Olá,

Visitante

Triagem Multidisciplinar de TEA em Petrópolis: uma parceria necessária e significativa.

Em 2012, o governo brasileiro instituiu a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, estabelecendo que o indivíduo com TEA deve ser considerado uma pessoa com deficiência para todos os efeitos legais (LEI Nº 12.764, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012). .
De acordo com a Lei 13.146/15, o Sistema Único de Saúde (SUS) deve disponibilizar atenção integral e tratamento completo ao paciente diagnosticado com TEA em qualquer grau de complexidade, por essa razão a coordenação da Reabilitação do município de Petrópolis em diálogo com a direção da ONG GAAPE firmou parceria para realizar o diagnóstico de possíveis casos suspeitos.
O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um distúrbio do neurodesenvolvimento caracterizado por desenvolvimento atípico, manifestações comportamentais, déficits na comunicação e na interação social, padrões de comportamentos repetitivos e estereotipados, podendo apresentar um repertório restrito de interesses e atividades (BRASIL, 2021). A etiologia, ou seja, a origem do TEA ainda permanece desconhecida. Existem evidências científicas que apontam que não há uma causa única, mas a interação de fatores genéticos e ambientais. O diagnóstico é essencialmente clínico, a partir das observações da criança, entrevistas com os pais e a aplicação de instrumentos específicos. Os instrumentos de vigilância do desenvolvimento infantil são sensíveis para a detecção de alterações sugestivas de TEA. O fechamento do diagnóstico é feito com parecer da equipe multiprofissional e com o laudo do médico especialista. Para detecção precoce e comprovação de sinais sugestivos, é utilizado o instrumento Checklist M-CHART-R/F em crianças entre 16 e 30 meses de idade. Em pacientes com idade superior a 30 meses é utilizado outro instrumento que será disponibilizado a seguir.

O projeto tem como objetivo geral realizar o diagnóstico de TEA em Crianças, Adolescentes, de 04 até 17 anos, com queixa Transtorno do Espectro Autista, que residam no Município de Petrópolis. E como objetivos específicos: realizar intervenções individuais com Autistas em Psicologia, Fonoaudiologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Psicomotricidade e Nutrição, para melhorar o padrão de comportamento, alimentação, linguagem e postural; realizar intervenções individuais e em grupo com Autistas em todos os setores, para colaborar no processo de interação e consequentemente contribuir na vida dos autistas na: inclusão, sociedade e familiar de pacientes com TEA, e suas respectivas famílias. Os setores de Fonoaudiologia, Fisioterapia, Psicologia, Terapia ocupacional, Psicomotricidade, e Nutrição, trabalhando em conjunto com os familiares na melhoria da qualidade de vida dos autistas, no entendimento e na conscientização do TEA junto aos familiares. A pessoa com suspeita de TEA chega à instituição encaminhada por um profissional de nível superior da UBS, através do sistema de Regulação Municipal. Ao receber a criança ou adolescente para o atendimento assistencial, é realizada inicialmente uma avaliação Pedagógica para determinar o grau de complexidade e as condições sociais, educacionais e familiares. Após esta primeira análise, a pessoa com suspeita de TEA e a família são encaminhadas para o Setor de Assistência Social, para um agendamento de visita domiciliar. A Assistente Social realiza a visita e conhecer as condições sócio econômicas e o aconselhamento social. Após este levantamento, a Coordenadora Técnica realiza uma reunião com a equipe multidisciplinar, para elaborar os planos de ações que assegurem a proteção social de acordo com o grau de complexidade da pessoa com Transtorno Autista. Este plano visa o acompanhamento individual e/ou coletivo, interdisciplinar, além de acompanhamento familiar pelo setor de Assistência Social, Psicologia e Nutrição, identificando as necessidades básicas da pessoa deficiente, mas também das famílias, tais como: situação emocional, parte médica clínica, medicamentos, moradia, alimentação, vestuário, inclusão escolar e social, orientação dos direitos da pessoa com deficiência.

Tendo iniciado em 2023, esse projeto propiciou a avaliação de 120 pessoas durante o ano de 2023 com diagnóstico realizado por equipe multidisciplinar. Após esse diagnóstico é elaborado o Plano terapêutico individual. Este plano visa o acompanhamento individual e/ou coletivo, interdisciplinar, além de acompanhamento familiar pelo setor de Assistência Social, Psicologia e Nutrição, identificando as necessidades básicas da pessoa com deficiência, mas também das famílias, tais como: situação emocional, clínica, necessidade de medicamentos, condições de moradia, alimentação, vestuário, inclusão escolar e social, orientação dos direitos da pessoa com deficiência.

Os serviços prestados são de forma contínua com atendimento especializado, visando à efetiva integração e inclusão social da pessoa deficiente.
Sabe-se que esse projeto não terá resolutividade total para a complexa situação das pessoas com TEA, mas o diagnóstico bem estabelecido é o começo de uma assistência mais efetiva e colabora com a diminuição da inequidade. Sabe-se também que pesquisas científicas estão ocorrendo em todo mundo e ter a um serviço especializado pode ser também um espaço para discussão e investigação científica entre os pares.

Principal

NANCI BARILLO

n.barillo@hotmail.com

Coordenadora Reabilitação

Coautores

Márcia Loureiro

A prática foi aplicada em

Petrópolis

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Nanci Barillo

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 abr 2024

e atualizada em

01 abr 2024

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Projeto Coração Forte: realização de exames de holter 24h (eletrocardiograma dinâmico), medição ambulatorial da pressão arterial em 24 (mapa 24h), eletrocardiograma de esforço (teste ergométrico), eletrocardiograma de repouso e ecocardiograma transtorácico no município de Belém do Brejo do Cruz, no Sertão da Paraíba.
Paraíba
Práticas
SOS CORAÇÃO
Rio de Janeiro
Práticas
Assistência de média complexidade em município de pequeno porte: experiência de Mendes (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Experiencia de Barra do Piraí no suporte as enfermidades cardiovasculares no leito de cuidados prolongados na rede de urgência e emergência do Médio Paraíba.
Rio de Janeiro
Práticas
O trabalho do assistente social no âmbito hospitalar: acolhimento e garantia de direitos.
Rio de Janeiro
Práticas
Indicadores de excelência do HMSJ em doação de órgãos para transplante
Santa Catarina
Práticas
Assistência Domiciliar Aos Pacientes do Serviço de Atenção Especializada em Ist/Aids do Município de Vila Velha-Es
Espírito Santo
Práticas
Experiência Regulação odontológica da Atenção Primária X Especialidades – Ceo
Paraíba
Práticas
Saúde Prisional e Equipe de Saúde: Serviços Multidisciplinares na Cadeia Pública de Itabaiana – Pb
Paraíba
1 / 512345