Olá,

Visitante

#Quarentenasf: Possibilidades de Educação em Saúde pelo Uso Sistematizado da Plataforma Instagram na Pandemia de Covid-19

Apresentação/Introdução:A pandemia de COVID-19, impôs diversas mudanças no cotidiano de profissionais e usuários da Atenção Básica de norte a sul do país. Como problemática comum, trouxe consigo a impossibilidade da realização de ações coletivas de educação em saúde, a exemplo das reuniões em grupos nas UBSs e das atividades educativas do programa de saúde na escola. Tal cenário, produz um relevante impacto na atenção primária, pois tais experiências educativas têm papel fundamental no combate e controle de diversas doenças, uma vez que, o acesso à informação sobre saúde é um dos pilares para construção de conhecimentos que precedem a adoção de hábitos saudáveis, sobretudo em comunidades de baixa renda. Em resposta a este cenário a equipe multidisciplinar do município de Caldas Brandão-PB vislumbrou no uso sistematizado das redes sociais, uma possibilidade para desenvolver ações de educação em saúde dando continuidade aos atendimentos coletivo e fomentando bons hábitos de vida na população durante a pandemia.ObjetivosOBJETIVO GERAL: Promover ações de educação em saúde através do uso sistematizado da plataforma Instagram, pelos profissionais da equipe multidisciplinar do NASF. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: – Fomentar a reaproximação entre os usuários da atenção primária e os profissionais de saúde utilizando plataformas digitais como ponte de conexão. – Promover a continuidade das ações educativas direcionadas a grupos (hipertensos, idosos, gestantes, crianças dentre outros) num período no qual as atividades coletivas estão suspensas por oferecerem riscos de contágio. – Empregar recursos áudio-visuais gratuitos para a criação para a implementação de ações de educação em saúde nas plataformas digitais. – Promover uma cultura de prevenção em saúde e de bons hábitos de saúde utilizando através do compartilhamento de informações sobre saúde nas redes sociais.MetodologiaCriamos um perfil na plataforma Instagram – @saudecaldasbrandão- para ser o canal de comunicação com usuários da atenção básica e elaboramos a estratégia QuarenteNASF, que consiste na estruturação de uma programação educativa fixa em cada dia da semana, na rede Instagram. Na segunda-feira no quadro #treinoemcasa as fisioterapeutas e educadora física produzem e disponibilizam vídeos e/ou lives com orientações sobre a prática de atividades físicas no ambiente doméstico. Na terça, na ação #arrasta_para_o_lado equipe elabora e divulga guias ilustrados com orientações sobre a COVID-19 e temáticas atuais de saúde. A quarta, ocorre o #quarta_tem_love destinado a realização de lives ao vivo, mediadas por profissionais do NASF e outros profissionais do setor de saúde, educação e assistência. Na quinta, na série #passo_a_passo são disponibilizados vídeos e guias ilustrados com demonstrações práticas sobre algum assunto discutido na semana. Na sexta fazemos indicações de filmes que tenham relação com temas de saúde abordados na semana, para provocar reflexões humanizadas sobre as problemáticas de saúde e promover a saúde mental dos usuários. As ações são planejadas articulando interações com a comunidade e demandas da APS, de modo que, a cada semana é escolhida uma temática direcionada a atender um público ou resolver um problema específico. Algumas destas estratégias também acontecem em articulação com outros setores públicos, como educação, assistência social, entidades religiosas.

Como utilizar as redes sociais para aproximar usuários e profissionais de saúde dando continuidade às atividades de Educação em Saúde, em um momento no qual é urgente criar uma cultura de prevenção e adoção de hábitos saudades, mas que a realização de ações coletivas presenciais não são recomendadas em vitrtude na pandemia de COVID-19.

A partir de nossa proposta, ratificamos o ambiente virtual como um espaço furtivo para um trabalho de educação em saúde, e para o acolhimento e atendimento ao usuário da atenção primaria num período no qual experiências coletivas presenciais estão impossibilitadas. Podemos dizer que ressiginificamos o olhar sobre o papel das redes sociais nos serviços de saúde, pois, ao invés da simples divulgação, praticada por muitas secretarias municipais, utilizamos a rede social para, de fato, conectar profissional e usuário. Concomitantemente, acreditamos que com esta iniciativa, estamos colaborando com o desenvolvimento de um olhar de complexidade para o processo de saúde e adoecimento, com a reafirmação da relevância da equipe multidisciplinar no fortalecimento da Atenção Primária em Saúde e com a constatação do ambiente virtual como campo para o trabalho de educação e promoção em saúde.

Principal

Laís Santos Castro

laixscastro@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

RJ

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Caldas Brandão

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Laís Santos Castro

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Atuação do programa saúde na escola (PSE) no enfrentamento da dengue e outras arboviroses
Paraíba
Práticas
Ampliando leque da rede: fortalecimento dos vínculos entre equipes e escola.
Paraíba
Práticas
Relato de experiência: humanização na atenção ao usuário no pronto atendimento de Pilar (PB))
Paraíba
Práticas
Zoonoses e Vetores na Escola: Informação, Educação e Comunicação em Saúde como ferramenta de mudança.
Rio de Janeiro
Práticas
A Integração Ensino Serviço Comunidade em Volta Redonda/RJ: Em defesa da formação no SUS para o SUS
Rio de Janeiro
Práticas
Acôes de promoção e prevenção a saúde integradas, com outras vigilâncias, equipe multidisciplinar e APS para trabalhadores e trabalhadoras, realizadas no lde trabalho, das empresas privadas parceiras do municipio de João Câmara, RN
Rio Grande do Norte
Práticas
Pode ser lindo aprender no SUS: uma proposta para o acolhimento dos futuros trabalhadores da saúde
Rio de Janeiro
Práticas
Mas eu não consigo doutor – Grupos dialógicos para a APS – Juntos nós podemos
Rio de Janeiro