Olá,

Visitante

EMBELEZE-SE: Diálogos sobre desigualdades, gênero, sexualidade e padrões de beleza

Como estratégia terapêutica no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) III Joaquim Avamilano/Vila Vitória, a presente proposta visa o diálogo entre mulheres, espaço de fala e compartilhamento de experiências que favorecem o entendimento sobre elas mesmas, como um lugar com proteção, escuta e trocas narrativas relacionadas à função social da mulher e identificação das desigualdades de gênero, no sentido de constatarem as imposições morais implicadas nas relações sexuais, nas expectativas associadas à beleza e nos relacionamentos, sendo elementos culturais as justificativas para existência da proposta. Inicialmente, o grupo se intitulava como “Grupo de sexualidade para mulheres”, com o recorte de gênero mencionado acima, além de abordagem atrelada à educação em saúde e reconfigura-se a partir de 2022 com a alcunha Grupo Embeleze-se: Diálogos sobre desigualdades, gênero, sexualidade e padrões de beleza. Neste grupo, há utilização dos elementos de salão de beleza e relaxamento, como espelho, insumos para cuidados com unhas e cabelo, maquiagem e maca para reflexologia e massoterapia, sendo um espaço preservado dos preconceitos existentes em salões de beleza do território, devido a efeitos colaterais dos medicamentos e estigmatização por serem pessoas acompanhadas no CAPS. O processo terapêutico oferecido pelo grupo destaca-se pela promoção da autonomia, do protagonismo, do resgate da autoestima e do autocuidado, ampliação dos vínculos sociais e melhora nos sintomas do sofrimento psíquico das usuárias do CAPS III VILA VITÓRIA.

As conseqüências das experiências vividas, sob uma normativa social machista, ou seja, uma lógica equivocada que compreende os homens superiores às mulheres e, por isso mais valorizados e com poder de decisão, inclusive em relação ao corpo objetificado dessas mulheres, resultaram no aprofundamento das discussões sobre as subjetividades constituídas nesse contexto social, considerando os prejuízos gerados psicologicamente, emocionalmente e inter-relacionalmente em algumas usuárias do CAPS III VILA VITÓRIA, relatados em atendimento nos mais diversos espaços terapêuticos do serviço. Oferecer um ambiente coletivo para trocas, escuta e acolhimento por meio da experiência de um espaço de beleza revelou-se uma estratégia assertiva e poderosa.

O Embeleze-se possibilitou a análise dos seguintes resultados: autonomia do protagonismo das mulheres, tanto em relação ao deslocamento e ocupação territorial, utilizando equipamentos locais (como salões de beleza), tendo a possibilidade de fazerem suas próprias escolhas sobre roupas, corte de cabelo, maquiagem, entre outras, como nas relações afetivas, estabelecendo limites e reconhecendo violências. Outro resultado se refere à demanda emergente pelo público de homens acompanhados no CAPS, de modo que gerou “Grupo de sexualidade para homens”, seguido do “Embeleze-se masculino”, espaço com metodologia de educação sexual na relação com outras pessoas, explicitando práticas de prevenção a infecções sexualmente transmissíveis (IST’s) e respeito na relação interpessoal, informando sobre violências sócio-históricas produzidas sobre outros gêneros. Os grupos acontecem há cerca de dezoito meses, com metodologia de referenciais feministas e as discussões se intensificaram ao longo do tempo, elaborando estratégias para estabelecimento de limites e autonomia na relação com outras pessoas, e se expandiram até a identificação das necessidades e dos desejos para a melhora da autoestima e espaço para autocuidado, atrelado ao embelezamento, como recursos para resistência e VIDA e luta cotidiana diante das violações de direitos humanos.

Ao considerar que as pautas sensíveis discutidas no grupo não são exclusivas às usuárias do CAPS III VILA VITÓRIA, mas ao processo histórico das mulheres na sociedade, replicar o projeto, que é de fácil execução, em outros serviços torna-se imprescindível para viabilizar espaços inclusivos e terapêuticos, na abordagem das questões relacionadas às desigualdades, gênero, sexualidade e padrões de beleza. Fortalecimento da autonomia, empoderamento, ampliação das redes sociais e de apoio, capacidade de fazer escolhas conscientes em diversas áreas da vida, incluindo relacionamentos afetivos e autocuidado são resultados possiveis nesse projeto.

Principal

Valéria Araújo

ya.oxum.valeria@gmail.com

Técnica de Enfermagem

Coautores

Valéria Araújo Giovanna Sandrini Marcella de Oliveira

A prática foi aplicada em

Santo André

São Paulo

Sudeste

Esta prática está vinculada a

CAPS III VILA VITÓRIA. Rua Correia Sampaio, nº 37, Vila Tibiriça. Santo André - SP

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

MARINES SANTOS DE OLIVEIRA

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

27 mar 2024

e atualizada em

27 mar 2024

Início da Execução

01/01/2022

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Estruturação do cuidado em saúde mental de crianças e adolescentes vítimas de violência
Rio de Janeiro
Práticas
Estruturação da Rede de Cuidado para a Atenção às Crianças e Adolescentes com TEA e suas famílias
Rio de Janeiro
Práticas
O novo “habitar” das residências terapêuticas de Rio Bonito
Rio de Janeiro
Práticas
Matriciamento. Saúde Mental e Atenção Primária produzindo vida nos territórios onde a vida acontece.
Rio de Janeiro
Práticas
Acolhimento Qualificado na urgência hospitalar: integrando a saúde mental em volta redonda
Rio de Janeiro
Práticas
Oficina de jogos e desenho /CAPS AD
Rio de Janeiro