Olá,

Visitante

SOS CORAÇÃO

Entre as causas de morte e hospitalização por doenças cardiovasculares (DCV) destacam-se as síndromes coronarianas agudas (SCA), incluindo o infarto agudo do miocárdio (IAM) e a angina instável (AI). Com os avanços no tratamento das SCA, a taxa de mortalidade por IAM em 30 dias, varia de 3% à 5% nos centros avançados porém pode chegar a 30% quando as diretrizes recomendadas não são aplicadas. O tratamento moderno do IAM depende do uso de terapias de reperfusão mecânica (angioplastia primária) ou química (trombólise), do rápido acesso aos serviços de saúde, equipe médica treinada e do uso de medicações específicas.
No Brasil é estimado 300 à 400 mil infartos ao ano e para cada cinco a sete casos ocorra um óbito. Cerca de 50% das mortes por IAM ocorrem na primeira hora do evento e são atribuíveis à arritmias, sendo a mais frequente a fibrilação ventricular.
Apesar dos esforços do Governo Federal em tentar oferecer um atendimento mais rápido e eficiente aos pacientes com infarto agudo do miocárdio muitos casos ainda não recebem o tratamento adequado sendo observado uma elevada morbidade e mortalidade.
Hoje a atenção primária é constituída pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Equipes de Saúde da Família, enquanto o nível intermediário de atenção fica a encargo do SAMU 192 (Serviço de Atendimento Móvel as Urgência) e das Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24H). O atendimento de média e alta complexidade é feito nos hospitais.
O desafio é tornar o tratamento para o infarto agudo do miocárdio disponível para a população como um todo e promover a redução da morbidade e mortalidade da doença em nosso meio.
Em nossa região a realidade não é diferente havendo uma alta morbidade e mortalidade pelas doenças cardiovasculares, principalmente, devido ao infarto agudo do miocárdio.
Este projeto tem como objetivo inserir na de linha de cuidados à pacientes com IAM com supra do segmento ST, o tratamento ouro que consiste na realização da coronariografia e angioplastia coronária primária na fase aguda do IAM com supra do segmento ST . Este procedimento tem como objetivo desobstruir o vaso restabelecendo o fluxo normal para o músculo do coração. Quanto mais precoce o tratamento ou seja, mais precoce a desobstrução do vaso, mais músculo salvo, maior sobrevida, melhor prognóstico e menor as sequelas. Este tratamento será incorporado a Rede de Atenção às Urgências do município de Campos dos Goytacazes.

Redução da mortalidade e sequelas pelo infarto agudo do miocardio.

Foram atendidos 230 pacientes com IAM com supra na primeira hora do atendimento da emergencia, sendo destes 70% homens entre 50 e 75 anos

Capacitação de toda a rede e identificação de unidade de alta capacidade com atendimento 24 horas

Principal

Bruna Araujo Siqueira

bruna.farmacia.siqueira@gmail.com

Diretora de Auditoria Controle e Avaliação

A prática foi aplicada em

Campos dos Goytacazes

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Rua Voluntarios da Patria, 184, Centro - Campos dos Goytacazes / RJ

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Bruna Araujo Siqueira

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 abr 2024

e atualizada em

01 abr 2024

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Projeto Coração Forte: realização de exames de holter 24h (eletrocardiograma dinâmico), medição ambulatorial da pressão arterial em 24 (mapa 24h), eletrocardiograma de esforço (teste ergométrico), eletrocardiograma de repouso e ecocardiograma transtorácico no município de Belém do Brejo do Cruz, no Sertão da Paraíba.
Paraíba
Práticas
Triagem Multidisciplinar de TEA em Petrópolis: uma parceria necessária e significativa.
Rio de Janeiro
Práticas
Assistência de média complexidade em município de pequeno porte: experiência de Mendes (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Experiencia de Barra do Piraí no suporte as enfermidades cardiovasculares no leito de cuidados prolongados na rede de urgência e emergência do Médio Paraíba.
Rio de Janeiro
Práticas
O trabalho do assistente social no âmbito hospitalar: acolhimento e garantia de direitos.
Rio de Janeiro
Práticas
Indicadores de excelência do HMSJ em doação de órgãos para transplante
Santa Catarina
Práticas
Assistência Domiciliar Aos Pacientes do Serviço de Atenção Especializada em Ist/Aids do Município de Vila Velha-Es
Espírito Santo
Práticas
Experiência Regulação odontológica da Atenção Primária X Especialidades – Ceo
Paraíba
Práticas
Saúde Prisional e Equipe de Saúde: Serviços Multidisciplinares na Cadeia Pública de Itabaiana – Pb
Paraíba
1 / 512345