Olá,

Visitante

Vacinação: Reconstruindo Caminhos em Município do Maranhão

Categoria não especificada

A vacinação, aliada a outras políticas públicas, torna possível a redução das mortes de crianças1. Representa estratégia básica de promoção e proteção da saúde, além de prevenir doenças2. O Programa Nacional de Imunizações é reconhecido em todo o território nacional e fora do país4. Os profissionais das Atenção Primária à Saúde colaboram significativamente para o controle, a erradicação e eliminação de doenças imunopreveníveis, incluindo ações de imunização2. A cobertura vacinal é um indicador importante na avaliação do desempenho das ações de imunização5. A pandemia da COVID-19 afetou diretamente as coberturas vacinais em todo o mundo1. Considerando o atual contexto epidemiológico e as dificuldades para alcançar as metas das coberturas vacinais, são fundamentais discussões para melhorar as ações de vacinação no território. Conhecer os fatores relacionados a não adesão da sociedade à oferta das vacinas irá contribuir para a avaliação do cenário atual e o planejamento de estratégias eficazes para combater os obstáculos nos municípios. O Projeto ImunizaSUS possibilitou a avaliação das coberturas vacinais no Brasil e os prováveis motivos da queda das taxas nos últimos anos10. O município de Miranda do Norte faz parte da Regional de Saúde de Itapecuru – Mirim e, durante o período de pandemia, apresentou baixas coberturas vacinais, refletindo as dificuldades e os desafios no alcance das metas. Mas, com a análise das demandas decorrentes da rejeição da população às vacinas, o diagnóstico situacional, o planejamento estratégico, a articulação intersetorial e outras ações desenvolvidas no território com foco nas atividades realizadas pelas equipes da Estratégia Saúde da Família, conseguiu-se somar esforços para melhorar os indicadores no ano de 2022. O município está trabalhando e reconstruindo os caminhos para valorização da situação vacinal da população, contando com o apoio da gestão e dos parceiros para alcançar as metas preconizadas, compreendendo que os profissionais da saúde são os protagonistas do cuidado e da assistência que envolve a imunização, e a educação é a melhor opção para o esclarecimento de dúvidas sobre a vacinação. A experiência de Miranda do Norte poderá contribuir com outros gestores municipais na melhoria dos serviços prestados à saúde infantil e aos adultos, protegendo-os de doenças imunopreveníveis.

No Brasil, com a pandemia da COVID-19, muitas notícias falsas em relação à qualidade e eficácia das vacinas do PNI foram questionadas pela população, em que os movimentos antivacinas e fake news ganharam mais espaços na mídia social de forma geral. A prestação de serviços essenciais, por meio dos sistemas de saúde, foi prejudicada em todo o mundo pela pandemia do novo coronavírus, isso inclui os programas de imunização1. O ataque às ações de imunização foram ganhando força, sobretudo em relação à vacinação contra a COVID-19, com a introdução das vacinas no país e no mundo. No Maranhão, essa realidade não foi diferente e atingiu, sobretudo, os pequenos municípios, como foi a situação em Miranda do Norte. Dentre os problemas elencados que desafiaram a gestão municipal de saúde e contribuíram para dificultar as ações de imunização em geral, podem-se destacar: escassez de vacinas que fazem parte do PNI; distribuição de vacinas com prazos de validade próximos ao vencimento; distribuição de vacinas contra a COVID-19 sem considerar o quantitativo populacional de cada região ou priorização de algumas regiões e/ou municípios em detrimento de outros; disseminação de notícias falsas contra a vacinação; negação e/ou dificuldade da população na adesão à vacinação infantil e adulta. Pode-se destacar, também, a necessidade de estruturação da Rede de Frio municipal e salas de vacinas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), incluindo internet de qualidade para acesso aos sistemas de informações; volume intenso de Portarias e Notas Técnicas emitidas pelo Ministério da Saúde sobre Imunização; necessidade de Educação Permanente e contínua dos profissionais da APS, visando manejo das ações de imunização e análise técnica das informações atualizadas sobre vacinação; deficiência no diagnóstico situacional dos território para avaliar as demandas de vacinação nas microáreas de atuação das equipes da ESF e realização de planejamento estratégico para os não vacinados; necessidade de maior apoio intersetorial; deficiência de apoio logístico com transporte, materiais gráficos, materiais em geral e insumos, dentre outros.

Em Miranda do Norte, a Coordenação de Imunização em parceria com a Coordenação de Atenção Básica, Núcleo Municipal de Educação em Saúde (NMES), alinhados a outros setores e com apoio da gestão, realizaram o escopo com estratégias para o fortalecimento das ações de imunização, visando melhoria das coberturas, indicadores e metas. Assim, o esforço do grupo técnico de trabalho da Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS) apresenta algumas propostas que foram implementadas, como descentralização das ações de imunização contra a COVID-19 para as UBS, após o desuso do Centro de Vacinação; maior acompanhamento das atividades relacionadas à vacinação infantil (Anexo B); apoio logístico às salas de vacinas e Rede de Frio (Anexo B); articulação em Rede para capacitação profissional sobre a importância da vacinação dentro das faixas etárias preconizadas pelo PNI; organização e/ou estruturação da rede assistencial e cuidado à saúde; participação nas web conferências regionais e nacionais abordando o tema imunização. O grupo de trabalho também promoveu discussões acerca da pesquisa ImunizaSUS, sobretudo em relação à avaliação dos dados correspondentes à Região Nordeste; realizou diálogo com outros gestores e coordenadores municipais que fazem parte da região de saúde para compreensão das dificuldades e soluções em comum; buscou apoio a nível estadual, incluindo a Regional de Saúde de Itapecuru para melhorar a distribuição de vacinas no município (Anexo B); a gestão promoveu investimentos na Educação Permanente e contínua dos Profissionais da ESF; além da realização de diagnóstico situacional com as equipe da APS em relação às dificuldades para realizar a vacinação e apresentação de planejamento estratégico setorial para solução dos problemas in loco. A coordenação de imunização procedeu à distribuição das metas e dos indicadores de cobertura vacinal entre as equipes da ESF para acompanhamento no território; realização de campanhas municipais, com ampla divulgação nas mídias sociais, em parceria com o NMES e setor de comunicação do município, por meio de rádio, TV, grupos de WhatsApp, carro de som, colagem e distribuição de material educativo etc.; ações realizadas nos fins de semana e no período noturno, com busca ativa dos não vacinados de casa em casa (Anexo B); divulgação nas mídias sociais de depoimentos de usuários e/ou autoridades do poder público sobre a importância da vacinação; confecção e publicação de cards, com imagens dos profissionais realizando a vacinação na comunidade (Anexo B). Realizaram-se ações de vacinação entre os grupos de escolares, com o apoio do Programa Saúde na Escola (PSE) e Vigilância em Saúde (VISA) (Anexo B); organização do apoio logístico com transporte em todas as atividades de imunização; articulações com diversos setores da sociedade civil organizada, estabelecimentos e secretarias; e realização de ações de vacinação em outras campanhas de saúde pontuadas na programação Municipal, Estadual e/ou Nacional (Ex.: Março Lilás, Julho Amarelo, Festa Junina etc.) (Anexo B). O grupo técnico realiza periodicamente o monitoramento e a avaliação das coberturas vacinais do município, visando alinhamento de serviços, fluxos e rotina de trabalho para melhorar o processo de imunização e, consequentemente, os indicadores de saúde.

Para o alcance da cobertura vacinal, é importante que a vacinação seja incentivada de forma contínua e incessante, seja pelas orientações aos pais e/ou responsáveis, ou pela conscientização da população em geral, por intermédio de informações transmitidas pelos profissionais de saúde ou meios de comunicação. Com base no cenário epidemiológico atual, a redução nas coberturas e taxas de vacinação em todo o país torna-se motivo de preocupação, pois coloca em risco o modelo de saúde pública vigente, devido ao risco eminente do surgimento de doenças erradicadas e imunopreveníveis que podem contribuir para o aumento da morbimortalidade. Neste momento, observa-se a necessidade de investimentos em ações e estratégias eficazes para fortalecer o movimento de vacinação que está em reconstrução no Brasil. O compartilhamento de responsabilidades entre as esferas de governo é imprescindível para o sucesso e alcance dos indicadores de saúde, sobretudo a nível municipal, em que se encontram os maiores obstáculos e desafios. Para tanto, o município de Miranda do Norte não está medindo esforços, trabalhando e reconstruindo os caminhos para valorização da situação vacinal da população, contando com o apoio da gestão e dos parceiros no alcance das metas preconizada. Entende-se que os profissionais da Atenção Básica são os protagonistas do cuidado e da assistência que envolve a imunização e que a educação continua sendo a melhor opção para o esclarecimento de dúvidas sobre as vacinas. Diante do exposto, espera-se que a experiência do município de Miranda do Norte contribua com outros gestores municipais, que as informações apresentadas possam servir de reflexão e análise para adoção de medidas que visem apoio, viabilização de recursos financeiros e logísticos, participação, acompanhamento e avaliação das ações de imunização desenvolvidas no território, assim como a melhoria dos processos de trabalho, de modo a assegurar o cumprimento das metas estabelecidas e o alcance dos indicadores, além da melhoria dos serviços prestados à saúde infantil e aos adultos, protegendo-os de doenças imunopreveníveis.

Principal

CRISTINA ROSÂNGELA DO NASCIMENTO CARNEIRO

Coautores

Josivan Carneiro Garcês , Veranilde Mendes da Silva, Alexandra Oliveira Reis Ares

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba