Olá,

Visitante

Projeto Rastreando

O crime de Estado praticado por políticas públicas higienistas e equivocadas entre as décadas de 20 a 80 do Século Passado, quando crianças foram retiradas do convívio biológico com seus pais e enviadas a vários educandários, preventórios e orfanatos no Estado de São Paulo, produzindo uma população à parte, marginalizada e esquecida pelos poderes públicos até esta data.Justificativa: Percorrer vários municípios do Estado de São Paulo em busca de informações e documentos que comprovem estas internações em instituições e que não constam das consideradas oficiais.Objetivos: Resgatar a história biológica destes cidadãos que foram injustamente apartados de suas famílias Proporcionar o direito à história pessoal Reunir informações e documentos para proteção de suas histórias Criar um protocolo de arquivo e guarda destes documentos para futuras pesquisas e direitos pessoais à verdade biológica de cada um Descrição Sucinta: Durante oficinas realizadas com filhos separados ouviu-se relatos de outros locais que foram utilizados para a internação dos mesmos e outras histórias foram surgindo e que demandavam busca para garantir o direito à verdade de cada um, porque muitos destes cidadãos não conhecem, até hoje, seus pais e suas famílias, sendo que muitos desconhecem seu verdadeiro nome e local de nascimento.Resultados: Até o momento, foram encontrados 7 preventórios que não constavam aos 2 oficialmente reconhecidos, com perda parcial ou total de documentos, mas com a história de cada um ali revelada. Nesta ação, verificou-se a inexistência de muitas buscas ativas para a hanseníase, provocando a não quebra de contágio desta rede e consequentemente dificultando a eliminação da doença no Brasil. Concluiu-se pela necessidade de informar aos gestores de saúde a importância da história destas famílias inseridas no método de tratamento da patologia para que os resultados consigam de fato quebrar a rede de contaminação.

Rastreando Informações dos filhos que foram separados de seus pais no Isolamento Compulsório imposto a pacientes de hanseníase no Estado de São Paulo

Principal

Maria Teresa da Silva Santos Oliveira

A prática foi aplicada em

Barueri

São Paulo

Sudeste

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Maria Teresa da Silva Santos Oliveira

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

07 fev 2018

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Conselho Local de Saúde no Fortalecimento do Controle Social no Município de Crato-Ce
Ceará
Práticas
Implantação de Conselho Local de Saúde em Município de Pequeno Porte Através de Redes Sociais
Minas Gerais
Práticas
A Concretização do Controle Social Através de uma Associação de Usuários, Familiares e Amigos da Saúde Mental no Município de Silva Jardim – Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Ouvidora da Saúde no Município de Lagoa da Prata – Um Espaço de Participação Efetiva, Controle Social, Mediação, Humanização e Fortalecimento da Rede.
Minas Gerais
Práticas
Ação Conjunta Entre a ouvidoria/Cms de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde Promove Trabalho Diferenciado À População de Primavera do Leste Realizando Experiencias Exitosas.
Mato Grosso
Práticas
Pesquisa de Satisfação Usuários Internados – Hospitais Federais do Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
Práticas
Avaliação do Impacto da Divulgação dos Serviços e Ações da Secretaria Municipal de Saúde Como Ferramenta de Prestação de Contas, Consolidação da Imagem da Instituição e Incentivo a Participação Popula
Paraná
Práticas
Ouvidoria Ativa – (Re) Aprendendo a Escutar o Usuário
Paraná
Práticas
Agenda Participativa: Contribuição para o Fortalecimento do Planejamento em Saúde de Guaraí – To.
Tocantins
Práticas
Intersetorialidade: Concepção Ampliada de Saúde nas Ações do Conselho Local de Saúde das Gramas – Castro /Pr
Paraná