Olá,

Visitante

Infecções Sexualmente Trasmissíveis na Escola: Informar, Testar, Tratar

Os serviços de saúde dispõem atualmente de testes que permitem a detecção de infecções sexualmente transmissíveis de forma rápida, segura e com um mínimo volume de sangue, os testes rápidos norteiam os profissionais em relação ao cuidado e ampliam o acesso do usuário a informação, contudo muitos não tem conhecimento da existência da testagem por usualmente não buscarem os serviços preventivos de saúde. Esse projeto justifica-se pela possibilidade de expansão da informação para um público jovem.

Este estudo tem como objetivo relatar à experiência de profissionais da atenção básica do município de Jucurutu que desenvolvem um projeto o qual possibilita o acesso de estudantes a informação e teste rápido para HIV, Sífilis, Hepatite B e C. o projeto iniciou em agosto de 2017 no turno vespertino, a atividade ocorria por turma e em dois momentos distintos, no primeiro momento era realizada uma sensibilização sobre o assunto, para tal usava-se de uma apresentação de slides, ao final era apresentado o teste rápido e informado as condições para realizarem a testagem. No segundo momento, realizado no mês seguinte, os alunos que desejassem fazer a testagem traziam a autorização assinada pelo responsável e assinavam o termo de consentimento. o resultado era informado no mesmo dia pela psicóloga do NASF, individualmente, em sala reservada, após os testes os alunos eram liberados das atividades escolares. em 2018 o projeto ocorreu em uma escola estadual no período noturno.

Ao longo de dois anos de projeto duas escolas foram beneficiadas, oito turmas passaram pelo momento da conscientização e pela testagem. Com uma média de 150 alunos testados e 600 testes realizados, foi identificado um aluno com hepatite C e um com sífilis, os quais foram orientados e amparados através da rede municipal de saúde que conduziu os casos de acordo com as respectivas indicações. o projeto permite que os alunos tomem conhecimento sobre as infecções sexualmente transmissíveis bem como sobre as formas de prevenção primária e secundária, descentralizado assim as ações em ISTs para além dos muros dos serviços municipais de saúde. em dezembro de 2018 o projeto foi premiado com a menção honrosa no III SIMPÓSIo HIVISIBILIDADE.Concluímos que o projeto se mostra promissor e tem como vantagem o resgate de um público que rotineiramente não busca esse atendimento nas unidades básicas de saúde. Independente do número de testes realizados e quantidade de resultados positivos a iniciativa promove o acesso dos adolescentes a informação e a oportunidade de realizar um teste que para muitos era algo desconhecido.

Principal

Túlio César Vieira De Araújo

tuca_cva@hotmail.com

Coautores

: Anne Caroline Monteiro Roque, Ionara De Souza Januário, Mirelle Medeiros Antunes, Paloma Mirelli Santos Do Amaral, Drªmarize Barros De Souza

A prática foi aplicada em

Jucurutu

Rio Grande do Norte

Nordeste

Instituição

Rua Moisés Galvão, Nº 612, Bairro Antonio Rafael, Currais Novos, Rn Cep – 59380-000

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Elma Gabriella Bezerra De Oliveira Costa

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
TEA/TDAH: inclusão sem discriminação
Paraíba
Práticas
Visita de luto – uma atitude humanizada
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação Sem Barreiras: um Grande Desafio
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Vacinação: Estratégias para o Aumento da Cobertura Vacinal no Município de Barrolândia – TO
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Plano de Recuperação do Faturamento Ses/Df
Distrito Federal
Práticas
Sala de Situação Ses-Df
Distrito Federal
Práticas
Rede Inovases
Distrito Federal
Práticas
Diagnóstico de Atendimento da População Hipertensa/Diabética da Equipe 474/06
Distrito Federal