Olá,

Visitante

Usando uma Escala de Risco Familiar Baseada na Ficha A: Relato de Um Agente Comunitário de Saúde

A universalidade, a integralidade e a equidade são princípios fundamentais do Sistema Único de Saúde (SUS). A Atenção Básica tem como estratégia principal de organização a Saúde da Família. Para sua reorganização no Brasil, surge a Estratégia de Saúde da Família (ESF), que foca suas atividades no diagnóstico situacional da família e da comunidade. A ESF preconiza como uma de suas importantes atividades a visita domiciliar. Entre as atribuições do Agente Comunitário de Saúde, segundo o modelo assistencial da estratégia saúde da família, a visita domiciliar é uma das suas atividades primordiais.Diante disso e da importância da sistematização direcionada à priorização da visita domiciliar para o processo de trabalho, utilizou-se a escala de risco familiar de Coelho e Savassi para descrever o grau de risco das famílias cadastradas. Objetivo: Descrever o grau de risco das famílias da micro área 06 da equipe 140 da Unidade de Saúde da Família Água Fria, Distrito Sanitário III de João Pessoa/PB, segundo a escala de risco familiar de Coelho e Savassi, para auxiliar na priorização das visitas domiciliares.Metodologia: Trata-se de um estudo, caracterizado como relato de experiência, onde se aplicou a Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi, para definir as prioridades de visita domiciliar. Foram acompanhadas 113 famílias cadastradas. Os dados utilizados foram obtidos através das fichas A, de acompanhamento do ACS. O instrumento utilizado para avaliação foi a Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi.Resultados: Das 113 famílias acompanhadas, 55 apresentaram baixo risco

A Estratégia Sáúde da Família – ESF, preconiza como uma de suas importantes atividades a visita domiciliar. Entre as atribuições do Agente Comunitário de Saúde, a visita domiciliar é uma das suas atividades primordiais. Diante disso e da importância da sistematização direcionada à priorização da visita domiciliar para o processo de trabalho, utilizou-se a escala de risco familiar de Coelho e Savassi para descrever o grau de risco das famílias cadastradas.

Principal

Josealdo Rodrigues Leite

A prática foi aplicada em

João Pessoa

Paraíba

Nordeste

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Josealdo Rodrigues Leite

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
A Saúde do Trabalhador e o Agente Comunitário de Saúde
Paraíba
Práticas
Laboratorio Vivo Fortalecendo Intersetorialidade na Prevenção das Arboviroses em Junco do Serido/Pb.
Paraíba
Práticas
Vigilancia em Saude e Saúde na Escola: uma Parceria de Sucesso no Municipio de Queimadas-Pb
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Laboratorial do Lacen-Pb: Um Relato de Experiência
Paraíba
Práticas
A Feira Livre de Esperança-Pb: Vigilância Sanitária e As Ações de Prevenção e Combate À Covid-19
Rio de Janeiro
Práticas
Ferramentas Tecnológicas Aplicadas no Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Laboratorial do Lacen-Pb
Paraná
Práticas
Medidas Sanitárias Aplicada ao Controle Datransmissão da Leishmaniose Animal
Paraíba
Práticas
Fortalecimento e Ampliação da Rede Nacional de Vigilância Epidemiológica Hospitalar na Paraíba
Paraíba
Práticas
Covid 19 – Experiência de Enfrentamento das Arboviroses, Combatendo As Endemias Durante a Pandemia
Rio de Janeiro
Práticas
Novas Estratégias para o Monitoramento e a Fiscalização das Práticas de Segurança do Paciente pela Vigilância Sanitária nos Hospitais do Distrito Federal.
Distrito Federal