Olá,

Visitante

Título da experiência: vigilância da febre amarela, intervenções e êxitos

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: Impedir, por meio de estratégias de vacinação e educação em saúde, a transmissão da Febre amarela entre humanosDINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS: Foram executadas ações de vigilância epidemiológica de epizootias e casos suspeitos de Febre Amarela, inicialmente, entre pessoas expostas nas áreas rurais de Quebra Coco e Ribeirão Santa Cruz onde ocorreram mortes de primatas em setembro de 2016. Foram realizadas ações de bloqueio vacinal, busca ativa de faltosos, varredura casa a casa e ampla divulgação para os moradores por meio da Estratégia Saúde da Família em parceria intersetorial, também a intensificação da vigilância de epizootias em outras regiões silenciosas por meio do serviço de vigilância ambiental. Ações preventivas abrangeram todo município. INDICADORES/VARIÁVEIS/COLETA DE DADOS: Os indicadores da ação basearam-se na notificação ou não de casos de Febre Amarela entre humanos, bem como na cobertura vacinal em termos percentuais, a qual inicialmente encontrava-se em 45% no município. OBSERVAÇÕES/AVALIAÇÃO/MONITORAMENTO: As ações estratégicas para divulgação das informações, da mobilização social e da realização do bloqueio da doença para seres humanos foram implantadas graças a parceria intersetorial da vigilância em saúde, epidemiologia, vigilância ambiental e estratégia saúde da família. O agente comunitário de saúde foi o ator principal na mobilização da comunidade para a ação preventiva do bloqueio vacinal, devido ao seu forte vinculo existente, representado categoricamente o elo entre o serviço de saúde e comunidade. O agente de endemias participou ativamente na viglância das epizootias, realizando buscas em todo território de matas com presença de primatas. O trabalho intersetorial teve grande impacto na prevenção de morbimortalidade pela doença no município.

O município de Franciscópolis apresentou casos de epizootias em setembro de 2016, a vigilância municipal foi a primeira a dar o alerta para a maior epidemia de Febre Amarela silvestre já registrada no Brasil, ocorrida entre 2016 e 2017.

A vigilância de epizootias com concomitante bloqueio vacinal foram medidas eficazes para conter o avanço da Febre Amarela no município de Franciscópolis durante o maior surto já registrado com 1139 casos suspeitos, 427 confirmados, 151 óbitos confirmados e 99 municípios com casos notificados em Minas Gerais (26/04/2017).

Principal

Kenia Moreira Ramos

keniamr9@gmail.com

A prática foi aplicada em

Franciscópolis

Minas Gerais

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Av. Presidente Kennedy, 67

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Kenia Moreira Ramos

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

27 mar 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Animais Peçonhentos: uma Forma Lúdica de Trabalhar o Conhecimento, a Prevenção e a Preservação
Rio de Janeiro
Práticas
Automatização do Boletim Diário Covid-19 no Estado da Paraíba
Paraíba
Práticas
Aplicação do Ciclo Pdca para Educação Permanente Sobre Eventos Adversos Pós-Vacinação
Santa Catarina
Práticas
Controle biológico de culicídios com peixes larvófagos no município de Piumhi/MG
Minas Gerais
Práticas
Organização, Planejamento e Execução do Plano de Retorno das Aulas Presenciais, Frente a Pandemia de Covid-19.
Rio de Janeiro
Práticas
Identificação de Clusters e Treinamento em Serviço: Estratégias para Abordagem da Hanseníase no Município de Pilar- Alagoas.
Alagoas
Práticas
Equipe Complementar em Saúde Mental: a Prática em Saúde Junto Aos Profissionais da Área.
Rio Grande do Sul
Práticas
Projeto Aedes Gigante
Santa Catarina
Práticas
Criação de Peixes Larvófagos e Soltura em Piscinas Abandonadas Como Ferramenta de Controle do Aedes Aegypti.
Rio de Janeiro
Práticas
Atuação da Vigilância em Saúde no Enfrentamento da Covid-19 no Município de Tanguá- Rj
Pernambuco