Olá,

Visitante

Unificação das Ações dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Endemias

Este trabalho é um relato de experiência implantada no município de Ubiratã/PR. Com população de 21.119 habitantes estimativa IBGE 2018, mas com Sistema de Informação em Saúde atendendo aproximadamente 30 mil usuários ativos. o município conta com 8 equipes de ESF, com cobertura de 100 % da área urbana e rural, mais 1 Equipe NASF 1, CAPS, CEo e Centro de Especialidades. em 2017, na construção do plano municipal de saúde de Ubiratã, 2018 – 2021, após o levantamento do perfil do TERRITÓRIO, classificando a população por risco familiar, identificaram-se problemas na organização da área, com equipes sobrecarregadas atendendo dezenas de famílias de alto risco. Concomitante a este processo o trabalho de endemias, ainda que protocolar não era totalmente eficaz e precisava ser otimizado, pois não refletia a vulnerabilidade do Território, não considerava o vinculo familiar no seu trabalho de rotina, muito menos o risco familiar na prevenção de doenças e promoção a saúde no ambiente familiar

Apoiado legalmente pela PNAB 2017 e entendendo que o usuário é algo único e complexo e não pode ser atendido em “blocos” de atenção, a Secretaria de Saúde promoveu a unificação das atividades de ACS e ACE, sendo esta a parte central da integração ent A PNAB 2017 traz a atribuições comuns aos cargos de agentes comunitários de saúde e agentes de endemias, assim, unificamos suas atribuições, atendendo assim a necessidade do território. o processo de trabalho considerou o período do ciclo da dengue, com vistoria dos imóveis no controle de endemias somado as visitas domiciliares, resultando no acompanhamento das famílias de maior risco e outras atividades de prevenção e promoção a saúde. Os bloqueios de casos suspeitos acontecem com agilidade devido ao maior numero de agentes, sendo finalizado em tempo hábil. as informações sobre endemias e famílias são alimentadas em tempo real por tablete, por um sistema próprio e no final do mês é exportado para o ESUS.

Integração vigilância em saúde com atenção básica, unificação do território, organização dos recursos humanos e financeiros conforme a necessidade do território, o Lira apoia a programação das ações no território, bloqueio realizado em menor tempo, criação de vinculo familiar pelos agentes de endemias.A unificação dos ACS e ACE permite a otimização do tempo de trabalho, considerando os riscos familiares e agravos sanitários para organização do processo de trabalho de prevenção e promoção a saúde, integrando as ações da atenção básica e vigilância em saúde, evitando a dicotomia do cuidado familiar no domicilio.

Principal

Selma De Souza

selmadesouza@hotmail.com

Coautores

Cristiane Martins Pantaleão, Laura Shiratsu Sgarioni, Marilza Nunes Coelho

A prática foi aplicada em

Ubiratã

Paraná

Sul

Instituição

Rua Maria Das Graças Molina, 405, Jardim Panorama

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Cristiane Martins Pantaleão

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

13 mar 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
TEA/TDAH: inclusão sem discriminação
Paraíba
Práticas
Visita de luto – uma atitude humanizada
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação Sem Barreiras: um Grande Desafio
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Vacinação: Estratégias para o Aumento da Cobertura Vacinal no Município de Barrolândia – TO
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Plano de Recuperação do Faturamento Ses/Df
Distrito Federal
Práticas
Sala de Situação Ses-Df
Distrito Federal
Práticas
Rede Inovases
Distrito Federal
Práticas
Diagnóstico de Atendimento da População Hipertensa/Diabética da Equipe 474/06
Distrito Federal