Olá,

Visitante

Vigilância alimentar e nutricional como instrumento norteador de ações nos territórios em Quissamã

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição recomenda a Vigilância Alimentar e Nutricional para diagnosticar os problemas nutricionais da população brasileira através do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN). Segundo o Ministério da Saúde, em 2022, no Brasil, foram identificadas 6,7 milhões de pessoas com a condição obesidade e 4,1% com baixo peso. O SISVAN é crucial para subsidiar intervenções voltadas para a prevenção e o controle de distúrbios nutricionais e doenças associadas, além de apontar os territórios com maior risco nutricional e indicadores importantes para promoção de estilos de vida saudáveis. Além disso, possibilita avaliar o padrão de consumo alimentar da população nos diversos ciclos de vida. Cabe a Atenção Primária à Saúde (APS), como o primeiro nível de atenção em saúde, alimentar o SISVAN considerando a sua abrangência de atuação, sobretudo, voltada para a promoção e a proteção da saúde, prevenção de agravos, diagnóstico e tratamento “com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte positivamente na situação de saúde das coletividades”(Ministério da Saúde,2024). A inserção de dados de forma constante e em volume crescente possibilita a elaboração do perfil nutricional da população e, por conseguinte, ações de enfrentamento da obesidade e denutrição na APS e intersetorialmente. Portanto, é indispensável uma agenda articulada e integrada com outros setores do governo e da sociedade com vistas a qualidade de vida e saúde da população

O objetivo do trabalho foi Mostrar a importância da vigilância alimentar e nutricional como ferramenta preditora de ações nos territórios. Estabelecer o perfil alimentar e nutricional da população através da alimentação do SISVAN na rotina da APS para o planejamento e o desenvolvimento de ações direcionadas aos indivíduos com a condição obesidade e desnutrição e de mais agravos e a promoção da saúde. Fortalecer o SISVAN na rotina da ESF como instrumento de informação para o planejamento, gestão e avaliação das ações e serviços com o objetivo de consolidar o planejamento e o desenvolvimento de políticas direcionadas na melhoria do perfil epidemiológico de saúde da população. Incrementar ações de promoção de hábitos saudáveis, capacitar as equipe, aumentar os percentuais de acompanhamento da população, em todos os ciclos de vida, para que os resultados sejam fidedignos com a realidade existentes e assim conhecer e atuar nos territórios e seus indivíduos com risco nutricional.
A Vigilância alimentar e nutricional faz parte da rotina da APS e é supervisionada pela Área técnica de Alimentação e Nutrição (ATAN). O acompanhamento nutricional (peso e altura) da população é realizado em 100% das unidades de saúde da família (USF), nas escolas e em outros setores parceiros. Os dados captados são inseridos no sistema ESUS, processados e monitorados, através do SISVAN, possibilitando o mapeamento da distribuição dos agravos nutricionais (obesidade e desnutrição) em cada território. A ATAN consolida os dados a cada quadrimestre e retroalimenta a APS com relatórios com dados de faixas etárias e doenças associadas (hipertensão e diabetes) permitindo o diálogo e proposta de intervenção de acordo com a realidade de cada território. O consumo alimentar foi realizado nas USF e nas escolas. Uma vez identificados indivíduos em risco nutricional, através dos relatórios do SISVAN WEB, são realizadas buscas ativas pelos Agentes Comunitários e oferecido atendimento individual e/ou coletivo para os usuários. Além disso, cada USF realiza atividades de educação em saúde segundo um calendário organizado sobre promoção de hábitos saudáveis. Por outro lado, são feitas pela ATAN atividades de educação permanente com as equipes da APS para municiá-las a trabalhar a temática de forma crítica e participativa com os diferentes grupos da população, bem como são feitas reuniões com outros setores governamentais e sociedade para uma atuação articulada e integrada na lógica do conceito de cidade saudável.

Acompanhando os dados existêntes na ferramenta disponível pelo Ministério da saúde,para Vigilância ALimentar e nutricional denominada SISVAN é possível constatar o baixo acompanhamento alimentar e nutricional de muitos municípios. Desta forma inpactando na real identificação da população e seus territórios em risco alimentar e nutricional. Incentivar e fortalecer a rotina no uso deste instrumento na porta de entrada da ESF irá facilitar a identificação dos probçemas de saúde, que articulados de forma intersetorial poderão ser solucionados com maior eficácia.. O municicípio de Quissamã tem um dos maiores acompanhamento nutricional do Rio de janeiro, uma cobertura de 52,8% da população, segundo dados do SISVAN de 2023.

De acordo com os relatórios do SISVAN, em 2022 e 2023, foi possível identificar um aumento de cobertura da vigilância alimentar e nutricional em todos os ciclos de vida. Foi constatado uma pequena redução da condição obesidade de 1,7% em crianças de 5 a 10 anos e um aumento 0,5% adolescente e 0,75% nos idosos e manutenção dos percentuais em adulto. Quanto ao baixo peso detectamos um aumento de 0,17% em crianças 0 a 10 anos e de 0,25% em idosos e redução de 0,2% em adolescentes e 0,48% em adultos. No que diz respeito ao perfil alimentar foi observada uma diminuição no consumo de ultraprocessados e também de verduras, legumes, frutas e feijão. Esses resultados possibilitaram uma articulação intersetorial para discutir os dados encontrados e ações efetivas para a promoção da saúde. Como desdobramento foi construída uma agenda intersetorial e integrada com ações de educação alimentar e nutricional, incentivo a hortas familiares, agricultura familiar integrada, promoção da alimentação adequada e saudável e estímulo ao uso dos aparelhos públicos para atividades físicas. Todos os profissionais envolvidos, desde à coleta, inserção de dados no sistema e gerenciamento dos relatórios, formaram uma rede responsável que trabalham em consonância com objetivos comuns de gerar informações para fomentar mudanças positivas nas práticas cotidianas

A vigilância alimentar e nutricional é um instrumento e estratégia para subsidiar ações de prevenção e controle de distúrbios nutricionais e doenças associadas à alimentação bem como para mudança do padrão de consumo alimentar. As equipes das Unidades de Saúde da Família (USF) são as maiores protagonistas do trabalho apoiadas pela ATAN (Área técnica de Alimentação e Nutrição) para captar os usuários nos diversos espaços do território como UBS e escolas. As informações produzidas, através da alimentação do SISVAN, subsidiam à gestão do cuidado em todos os pontos da rede de atenção à saúde. O SISVAN contém variáveis que geram inúmeras possibilidades de análise, desde o estado nutricional, o consumo alimentar da população e territórios com maior risco nutricional. A inserção constante e sistemática dos dados por nutricionistas, médicos, enfermeiras e agentes comunitários de saúde no sistema de informação reflete na qualidade dos relatórios gerados. O monitoramento do processamento dos dados nos sistemas de informação SISVAN, Victor e ESUS é fundamental para a efetivação da Vigilância Alimentar e Nutricional e, por conseguinte, para o desenvolvimento de ações de promoção da saúde e de enfrentamento da obesidade e desnutrição como problemas de saúde pública.

Principal

Alba Abreu

avda040263@gmail.com

coordenadora da Área Técnica de Alimentação e Nutrição de Quissamã

Coautores

Alba Valéria Dias Abreu e Delba Barros

A prática foi aplicada em

Quissamã

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

conde de araruama 425

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Alba valéria Dias Abreu

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 abr 2024

e atualizada em

01 abr 2024

Início da Execução

02/01/2023

Fim da Execução

31/12/2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
Humanização na prática do cateterismo vesical de demora na atenção básica.
Paraíba
Práticas
Metodologias ativas no processo de atualização de profissionais de saúde: relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar
Paraíba
Práticas
V amostra Paraíba, aqui tem SUS
Paraíba
Práticas
Autonomia reprodutiva: empoderamento de mulheres em vulnerabilidade através da inserção do DIU
Paraíba