Olá,

Visitante

Zoonoses e Vetores na Escola: Informação, Educação e Comunicação em Saúde como ferramenta de mudança.

Com vistas na Integralidade (principio do SUS), alicerceamos nosso projeto, também através do Currículo Escolar municipal, que traz a construção de uma escada a qual os métodos pedagógicos necessários para a criação e implantação da construção do saber do aluno, são valorizados e aplicados no seu dia a dia. Com isso, o utilizamos como base, para a elaboração de um Procedimento Operacional Padrão para somar ao Projeto Zoonoses e Vetores na Escola, e assim torna-lo mais didático e aplicável durante todo o ano.
Paraíba do Sul está inserida na região Centro Sul Fluminense, a cerca de 135 km da capital fluminense, tendo o acesso rodoviário á mesma, através de duas vias principais: a Rodovia BR-040 e a RJ-125. Entre os 92 municípios do Rio de Janeiro, Paraíba do Sul se encontra na 40ª posição em relação ao número de população, com cerca de 42.063 mil habitantes (IBGE, 2022). Já entre os municípios de sua região, é o maior em extensão territorial (580.803 Km2), e o 3º no quesito tamanho populacional. Essas características sendo fundamentais, para o entendimento do ambiente o qual estamos inseridos.
O Projeto em questão, através de Diretrizes do Ministério da Saúde, detém mecanismos, que buscam auxiliar na coordenação de ações e identificação de situações/problema e logística de atuação, permitindo otimizar os resultados a serem buscados, que é uma população mais sensível aos problemas de saúde pública, como as doenças negligenciadas como a Dengue e outras zoonoses em nosso meio.

Objetivo Geral:
1.Relacionar as Doenças e Agravos á Saúde, com os Determinantes Sociais da Saúde,
2.Trabalhar a informação, a educação e a comunicação em saúde referente as doenças emergentes e reemergentes, assim como as doenças negligenciadas, como por exemplo: Arboviroses, Esporotricose, Raiva animal/humana, Acidentes com animais peçonhentos (PORTARIA 1138 DE 23 DE MAIO DE 2014);
3.Colaborar com a construção do desenvolvimento crítico/ativo da criança/aluno, contribuindo para formação de cidadãos mais sensíveis diante de situações de riscos á saúde do ambiente que o cerca (multiplicadores do conhecimento);
4.Aumentar o número de pessoas detentoras da Informação dos processos de fazer /promover saúde na comunidade.

O projeto consiste na base da prática pedagógica, e as competências referente a saúde pública a serem instituídas na rotina escolar, objetivando uma formação plena dos estudantes no que tange as zoonoses. Esse ponto, trás um cronograma junto a Secretaria de Educação municipal, para inserção de conteúdos voltados à saúde do território o qual a Escola esteja inserida, trabalhando conteúdos didáticos diversos, que são relacionados para o cotidiano da população escolar e suas diferentes faixas-etárias e necessidades.
Com o start de suas atividades no ano de 2018 ofertando junto a Rede Educacional, temas relacionados às zoonoses e vetores em seu ambiente, fazendo a Equipe da Vigilância Ambiental em Saúde, entrar para o ambiente escolar, e ali também promover ações de Educação Popular em Saúde. Essa estratégia de ação foi inserida na PAS do município e junto a Rede Educacional, vem sendo uma das ferramentas de promoção da saúde no município mais utilizadas pela Vigilância Ambiental em Saúde.
O projeto procura trabalhar em um dos fundamentais fatores de formação da consciência, do pensamento crítico/ativo, e do desenvolvimento cognitivo, através das ações de Educação em Saúde para as etapas do desenvolvimento infantil. Esse, sendo fundamental à formação do cidadão mais ativo, critico e sensível quanto aos problemas de saúde publica ao seu redor, levando em consideração que a interação entre o aluno e o ambiente, contribui e muito para a formação de seu conhecimento humano (Jean Piaget).

A situação/problema identificada que norteou o projeto, foi a falta de engajamento social, junto as ações preventivas de saúde pública.

O Projeto Zoonoses e Vetores na Escola desde sua implantação, vem tornando possível a mudança de hábitos e consequentemente de cenários, no que tange, a formação de cidadãos mais ativos e críticos quanto as questões de saúde pública presentes no território sul-paraibano, e assim fazer escolhas mais assertivas quanto as boas práticas de saúde.
Desde 2018, ano o qual o projeto foi implantado, foram atendidas mais de 25.000 mil crianças e adolescentes, e o resultado está sendo muito nítido, pois o ensinamento e troca de informação realizada a partir desse Projeto, geram a multiplicação da informação junto as demais pessoas que fazem parte da rotina afetiva desse aluno, dessa criança, desse adolescente, desse membro da Escola.
Quando o aluno assimila o conteúdo e leva a informação pra dentro de seu âmbito familiar, ele está promovendo saúde junto ao seu ambiente, e com isso, modificando hábitos que podem ser prejudiciais a saúde própria, a saúde de sua família, e consequente a Saúde Pública.
Pensando que a partir desse total de 25.000 mil crianças e adolescentes atendidos pelo Projeto até o momento, multiplicando esse número por 4 por exemplo, temos cerca de 100.000 mil pessoas que receberam informação, educação e comunicação em saúde, nesse tempo que o Projeto está ocorrendo.
É notório, que a criança consegue sensibilizar o adulto em seu lar, e essa estratégia de trabalho, vem nos mostrando que é possível mudar hábitos que levam riscos à saúde humana, animal e do ambiente.

A maior recomendação trata-se da necessidade da consolidação desses tipos de projetos, sendo inseridos no Plano Anual de Saúde (PAS) municipal, para que possa se tornar uma politica sólida e perene. Esse tipo de mecanismo, irá fazer com que as prática de Educação em Saúde promovidas, se tornem metas a serem pactuadas e atingidas em suas rotinas dentro dos processos de se fazer saúde junto ao território.

Principal

Marcos Paulo Azevedo Mathias

markbio11@yahoo.com.br

Coordenador / Biólogo

Coautores

Marcos Paulo Azevedo Mathias Ualace Januário Souza da Silva Bartolomeu Romão de Oliveira João Carlos Caratiero Lopes

A prática foi aplicada em

Paraíba do Sul

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Avenida Prefeito Bento Gonçalves - 410 - Palhas - Paraíba do Sul - RJ

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Marcos Paulo Azevedo Mathias

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 abr 2024

e atualizada em

01 abr 2024

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Programa de Saúde na Escola e Ações da Fonoaudiologia, no Contexto da Pandemia pelo Covid-19: Relato de Experiência
Rio de Janeiro
Práticas
A saúde está entre nós – documentário produzido pela VideoSaúde Fiocruz e ANA
Rio de Janeiro
Práticas
Manual de Sobrevivência do R1 da Saúde Mental: Partilhandoexperiências em Um Programa de Residência Multiprofissional
Rio Grande do Sul
Práticas
O Centro de Saúde do Idoso e a Reorganização da Assistência Durante a Pandemia Covid-19
Minas Gerais
Práticas
A Intersetorialidade: a Experiência com o Trabalho Profissional dos Assistentes Sociais nas Politicas Sociais.
Paraíba
Práticas
Guia Prático para o Auxílio das Equipes de Estratégia Saúde Dafamília na Prática das Ações do Programa Saúde na Escolaem Um Município do Litoral Norte do Rio Grande do Sul
Rio Grande do Sul
Práticas
Objeto de Aprendizagem Sobre o Calendário Vacinal de Pessoas Vivendo com Hiv/Aids para Profissionais de Saúde
Rio Grande do Sul
Práticas
Telemedicina: o Telediagnóstico de Espirometria Como Estratégia de Fortalecimento da A.P.S.
Rio de Janeiro