Olá,

Visitante

Projeto Rastreando

O crime de Estado praticado por políticas públicas higienistas e equivocadas entre as décadas de 20 a 80 do Século Passado, quando crianças foram retiradas do convívio biológico com seus pais e enviadas a vários educandários, preventórios e orfanatos no Estado de São Paulo, produzindo uma população à parte, marginalizada e esquecida pelos poderes públicos até esta data.Justificativa: Percorrer vários municípios do Estado de São Paulo em busca de informações e documentos que comprovem estas internações em instituições e que não constam das consideradas oficiais.Objetivos: Resgatar a história biológica destes cidadãos que foram injustamente apartados de suas famílias Proporcionar o direito à história pessoal Reunir informações e documentos para proteção de suas histórias Criar um protocolo de arquivo e guarda destes documentos para futuras pesquisas e direitos pessoais à verdade biológica de cada um Descrição Sucinta: Durante oficinas realizadas com filhos separados ouviu-se relatos de outros locais que foram utilizados para a internação dos mesmos e outras histórias foram surgindo e que demandavam busca para garantir o direito à verdade de cada um, porque muitos destes cidadãos não conhecem, até hoje, seus pais e suas famílias, sendo que muitos desconhecem seu verdadeiro nome e local de nascimento.Resultados: Até o momento, foram encontrados 7 preventórios que não constavam aos 2 oficialmente reconhecidos, com perda parcial ou total de documentos, mas com a história de cada um ali revelada. Nesta ação, verificou-se a inexistência de muitas buscas ativas para a hanseníase, provocando a não quebra de contágio desta rede e consequentemente dificultando a eliminação da doença no Brasil. Concluiu-se pela necessidade de informar aos gestores de saúde a importância da história destas famílias inseridas no método de tratamento da patologia para que os resultados consigam de fato quebrar a rede de contaminação.

Rastreando Informações dos filhos que foram separados de seus pais no Isolamento Compulsório imposto a pacientes de hanseníase no Estado de São Paulo

Principal

Maria Teresa da Silva Santos Oliveira

A prática foi aplicada em

Barueri

São Paulo

Sudeste

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Maria Teresa da Silva Santos Oliveira

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

07 fev 2018

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Pré Conferências Locais de Saúde: “Um Exemplo de Democracia na Saúde de Porto Velho, Rondônia.#
Rondônia
Práticas
Conferências Municipais de Saúde: Importância do Apoio Matricial no Fortalecimento do Controle Social e Espaços de Gestão.
Paraíba
Práticas
Educação Popular em Saúde: Estratégia de Gestão Participativa
Ceará
Práticas
Implantação do Conselho Gestor
Bahia
Práticas
Os Avanços do Conselho Municipal de Saúde de Macau
Rio Grande do Norte
Práticas
Participação Comunitária na Estratégia Saúde da Família do Abapã no Município de Castro – Paraná
Paraná
Práticas
Espaços de Cidadania: a Implantação das ouvidorias Municipais na 18ª Região de Saúde do Estado do Ceará
Ceará
Práticas
Redefinição da Lei Regulamentar do Conselho Municipal de Saúde de Santa Maria de Jetibá-Es por Meio das Rodas de Educação Permanente.
Espírito Santo
Práticas
Ouvidoria: Um Caminho para Melhoria da Gestão.
Espírito Santo