Olá,

Visitante

A Gestão Compartilhada nas “Oficinas Previne Brasil” : a Aps Que Temos Não é a Que Mostramos.

A Atenção Primária em Saúde (APS) deve ser por definição a porta de entrada dos usuários ao Sistema Único de Saúde (SUS). O ano de 2021 foi marcado pelo início da nova gestão municipal, assumindo indicadores péssimos de saúde em cenário de pandemia. As equipes da APS estavam sobrecarregadas, pois além da assistência aos territórios, havia uma demanda muito grande de testagem e ampliação da vacinação a COVID-19. Em Volta Redonda temos 46 unidades básicas de saúde da família, dessas apenas 30% são informatizadas. O que prejudica a qualidade do envio direto das informações ao Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB), fonte para o cálculo dos indicadores do programa de financiamento da APS, o Previne Brasil. As fichas do sistema de Coleta de Dados Simplificada (CDS), preenchidas incorretamente e o prontuário eletrônico subutilizado, aliada a alta rotatividade dos profissionais da assistência, e a sobrecarga de trabalho das equipes durante a pandemia, provocaram uma queda nos indicadores do PREVINE BRASIL. Era preciso montar uma estratégia de melhoria desses dados, que apesar das fragilidades mencionadas, não refletiam de fato a realidade municipal. A coordenação da APS se reuniu e propôs a construção de uma oficina para a sensibilização das equipes sobre o impacto dos resultados ruins dos indicadores de saúde. Foram realizadas até o momento 10 oficinas com foco nos profissionais e na qualificação dos registros.Objetivo Geral Sensibilizar as equipes de APS para a melhora dos indicadores de desempenho do programa Previne BrasilObjetivos Específicos Fomentar a qualificação dos registros em prontuário eletrônico e nas fichas CDS.Identificar fragilidades para o registro adequado dos dados da produção das equipes.

As oficinas foram projetadas para acontecerem nas unidades básicas de saúde da Família (UBSFs), envolvendo todos os profissionais. Estes se dividem em dois momentos para não prejudicar o fluxo da unidade, na primeira hora e meia participam metade da equipe e logo após a outra metade. O trabalho utiliza a metodologia da aprendizagem reflexiva, onde direcionamos a reflexão na ação, a reflexão sobre a ação e a reflexão sobre a reflexão na ação. Nos primeiros 30 minutos o condutor da oficina realiza uma exposição sobre o financiamento da APS, registro adequado em prontuário eletrônico e fichas de atendimento, apresenta também, o resultado dos indicadores municipais e daquela unidade, e as consequências da cascata de problemas que a manutenção desse quadro pode gerar. Os profissionais durante o processo, fazem suas colocações, se surpreendem e explanam as dificuldades dentro de suas realidades. Ao final cada participante, faz uma avaliação com uma palavra do processo reflexivo de ensino e aprendizagem.

Nesse sentido, as oficinas levaram as equipes à reflexão sobre o que realmente eles trabalham e o quanto isso não é mostrado pelos indicadores, justamente pela qualidade ruim dos registros. Os profissionais puderam conhecer melhor o PEC/CDS e entender onde estavam fragilizados.Além disso, os encontros provocaram um resgate ao sentido de trabalho em equipe, maior comprometimento e implicação no processo de melhora, reconhecimento da importância dos pares, entendimento do significado de gestão compartilhada. Cada grupo trabalhou de forma a organizar um plano de trabalho integrado para a melhoria dos indicadores, dentro de sua realidade.Entre as palavras deixadas pelos participantes na avaliação final destacam-se a vontade de voltar no tempo e refazer os registros inadequados, a alegria de estar mais perto da gestão e a clareza sobre o que representam as ações que eles realizam na unidade para a Atenção Básica como um todo no município. Assim, modificar um indicador de saúde sem entender como o processo se desenvolve na ponta, não é possível. As oficinas trouxeram a gestão compartilhada e de forma horizontal, no sentido de mostrar â rede que a APS que temos não é a que mostramos e pode ser ainda melhor do que imaginamos.

Principal

Jussara Moreira de Oliveira

silviarjj@gmail.com

A prática foi aplicada em

Rio Grande do Sul

Sul

Instituição

Volta Redonda

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Sílvia Mello dos Santos

Conta vinculada

silviamello30@hotmail.com

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Projeto Samu nas escolas – lei Lucas nas escolas da rede municipal de educação de São Luís
Maranhão
Práticas
Programa Saúde na Escola em Meio a Pandemia Covid-19: Experiência Exitosa em Benedito Novo – Sc
Santa Catarina
Práticas
Literacia para a Saúde na Puericultura odontológica: Experiência de Tele orientações na Aps.
Santa Catarina
Práticas
Impacto da Pandemia da Covid-19 na Educação Básica
Práticas
Monitoramento Como Estratégia de Enfrentamento À Covid 19
Paraíba
Práticas
Comissão de Integração Ensino e Serviço: Potencializando a Educação Permanente em Saúde
Paraíba
Práticas
Comissão de Integração Ensino e Serviço: Potencializando a Educação Permanente, a Formação em Saúde na Ii Macrorregião de Saúde
Paraíba
Práticas
Sistematização da Rotina das Salas de Vacina no Município de Quissamã/Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Capacitação dos Profissionais de Saúde para a Melhora da Qualidade de Vida do Paciente.
Rio de Janeiro
Práticas
Uso de Plantas Medicinais em Práticas Culinárias: uma Estratégia de Educação em Saúde
São Paulo