Olá,

Visitante

Implantação do método de monitoramento com ovitrampas das populações de Aedes no bairro Eliza Leonel Piumhi (MG)

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: Avaliar a distribuição espacial e temporal do vetor da dengue Aedes aegypti no bairro Jardim América em Piumhi (MG), visando a geração de índices de vigilância entomológica.

DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS: O bairro Eliza Leonel fica situado na parte periférica do município e foi escolhido para a instalação das ovitrampas por ser um bairro com Índice de Infestação Predial (IIP) elevado em relação aos demais bairros do município. A ovitrampa é uma armadilha composta por um recipiente preto com quatro perfurações na sua parte mediana, possui aproximadamente 1L, sendo instalada com uma palheta de madeira compensada de 3 x 12 cm, presa por um clipe em seu interior. Para sua instalação foi adicionado 300 mL de água e adicionado um pellet de ração, para atrair as fêmeas grávidas. Durante a visita domiciliar dos agentes de combate a endemias (ACE), o morador foi orientado sobre a pesquisa que realizada no bairro e a importância desta para uma melhor vigilância do vetor, solicitando a permissão para que fosse instalada uma ovitrampa em sua residência e o retorno do ACE semanalmente para leitura e inspeção da armadilha. Foram instaladas 50 ovitrampas numeradas nos 26 quarteirões existentes no bairro.
A distribuição das armadilhas nas residências obedeceu o critério da distância máxima uma raio de 200 metros de outra ovitrampa segundo recomendações dos manuais do Ministério da Saúde. As ovitrampas foram etiquetadas e identificadas, sendo suas paletas e infusão substituídas semanalmente. Durante a vistoria das ovitrampas o agente contava com uma planilha de continha a identificação dos endereços (rua, número, número da quadra) e também o código de identificação da ovitrampa. O código de identificação da ovitrampa é o item mais importante na metodologia, pois aponta o local exado de cada armadilha que vai gerar os IAOs. Criação do código tem relação com o endereço e nº da quadra do imóvel, se a ovitrampa está instalada no quarteirão de nº 20 rua Conselheiro Lafaiete e no imóvel de nº 25 o código será Q20CL25 (Q20= quadra nº 20, CL= Conselheiro Lafaiete, 25= número do imóvel). Também foi comparado a precipitação durante a implantação do método (opcional). As paletas retiradas eram levadas a sede do setor de endemias para posterior analise e contagem dos ovos com ajuda de um contador analógico manual e uma lupa de entomológica manual 45X (Opton modelo NSZ-405).

INDICADORES/VARIÁVEIS/COLETA DE DADOS: (i) Instalar ovitrampas nos imóveis e realizar leitura semanalmente

A ovitrampa é uma armadilha específica para fêmeas de mosquito que foi desenvolvida para capturar ovos de culicídeos tanto em período sazonal de chuva quanto em período de estiagem. Através da ovitrampa é possível monitorar o Aedes aegypti e apontar seu índice de infestação predial (IIP) em um bairro ou cidade. É um método de controle mais sensível do que a pesquisa larvária (EIRAS, 2002). Os índices entomológicos calculados no uso das ovitrampas são chamados de Índice da Armadilha de Oviposisão (IAO), para mensurar a distribuição temporal e espacial em um determinado local. Os IAO’s são divididos em (i) Índice de Positividade de Ovitrampa (IPO), (ii) Índice de Densidade de Ovos (IDO), e o (iii) Índice de Densidade Vetorial (IDV). Não há na área da entomologia médica uma classificação sobres os valores dos IAO’s a respeito de seus valores altos ou baixos, porém, verificando os valores conjuntos é possível identificar o perfil da infestação local (OLIVEIRA, 2013).

Diante dos dados obtidos nesta pesquisa é sugerido a introdução do método de monitoramento pelo setor de endemias do município de Piumhi em outros bairros com IIP elevado e com maior ocorrência de casos de Dengue.

Principal

Luiz Henrique Vieira Mota

endemias@prefeiturapiumhi.mg.gov.br

A prática foi aplicada em

Piumhi

Minas Gerais

Sudeste

Instituição

Rua Padre Abel, 322, Pihumi - MG

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Luiz Henrique Vieira Mota

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 jul 2022

e atualizada em

03 abr 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Estudo das infecções do trato urinário na população de Queimadas (PB) atendida pelo SUS
Paraíba
Práticas
VIVER BEM É SER SAUDÁVEL: ACOMPANHAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS
Paraíba
Práticas
Vigilância Epidemiológica: relato de experiência sobre a operacionalização do trabalho no município de Quatis
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação antirrábica animal itinerante – a vigilância ambiental em saúde vai até você!
Rio de Janeiro
Práticas
Estratégia de rodízio para ampliação do acesso da população às vacinas com apresentação multidoses
Rio de Janeiro
Práticas
Projeto agrotóxicos: Um olhar consciente
Paraíba