Olá,

Visitante

Centro de Atenção A Criancas e Adolescentes em Situação de Violência Sexual (Cavs) de São Jose/Sc

Observou-se em São José a carência de um serviço de atendimento, em saúde, para pessoas em situação de violência sexual, principalmente, crianças e adolescentes. Necessitava-se de um serviço que oferecesse o acolhimento com escuta qualificada, o acionamento dos órgãos necessários para promover a proteção e o atendimento e acompanhamento de pessoas em situação de violência sexual, objetivando apoio, orientação e a elaboração psíquica em casos de possíveis traumas, ou em casos onde a pessoa em situação de violência não consegue dar continuidade as suas relações sociais com qualidade de vida, além de promover o atendimento de saúde física através de exames e tratamentos. A continuidade do atendimento de saúde, conforme pactuado em protocolo, deve ser realizada pelo município de origem da vítima, que se responsabilizará também pelo acompanhamento psicossocial. Diante disso, foi implementado o Centro de Atenção a Crianças e Adolescentes em Situação de Violência Sexual de São José/SC.

o objetivo do CAVS é garantir às crianças e aos adolescentes (0 a 19 anos), residentes em São José, atendimento integral nas situações de violência sexual. Visando a assistência às situações ocorridas em um período de até 12 meses, evitando revitimi Os encaminhamentos são feitos pelos serviços municipais de saúde por meio da Ficha de Notificação/ Investigação de Violência Interpessoal/Autoprovocadahospitais, além de hospitais, Conselho Tutelar e Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (PAEFI). A Vigilância Epidemiológica monitora, semanalmente, as notificações de violência recebidas por fluxo de retorno com o objetivo de identificar as fichas de violência sexual e realizar os encaminhamentos pertinentes. Após recebimento do caso, é realizado acolhimento orientações gerais e, conforme a situação, sobre as testagens e exames laboratoriais. Os casos são discutidos em reunião de equipe e são realizados os encaminhamentos que se fizerem necessários.

De fevereiro de 2018 a 13 de fevereiro de 2019 foram recebidos, pelo CAVS, 129 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes. Desses, 48 foram inseridos em atendimento psicológico. em 10 atendimentos a criança tinha menos de 1 ano 10 famílias optaram por atendimento psicológico particular 18 casos a violência não foi confirmada (cabe salientar que o serviço do CAVS não possui caráter investigativo) 12 casos de residentes em outros municípios que não puderam ser incluídos. Foram 7 situações de estupro de vulnerável. Foram encaminhados 10 casos que não se encaixavam nos critérios de inclusão no serviço. No referido período 3 responsáveis não compareceram e em 11 casos não foi possível o contato com o responsável.o CAVS passou a garantir, às crianças e aos adolescentes atendimento integral nas situações de violência sexual. Antes da implementação do serviço não havia contra referência de atendimento imediato para essas situações. Além disso, houve qualificação na rede de proteção e atendimento, principalmente, junto ao PAEFI. A articulação com o Conselho Tutelar, hospitais, escolas, entre outros que compõe a rede de atendimento e proteção também é um ponto positivo após implementação do CAVS.

Principal

Thayse De Paula Pinheiro

thaysepinheiro@gmail.com

Coautores

Carla Leticia Raupp Ramos, Dante Albuquerque Salles,

A prática foi aplicada em

São José

Santa Catarina

Sul

Instituição

Rua Pedro Bunn 1516 – Jardim Cidade De Florianópolis – São José/Sc Cep: 88111-120

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Sinara Regina Landt Simioni

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Primeira Mostra de Experiência da Linha de Cuidado Sobrepeso e Obesidade, Os Resultados Alcançados Pelo Município de Parapuã Sp
São Paulo
Práticas
Compulsão Decisória na Judicialização da Saúde, des estruturando e des afiando o Financiamento Finito do Sistema Único de Saúde
São Paulo
Práticas
Regulação do Acesso À Atenção Especializada: des coberta de um Iceberg e des afios A Serem Superados
São Paulo
Práticas
Fórum Permanente de Embu Guacu: uma Possibilidade de Organização do Cuidado Intersetorial
São Paulo
Práticas
Consultório na Rua: uma Ampliação da Abordagem das Pessoas Vivendo com Hiv/Aids Focando A Adesão
São Paulo
Práticas
Processo Formativo de Apoio em Saúde Mental no Município de Franco da Rocha – Sp
São Paulo
Práticas
Estruturação da Rede de Saúde de Franco da Rocha: Análise do Financiamento das Ações, Por Meio da Transferência de Recursos Obrigatórios e Voluntários ao Município
São Paulo
Práticas
Participação Social na Construção do Planejamento Estratégico em Saúde e do Plano de Educação Permanente no Território de Ermelino Matarazzo/Sp
São Paulo
Práticas
Impactos da Formação de Trabalhadores Sobre Práticas Relativas ao Uso Racional de Medicamentos: Experiência no Contexto do Plano Regional de Educação Permanente em Saúde (Pareps)
São Paulo
Práticas
A Assistência Farmacêutica como Veículo de Educação e Economia
São Paulo