Olá,

Visitante

Uma tecnologia de baixo custo a serviço do SUS no combate ao Aedes aegypti

Leitura: < 1 minuto
Imagem da campanha de Mobilização Nacional de Combate ao Mosquito, do Ministério da Saúde

É do Sistema Único de Saúde (SUS) de Várzea do Poço, na Bahia, que surge uma exitosa experiência de combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, da chikungunya, do Zika vírus e da febre amarela urbana, as chamadas arboviroses. Trata-se do uso do peixe piaba na eliminação de larvas do mosquito em caixas d’água, cisternas, entre ouros depósitos de água. A iniciativa surge no ano de 2015, quando o município passou por uma epidemia das arboviroses, especialmente de dengue, registrando o maior número de casos da sua história.

As piabas foram escolhidas, pois sobrevivem em locais com pouca oxigenação e alimentam-se de matéria orgânica e larvas de mosquito, evitando assim o desenvolvimento do transmissor da dengue e das outras três arboviroses. É uma tecnologia de baixo custo, que pode ser aplicada em larga escala e em tempo hábil, segundo afirmam os autores desta experiência, destacada na seção Prática do Dia da Plataforma IdeiaSUS Fiocruz e registrada em nosso banco de práticas, sob o título Utilização de peixe no combate ao mosquito Aedes aegypti em depósitos domiciliares de água no município de Várzea do Poço.

A Plataforma IdeiaSUS Fiocruz abriga mais de 3 mil experiências de saúde do SUS. Você pode, também, fazer parte do banco de práticas. Faça seu registro, criando senha e login, e preencha os campos indicados. Em seguida, a equipe IdeiaSUS avaliará o conteúdo para a publicação e você receberá informes sobre o andamento do processo de publicação.

Gostou? Compartilhe clicando abaixo

Palavras-chave

Você pode se interessar também