Olá,

Visitante

O Matriciamento Como Processo de Trabalho do Nasf

Finalidade da Experiência:•

A população de Rio do Sul é atendida por 13 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e 4 extensões que atuam como Estratégias de Saúde da Família – ESF, estas contam com o apoio de uma equipe de NASF. O NASF foi criado pelo Ministério da Saúde em 2008 com o objetivo de apoiar a consolidação da Atenção Básica no Brasil, ampliando as ofertas de saúde na rede de serviços, assim como a resolutividade, a abrangência e o alvo das ações. No desenvolvimento das ações do NASF em Rio do Sul sentiu-se a necessidade de aprimorar o trabalho em equipe e buscar ações para o sistema de guias de referência e contra-referência, diminuir os encaminhamentos consecutivos, evitar a desresponsabilização e a transferência de pacientes que deviam ser preferencialmente cuidados em seu território, sem que haja a diluição de responsabilidades entre os profissionais envolvidos, ou seja, fazer um NASF atuante em sua totalidade. Visando estas questões, analisou-se as bibliografias que tratam de NASF e observou-se menções ao matriciamento no entanto percebeu-se pouca compreensão sobre o termo porem sabia-se da necessidade de usar esta ferramenta, a partir de estudos mais amplos como da Política Nacional de Humanização – PNH, o Caderno de Atenção Básica do NASF (CAB NASF) e o Guia Prático de Matriciamento em Saúde Mental começou-se a utilizar e a aperfeiçoar esta ferramenta no processo de trabalho. Diante disso entende-se o matriciamento como “um suporte técnico especializado que é ofertado a uma equipe interdisciplinar em saúde a fim de ampliar seu campo de atuação e qualificar suas ações”, sendo uma ferramenta de transformação, não só do processo de saúde e doença, mas de toda a realidade dessas equipes. O apoio matricial facilita a vinculação do usuário aos serviços de saúde, sem que haja a diluição de responsabilidades, pois os casos são compartilhados no momento das reuniões periódicas de equipe, da discussão de casos, da definição de linhas de intervenção e de projetos terapêuticos. Pensando no processo saúde/doença e intervenção como algo complexo e dinâmico, torna-se imprescindível a participação do NASF nos espaços de planejamento e organização da UBS – reuniões gerais, reuniões de equipe, discussões de casos/estratégias, articulação com a comunidade e o conhecimento do território a partir das informações privilegiadas das UBS.

A ferramenta do matriciamento mostra-se eficaz pois atinge os objetivos propostos gerando um relexo positivo para as equipes das UBS, do NASF e da comunidade. Destaca-se a importância do material bibliográfico disponibilizado pelo Ministério da Saúde. Considerando as finalidades deste processo de trabalho e analisando os resultados, o matriciamento constitui-se numa ferramenta de transformação, não só do processo de saúde e doença, mas de toda a realidade dessas equipes e comunidades. É perceptível esta mudança após a implantação do projeto, sendo hoje uma ferramenta imprescindível para o NASF.

Principal

Livia Regina Koester

sau.nasf@riodosul.sc.gov.br

A prática foi aplicada em

Rio do Sul

Santa Catarina

Sul

Instituição

Rua Tuiuti, nº 154 – Centro

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Livia Regina Koester

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

07 jun 2016

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Metodologias ativas no processo de atualização de profissionais de saúde: relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar
Paraíba
Práticas
V amostra Paraíba, aqui tem SUS
Paraíba
Práticas
Autonomia reprodutiva: empoderamento de mulheres em vulnerabilidade através da inserção do DIU
Paraíba
Práticas
Adote um sorriso: auto estima e saúde, buscar sorrisos felizes é nossa prioridade.
Paraíba
Práticas
Adesão às consultas de puericultura: uma intervenção na estratégia de saúde em Esperança – PB
Paraíba
Práticas
Descentralização do cuidado: levando as práticas de atividade física a população da zona rural
Paraíba
Práticas
Reterritorialização: desafios e avanços no município de Campina Grande-PB
Paraíba