Olá,

Visitante

Título da experiência: vigilância da febre amarela, intervenções e êxitos

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: Impedir, por meio de estratégias de vacinação e educação em saúde, a transmissão da Febre amarela entre humanosDINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS: Foram executadas ações de vigilância epidemiológica de epizootias e casos suspeitos de Febre Amarela, inicialmente, entre pessoas expostas nas áreas rurais de Quebra Coco e Ribeirão Santa Cruz onde ocorreram mortes de primatas em setembro de 2016. Foram realizadas ações de bloqueio vacinal, busca ativa de faltosos, varredura casa a casa e ampla divulgação para os moradores por meio da Estratégia Saúde da Família em parceria intersetorial, também a intensificação da vigilância de epizootias em outras regiões silenciosas por meio do serviço de vigilância ambiental. Ações preventivas abrangeram todo município. INDICADORES/VARIÁVEIS/COLETA DE DADOS: Os indicadores da ação basearam-se na notificação ou não de casos de Febre Amarela entre humanos, bem como na cobertura vacinal em termos percentuais, a qual inicialmente encontrava-se em 45% no município. OBSERVAÇÕES/AVALIAÇÃO/MONITORAMENTO: As ações estratégicas para divulgação das informações, da mobilização social e da realização do bloqueio da doença para seres humanos foram implantadas graças a parceria intersetorial da vigilância em saúde, epidemiologia, vigilância ambiental e estratégia saúde da família. O agente comunitário de saúde foi o ator principal na mobilização da comunidade para a ação preventiva do bloqueio vacinal, devido ao seu forte vinculo existente, representado categoricamente o elo entre o serviço de saúde e comunidade. O agente de endemias participou ativamente na viglância das epizootias, realizando buscas em todo território de matas com presença de primatas. O trabalho intersetorial teve grande impacto na prevenção de morbimortalidade pela doença no município.

O município de Franciscópolis apresentou casos de epizootias em setembro de 2016, a vigilância municipal foi a primeira a dar o alerta para a maior epidemia de Febre Amarela silvestre já registrada no Brasil, ocorrida entre 2016 e 2017.

A vigilância de epizootias com concomitante bloqueio vacinal foram medidas eficazes para conter o avanço da Febre Amarela no município de Franciscópolis durante o maior surto já registrado com 1139 casos suspeitos, 427 confirmados, 151 óbitos confirmados e 99 municípios com casos notificados em Minas Gerais (26/04/2017).

Principal

Kenia Moreira Ramos

keniamr9@gmail.com

A prática foi aplicada em

Franciscópolis

Minas Gerais

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Av. Presidente Kennedy, 67

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Kenia Moreira Ramos

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

27 mar 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Estudo das infecções do trato urinário na população de Queimadas (PB) atendida pelo SUS
Paraíba
Práticas
VIVER BEM É SER SAUDÁVEL: ACOMPANHAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS
Paraíba
Práticas
Vigilância Epidemiológica: relato de experiência sobre a operacionalização do trabalho no município de Quatis
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação antirrábica animal itinerante – a vigilância ambiental em saúde vai até você!
Rio de Janeiro
Práticas
Estratégia de rodízio para ampliação do acesso da população às vacinas com apresentação multidoses
Rio de Janeiro
Práticas
Projeto agrotóxicos: Um olhar consciente
Paraíba