sc

Atenção Básica – AB é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento, reabilitação, redução de danos, cuidados paliativos e vigilância em saúde, desenvolvida por meio de práticas de cuidado integrado e gestão qualificada, realizada com equipe multiprofissional e dirigida à população em território definido, tendo na Saúde da Família – SF sua estratégia prioritária para sua expansão e consolidação devendo ainda seguir os princípios e diretrizes do SUS em consonância com a política de promoção da equidade em saúde. É a principal porta de entrada e centro de comunicação da Rede de Atenção à Saúde – RAS, coordenadora do cuidado e ordenadora das ações e serviços na rede. A coordenação do cuidado, centrada na pessoa, tem o objetivo de integrar e dar continuidade às ações de saúde prestadas por diferentes profissionais ou em diferentes serviços da rede, garantindo que o usuário receba o cuidado que necessita.

A presente experiência tem por objetivo relatar a forma de organização da Atenção Básica como ordenadora da Rede de Atenção à Saúde em Mafra SC, nas pactuações da definição das portas de entradas, fluxos, referências e contrarreferências em 2014, a cobertura era de 45%. Qualquer mafrense tinha direito ao acesso aos serviços de Saúde. o acesso desordenado provocava duplicidade de atendimento, prescrições de exames e receitas médicas, além do cuidado fragmentado e descontinuado. A coordenação entre níveis assistenciais foi imprescindível assim como articulação entre os serviços de saúde. A implantação das equipes de SF, fez a AB ser a porta de entrada principal da Rede de Atenção à Saúde – RAS. Desta forma iniciou-se o processo de ampliação da cobertura da Atenção Básica e em 2015 atingiu-se 100% cobertura ESF, com uma equipe Nasf-AB. A construção de fluxos e normas de acesso entre serviços e profissionais através da AB trouxe à saúde mafrense a ordenação do cuidado.

as 18 equipes SF, distribuídas em 13 Unidades de Saúde – UBS fez que o usuário buscasse sua UBS justamente pela expectativa que seu problema seja resolvido na própria, ou que a mesma possa ajudá-lo a acessar o serviço que poderá resolver seu problema, portanto, ela deve ser resolutiva e porta de entrada para outros serviços do sistema. A promoção de novos estilos de vida, o incentivo ao autocuidado, a prevenção de agravos associada à clínica ampliada, o acesso a medicamentos, exames, atividades de educação em saúde, o despertar do sentimento de pertencimento, os grupos de apoio e incentivo a participação popular, são exemplos da melhoria com a implantação da AB como ordenadora do cuidado.A AB, em Mafra, configurou-se como uma estratégia para superar e auxiliar na mudança do modelo de saúde fragmentado para a atenção integral, auxiliando no direcionamento das linhas de cuidado, favorecendo maior articulação e qualificação da rede de serviços que compõe o sistema de saúde mafrense. Por se tratar de um trabalho articulado entre as eSF e a Atenção Especializada é notório a qualificação do atendimento ofertado ao usuário mafrense trazendo benefícios para a saúde da população.

Principal

Susanne Stritzinger De Cassias

nasfmafrasc@gmail.com

Coautores

Jaqueline Fátima Previatti Veiga, Ariane Woehl, Alexandre Engel

A prática foi aplicada em

Mafra

Santa Catarina

Sul

Instituição

Rua Mathias Piechnick, 1407 Ap 302 - Bairro Jardim Do Moinho – Mafra/Sc - Cep 89306-038

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Jaqueline Fátima Previatti Veiga

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Primeira Mostra de Experiência da Linha de Cuidado Sobrepeso e Obesidade, Os Resultados Alcançados Pelo Município de Parapuã Sp
São Paulo
Práticas
Compulsão Decisória na Judicialização da Saúde, des estruturando e des afiando o Financiamento Finito do Sistema Único de Saúde
São Paulo
Práticas
Regulação do Acesso À Atenção Especializada: des coberta de um Iceberg e des afios A Serem Superados
São Paulo
Práticas
Fórum Permanente de Embu Guacu: uma Possibilidade de Organização do Cuidado Intersetorial
São Paulo
Práticas
Consultório na Rua: uma Ampliação da Abordagem das Pessoas Vivendo com Hiv/Aids Focando A Adesão
São Paulo
Práticas
Processo Formativo de Apoio em Saúde Mental no Município de Franco da Rocha – Sp
São Paulo
Práticas
Estruturação da Rede de Saúde de Franco da Rocha: Análise do Financiamento das Ações, Por Meio da Transferência de Recursos Obrigatórios e Voluntários ao Município
São Paulo
Práticas
Participação Social na Construção do Planejamento Estratégico em Saúde e do Plano de Educação Permanente no Território de Ermelino Matarazzo/Sp
São Paulo
Práticas
Impactos da Formação de Trabalhadores Sobre Práticas Relativas ao Uso Racional de Medicamentos: Experiência no Contexto do Plano Regional de Educação Permanente em Saúde (Pareps)
São Paulo
Práticas
A Assistência Farmacêutica como Veículo de Educação e Economia
São Paulo