Olá,

Visitante

Sistema Hiperdia: Estudo Longitudinal em Um Distrito Sanitário

Para reduzir a morbimortalidade e reorganizar a atenção a estes agravos, o governo federal implantou a partir do ano de 2000, o Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus. O plano tem o objetivo de reorganizar os serviços para oferecer uma atenção continuada e qualificada aos portadores de diabetes e hipertensão. Este plano priorizou a confirmação de casos suspeitos, a elaboração de protocolos clínicos e treinamento dos profissionais de saúde, a garantia da distribuição gratuita de medicamentos e a criação de um sistema informatizado de cadastramento e acompanhamento de hipertensos e diabéticos denominado sistema HIPERDIA.2 Desenvolvido em 2002, este sistema permite o cadastro de pacientes com diagnóstico de hipertensão e/ou diabetes no sistema, bem como a inserção sistematizada de dados de acompanhamento clínico destes usuários, possibilita gerar informações suficientes para o planejamento e execução de ações que visem à prevenção e o controle de complicações nos indivíduos com diagnóstico de hipertensão e/ou diabetes, bem como pode subsidiar nas ações de prevenção destas doenças na população em geral.3 Portanto, diagnosticar e cadastrar no sistema estes usuários, objetivando viabilizar o acompanhamento nos serviços de saúde, constitui um verdadeiro desafio para os gestores e trabalhadores do Sistema Único de Saúde, tendo em vista a alta prevalência destas doenças, e para acompanhar o desempenho dos serviços neste processo, é imprescindível acompanhar a cobertura sistema nos territórios. Objetivo: Descrever uma série histórica da cobertura do sistema HIPERDIA. Método: estudo descritivo, com abordagem quantitativa, utilizando o sistema HIPERDIA para análise da série histórica da cobertura deste sistema em um Distrito Sanitário de João Pessoa/PB/Nordeste do Brasil no período de 2006 a 2012. A análise dos dados foi realizada com o auxílio da estatística descritiva. O estudo foi fundamentado em dados secundários, de acesso público, que não constrangeram grupos de populações e/ou indivíduos. As informações correspondentes à frequência da população hipertensa e diabética referente a cada ano da série histórica foram obtidos no Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas não Transmissíveis por Inquérito Telefônico (VIGITEL)4-9, implantado em 2006 pelo Ministério da Saúde. Esse sistema monitora a frequência e distribuição desses fatores nas capitais brasileiras e Distrito Federal por meio de entrevistas telefônicas e questionário eletrônico, baseando-se em amostras probabilísticas da população adulta residente em domicílios servidos por linhas de telefonia fixa. Resultados: a prevalência de hipertensão de 2006 a 2012 variou entre 21 e 24,9% e diabetes entre 4,6 e 5,7%, A proporção de hipertensos cadastrados variou entre 43,89 e 82,91%, o que representou uma ampliação de aproximadamente 91% na cobertura deste sistema, ao longo da série estudada, demonstrando uma ampliação significativa do acompanhamento dos portadores deste agravo, já a de diabéticos, entre 83,56 e 135,02%. O número de diabéticos cadastrados no Sistema HIPERDIA foi ampliado de 1.739, no ano de 2006, para 2.355 em 2012, oscilando ao longo dos anos. Conclusão: a hipertensão é uma doença mais prevalente que o diabetes, porém se observou menor proporção de hipertensos cadastrados relacionado aos diabéticos, sendo necessário investimento em estratégias de diagnóstico e cadastramento de hipertensos, para lhes garantir assistência. Descritores: Sistema de Informação Hipertensão Diabetes Mellitus. Referências: 1. Nascimento JS do Pereira ANS Sardinha AHL. Perfil epidemiológico em mulheres portadoras de hipertensão arterial e diabetes mellitus atendidas pela estratégia saúde da família de uma comunidade em São Luís Luís MA. Rev Pesq Saúde [Internet}. 2010 May-Aug [cited 2012 Dec 13] 11(2):14-9. Available from: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma/article/viewFile/546/298 2. Chazan AC Perez EA. Avaliação da Implementação do Sistema Informatizado de Cadastramento e Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos (HIPERDIA) nos municípios do Estado do Rio de Janeiro. Rev. APS [Internet]. 2008 Jan-Mar [cited 2012 Dec 20] 11(1): 10-6. Available from: http://www.seer.ufjf.br/files/journals/3/articles/197/public/197-833-1-PB.pdf 3. Ferreira CLRA Ferreira MG. Características epidemiológicas de pacientes diabéticos da rede pública de saúde &ndash análise a partir do sistema Hiperdia. Arq Bras Endocrinol Metab [Internet]. 2009 Feb [cited 2013 Jan 08] 53(1): 80-6. Available from: http://www.scielo.br/pdf/abem/v53n1/v53n1a12.pdf 4. Brasil. Vigitel Brasil 2006: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde 2007. 5. Brasil. Vigitel Brasil 2007: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde 2008. 6. Brasil. Vigitel Brasil 2008: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde 2009. 7. Brasil. Vigitel Brasil 2009: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde 2010. 8. Brasil. Vigitel Brasil 2010: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde 2011. 9. Brasil. Vigitel Brasil 2011: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde 2012. 10. Lessa I Mion Jr. D. Múltiplas medidas da pressão arterial por aparelho eletrônico e prevalências de hipertensão em inquérito populacional. Rev Bras Hipertens [Internet]. 2006 [cited 2013 Feb 06] 13(2):104-10. Available from: http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/13-2/06-multiplas-medidas.pdf 11. Schmidt MIS Duncan BB Hoffmann JF Moura L de Malta DC Carvalho RMSV de. Prevalência de diabetes e hipertensão no Brasil baseada em inquérito de morbidade auto-referida, Brasil, 2006. Rev. Saúde Publ [Internet]. 2009 [cited 2013 Jan 15] 43(Supl2):74-82. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43s2/ao801.pdf 12. Shaw JE Sicree RA Zimmet PZ. Global estimates of the prevalence of diabetes for 2010 and 2030. Diabetes Res Clin Pract [Internet].2010 Jan [cited 2013 Mar 02] 87(1):4&ndash 14. Available from: http://www.researchgate.net/publication/38073991_Global_estimates_of_the_prevalence_of_diabetes_for_2010_and_2030 13. Costa IKF Tibúrcio MP Melo GSM Nunes JP Néo MEMF Torres GV. Caracterização dos diabéticos e hipertensos acompanhados pelo sistema informatizado de cadastramento e acompanhamento de hipertensos e diabéticos. J Nurs UFPE on line [Internet]. 2012 Nov [cited 2013 Jan 20] 6(11) :2719-28. Available from: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/3281/pdf_1632 14. Laurenti R Jorge MHPM Gotlieb SLD. A confiabilidade dos dados de mortalidade e morbidade por doenças crônicas não transmissíveis. Ciênc saude coletiva [Internet]. 2004 Oct-Dec [cited 2013 Jan 20] 9(4):909-20. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csc/v9n4/a12v9n4.pdf 15. Souza MFM. Dos dados a politica: a importancia da informação em saúde. Epidemiol Serv Saúde [Internet}. 2008 [cited 2013 Feb 05] 17(1):5-6. Available from: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742008000100001&lng=pt 16. Brasil. Prefeitura Municipal de João Pessoa. Secretaria Municipal de Saúde. Orientações acerca dos indicadores de monitoramento da Vantagem Individual Pecuniária: VPI. Versão atualizada. João Pessoa: 2012. 17. Araújo JL de Paz EPA Moreira TMM. Hermenêutica e o cuidado de saúde na Hipertensão Arterial realizado por enfermeiros na Estratégia Saúde da Família. Esc Anna Nery [Internet]. 2010 Jul-Sep 14(3):560-66. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452010000300018&script=sci_arttext 18. Girotto E Andrade SM de Cabrera MAS. Análise de três fontes de informação da atenção básica para o monitoramento da hipertensão arterial. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2010 Apr-June [cited 2013 Jan 15] 19(2):133-41. Available from: http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/ess/v19n2/v19n2a06.pdf.

A hipertensão arterial e o diabetes mellitus constituem importantes problemas de saúde pública no Brasil. Apresentam elevada prevalência, dão origem a complicações agudas e crônicas, bem como representam fatores de risco associados às doenças cardiovasculares. São responsáveis por elevadas taxas de morbidade e mortalidade, aumento dos custos sociais e econômicos decorrentes do uso de serviços de saúde, absenteísmo, aposentadoria precoce e incapacidade para o trabalho.

Principal

Rafaela Jeane Pereira Cunha

A prática foi aplicada em

João Pessoa

Paraíba

Nordeste

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Rafaela Jeane Pereira Cunha

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Conselho Local de Saúde no Fortalecimento do Controle Social no Município de Crato-Ce
Ceará
Práticas
Implantação de Conselho Local de Saúde em Município de Pequeno Porte Através de Redes Sociais
Minas Gerais
Práticas
A Concretização do Controle Social Através de uma Associação de Usuários, Familiares e Amigos da Saúde Mental no Município de Silva Jardim – Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Ouvidora da Saúde no Município de Lagoa da Prata – Um Espaço de Participação Efetiva, Controle Social, Mediação, Humanização e Fortalecimento da Rede.
Minas Gerais
Práticas
Ação Conjunta Entre a ouvidoria/Cms de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde Promove Trabalho Diferenciado À População de Primavera do Leste Realizando Experiencias Exitosas.
Mato Grosso
Práticas
Pesquisa de Satisfação Usuários Internados – Hospitais Federais do Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
Práticas
Avaliação do Impacto da Divulgação dos Serviços e Ações da Secretaria Municipal de Saúde Como Ferramenta de Prestação de Contas, Consolidação da Imagem da Instituição e Incentivo a Participação Popula
Paraná
Práticas
Ouvidoria Ativa – (Re) Aprendendo a Escutar o Usuário
Paraná
Práticas
Agenda Participativa: Contribuição para o Fortalecimento do Planejamento em Saúde de Guaraí – To.
Tocantins
Práticas
Intersetorialidade: Concepção Ampliada de Saúde nas Ações do Conselho Local de Saúde das Gramas – Castro /Pr
Paraná