Olá,

Visitante

O agente comunitário de saúde e a integralidade do cuidado no controle das arboviroses.

As arboviroses, como a dengue, zika e chikungunya, representam um grave problema de saúde pública, sendo necessário o envolvimento de toda a comunidade para o seu controle. (Brasil, 2018). As orientações, a partir das Capacitações de Educação Permanente em Saúde, são uma ferramenta utilizadas para o fortalecimento do cuidado e assistência da população. (Brasil, 2004).
Os Agentes Comunitários de Saúde são profissionais que atuam diretamente na casa dos usuários, e por conta disso, são os que tem mais acesso às ações de prevenção de doenças e agravos. Nesse sentido, a Capacitação aos Agentes Comunitários de Saúde torna-se fundamental, na visão dos Coordenadores envolvidos com a Vigilância Ambiental e Educação em Saúde, para a prevenção e combate de tais doenças (Brasil, 2009).OBJETIVO GERAL:
• Desenvolver a Capacitação direcionada ao controle e prevenção de agravamentos, associado às Arbovirose junto aos Agentes Comunitários de Saúde, em parceria com os Agentes de Combate às Endemias, atuantes no município de Araruama.

OBJETIVO ESPECÍFICO:
• Fortalecer a comunicação com a população, para maior efetividade das ações de prevenção, e a integração da Atenção Primária em Saúde e da Vigilância em Saúde.METODOLOGIA:
Utilizando-se de metodologias ativas de aprendizagem, como a problematização e a pesquisa de campo foram abordados temas como identificação dos sintomas das arboviroses, medidas de prevenção e estratégias de comunicação com a população. Promovendo o trabalho, conhecimento e efetividade das ações, segundo Taciana Santos (2019).
Desse modo, a capacitação dos Agentes Comunitários de Saúde foi realizada por meio de orientação teórica e prática, em Rodas de conversa com oito encontros. Os participantes puderam vivenciar no território em visitas à casas selecionadas pelos ACS’s, a prática através dos Agentes de Combates às Endemias e estratégias para o combate às arbovirores, passando a identificar criadouros preferenciais do aedes aegypti e albopictus, em suas áreas, e de como orientar a população (Brasil, 2020).
Para avaliação dos resultados, a Coordenação de Vigilância Ambiental monitorou os Relatórios de visita domiciliar e territorial – série histórica.

A partir da demanda de uma Unidade de Saúde, identificada pela enfermeira ao verificar dificuldades dos ACSs na temática de Arbovirores, foi planejada a ação para além da teoria. Pois ao fazerem junto, com imersão no território através da mediação dos ACEs, seria oportunizado a troca de saberes e vivência da teoria.

Após oito encontros foi possível observar a comunicação aumentada por parte dos Agentes Comunitários de Saúde ao entrar nos imóveis com visão técnica, as orientações que foram passadas por eles e a segurança no discurso desses profissionais. Resultando assim no aumento do indicador “Controle ambiental/vetorial” da Ficha de visita domiciliar e territorial. Assim como da conscientização, onde perceberam um aumento do entendimento da população e na solicitação da demanda por tratamento com larvicidas. Havendo também, acréscimo do número de visitas solicitadas, verificadas através do Relatório de visita domiciliar e territorial – série histórica. Quando se realiza a ação por unidade, sem aglomerar todos os profissionais, atende-se a especificidade do território e do grupo. Também foi possível dar visibilidade e importância aos profissionais da ponta, potencializando suas ações e protagonismo que merecem.

Identificar previamente as dificuldades do território a fim de melhor direcionar a práxis por cada Unidade.

Principal

Rodolpho Paraguai, Luciana da Conceição, Tatiana de S. Menezes Rodrigues

tatiana.s.m.rodrigues@gmail.com

Pedagogo

Coautores

Rodolpho Paraguai, Luciana da Conceição, Tatiana de Sousa Menezes Rodrigues

A prática foi aplicada em

Araruama

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Avenida Getúlio Vargas, s/nº - Centro - Araruama - RJ

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Tatiana de Sousa Menezes Rodrigues

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 dez 2023

e atualizada em

13 mar 2024

Início da Execução

06/06/2023

Fim da Execução

31/08/2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
Humanização na prática do cateterismo vesical de demora na atenção básica.
Paraíba
Práticas
Metodologias ativas no processo de atualização de profissionais de saúde: relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar
Paraíba
Práticas
V amostra Paraíba, aqui tem SUS
Paraíba
Práticas
Autonomia reprodutiva: empoderamento de mulheres em vulnerabilidade através da inserção do DIU
Paraíba