Olá,

Visitante

O MATRICIAMENTO DE DANT NO COMBATE A DENGUE NO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA.

A Dengue é uma doença viral transmitida por mosquitos que nos últimos anos vem se espalhando por todas as regiões do Brasil. Até 8 de março de 2024, em Volta Redonda haviam sido notificados 2062 casos suspeitos de Dengue no município. Apesar de não apresentar uma alta letalidade, sabe-se que pacientes com doenças crônicas, como Diabetes e Hipertensão arterial, idosos acima de 65 anos, lactentes, crianças abaixo de 2 anos e gestantes encontram-se no grupo de desenvolver a forma mais grave de Dengue. A falta de manejo adequado entre os grupos pode levar ao aparecimento das formas graves da doença ou evoluir para desfechos desfavoráveis. Baseado nessa problemática, a equipe de matriciamento de Cardiologia e endocrinologia escreveu um fluxograma próprio para a condução de Dengue nos grupos com comorbidades.
A presente experiencia tem como objetivo descrever a atuação da equipe de matriciamento em cardiologia e endocrinologia no auxílio para o manejo adequado de Dengue em pacientes cardiopatas e endocrinopatas.

Com a crescente de casos nas unidades de saúde de família no município de Volta Redonda, a equipe de matriciamento de doenças crônicas, se reuniu para avaliar quais eram os nós críticos no atendimento a pacientes com doenças cardíacas, vasculares e endocrinológicas. Fez-se um levantamento de pontos como: quando suspender anticoagulantes, como realizar a hidratação venosa de pacientes com insuficiência cardíaca, como realizar o controle de hiperglicemia. Decidiu-se então realizar a escrita de um protocolo adequada a realidade municipal a partir das principais dificuldades do manejo. Com o protocolo em mãos a equipe se colocou em um round dentro dos polos de hidratação para a dengue no município.

Como resultado observado, houve uma redução dos encaminhamentos aos serviços de urgência e emergência do município com um melhor manejo do paciente dentro da APS, garantido uma maior fidelização do paciente a sua unidade de origem. A permanência do usuário dentre da APS, há uma maior organização do cuidado do paciente no território onde o paciente está inserido. Houve ainda a publicação de um protocolo municipal no manejo da hiperglicemia e manejo de dengue em cardiopatas, empoderando a atenção primária no cuidado mais especializado e resolutivo ao paciente.

Entende-se que o sucesso na batalha contra a Dengue é a educação ambiental e uma vez que o diagnóstico previamente estabelecido, o correto manejo da doença evita as formas graves e os desfechos desfavoráveis. O correto manejo dessas condições na APS evita a sobrecarga dos hospitais possibilitando o acesso dos pacientes graves aos serviços de emergência O correto manejo da Dengue na APS, favorece um cuidado territorial, articula melhor as ações regionais no combate ao vetor da doença e evita a progressão de formas graves da doença. O matriciamento é uma maneira fácil e de baixo custo para o empoderamento e melhoria do atendimento ao paciente com arbovirose.

Principal

Tássio Huguenin

tassioaps@gmail.com

Coautores

Vanessa de Lima Huguenin Mariana Carvalho Barbosa Larcher Márcia Laureano Priscila Ribeiro Novais Sofia Reis Silva Albanéa Baylão Trevisan Stella Maris Gomes de Amorim Elisangela Lira Bonifácio

A prática foi aplicada em

Volta Redonda

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Rua São João Batista, 35 - Niterói

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Tássio

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

31 mar 2024

e atualizada em

31 mar 2024

Início da Execução

01/02/2024

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
Humanização na prática do cateterismo vesical de demora na atenção básica.
Paraíba
Práticas
Metodologias ativas no processo de atualização de profissionais de saúde: relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar
Paraíba
Práticas
V amostra Paraíba, aqui tem SUS
Paraíba
Práticas
Autonomia reprodutiva: empoderamento de mulheres em vulnerabilidade através da inserção do DIU
Paraíba