Olá,

Visitante

Tecendo Redes: a Regulação Como Articuladora da Alta Responsável do Usuário Pós-Covid-19.

Nos últimos anos temos vivenciado significativos avanços no que tange ao Sistema Único de Saúde (SUS). Contudo, torna-se cada vez mais evidente a dificuldade em superar a intensa fragmentação das ações e serviços de saúde e em concretizar a articulação da Rede de Atenção à Saúde (RAS). Tendo em vista a complexidade do cenário da pandemia em decorrência do Covid-19 e, considerando o princípio da integralidade do SUS, o Departamento de Planejamento, Controle, Avaliação, Auditoria e Regulação (DPCAR), por meio da Coordenação de Regulação (COREG) da Secretaria de Saúde de Angra dos Reis/RJ implementou o projeto da Alta Responsável do Usuário Pós Covid-19, destacando a potencialidade da regulação assistencial em integrar os diferentes níveis de atenção, a partir da organização do acesso com foco nas necessidades do usuário. Tal estratégia justifica-se pela importância da continuidade da assistência ao usuário após internação por formas graves da infecção pelo coronavírus, diante de uma doença nova, com diferentes manifestações clínicas, complicações e demandas de acompanhamento. As ações estartadas imediatamente após a alta hospitalar contribuem para a prevenção de possíveis complicações e de reinternações, promovendo a inserção precoce deste usuário nos diversos pontos da RAS na perspectiva da manutenção do atendimento à linha de cuidado, até sua plena recuperação.A prática teve início a partir de uma reunião do Gabinete de Crise para Enfrentamento do Coronavírus, em Junho/2020 onde, superadas as etapas de planejamento e estruturação dos Centros de Atendimento e da ampliação da oferta de leitos clínicos e de UTI para atendimento às pessoas com Covid-19, tornou-se evidente a necessidade de implementar ações capazes de articular a continuidade do cuidado após alta.O processo de articulação elaborado pela Regulação Assistencial em parceria com a RAS compreendeu as seguintes etapas: Planejamento estratégico situacional envolvendo os três níveis de atenção à saúde

O estudo em questão traduz o relato de experiência da Regulação Assistencial de Angra dos Reis/RJ como articuladora de estratégias destinadas a assegurar a alta responsável do usuário Pós-Covid-19 e tem como objetivos:Objetivo geral:Planejar a alta do usuário Pós-Covid-19, tendo a regulação assistencial como articuladora de estratégias que favorecem a continuidade do cuidado, mediante o acesso aos diversos pontos da RAS, em tempo oportuno.Objetivos específicos:- Responsabilizar a equipe pelo planejamento da alta

Podemos concluir que a Alta Responsável é um processo de extrema importância na garantia da continuidade do cuidado na RAS. Porém, permeia vários desafios, especialmente quando consideramos uma doença nova e complexa, que apresenta uma variedade de condições clínicas que vão desde infecções assintomáticas a quadro graves.A pandemia trouxe com ela novas demandas para o setor saúde e, a incipiência de critérios e parâmetros para subsidiar o planejamento das ações e serviços de saúde, provocou nos gestores do SUS a necessidade de reinventar a lógica da programação da assistência e implementar ações para melhorar o acesso.Nesse contexto e, considerando o perfil da Regulação Assistencial em promover os princípios da equidade e da integralidade do cuidado, destaca-se o papel da regulação como articuladora da alta segura dos usuários Pós-Covid-19, favorecendo o atendimento da linha de cuidado e a inserção destes nos diversos pontos da rede.Inúmeros são os benefícios oriundos dessa ação, como: o fortalecimento da comunicação na RAS, o foco no olhar preventivo, o apoio técnico especializado, a redução do tempo de permanência no hospital, o conforto do usuário e sua família, a prevenção de complicações e a redução de reinternações.

Principal

Luciana Rossinol Silva

lurossinol@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

RJ

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Angra dos Reis

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Luciana Rossinol Silva

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

07 jun 2016

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
1º Audiência Regional de Saúde de Campo: Regionalizar é Preciso – Exercitando a Participação Social e Vencendo os Vazios Assistenciais.
Paraná
Práticas
Sala de Situação: Um Instrumento Facilitador para Implantação de Gestão Compartilhada em Cidade de Pequeno Porte
Mato Grosso
Práticas
Apoio Institucional Como Dispositivo para o Fortalecimento das Redes de Atenção À Saúde na 13ª Região de Saúde da Paraíba
Paraíba
Práticas
Gestão Financeira da Saúde na Prática Municipal
Paraná
Práticas
A Regulação do Acesso no Município de Vitória: o Caminho para a Equidade e Integralidade do Cuidado
Espírito Santo
Práticas
Apoiadores Municipais da Política Nacional de Humanização, Fomentando os Núcleos Técnicos de Humanização nos Distritos Sanitários de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Maceió/Al
Alagoas
Práticas
Implantação do Fluxo de Investigação de Óbito: Integração Entre Atenção Básica e Vigilância Sanitária
Bahia
Práticas
“Relato Experiência da Implantação do Modelo de Gestão Municipal de Casos, Integrando Grupos Prioritários e Condições Crônicas”.
Paraná
Práticas
Educação permanente do Cosems RN e o planejamento regional
Rio Grande do Norte