Olá,

Visitante

Saúde mental e economia solidária na perspectiva de promoção e integração socioeconômica

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: Promover ações que favoreçam a elevação dos indicadores de qualidade de vida, autonomia pessoal e recuperação da saúde, na junção de ocupação terapêutica e geração de renda, incentivando- os cada vez mais a serem agentes protagonistas na integração/reintegração social. E assim, alcançarmos um dos objetivos do SUS, como está posto na Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, art. 5º, inciso III, que é “a assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas. DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOSA oficina terapêutica é realizada todas as terças, quartas e quintas-feiras, com formação de subgrupos selecionados por diferentes habilidades. Utilizamos como material, telas plásticas e retalhos de tecidos adquiridos em parceiras com as malharias da cidade, para a confecção de tapetes que é o foco para o produto final, no intuito de comercializa-los. A renda arrecadada é direcionada 80% para os participantes do projeto, é um incentivo para que se dê continuidade ao trabalho em suas residências, quanto aos 20%, fica reservado para fazer-se novos investimento na oficina terapêutica, este percentual é o suficiente, já que os custos para o projeto são baixíssimos, portanto, autossustentável. A realização do projeto teve início em janeiro de 2017 e a culminância oficial com a Feira Solidária ocorreu no dia 19 de maio de 2017, os objetivos foram alcançados com êxito, vendemos todos os artigos produzidos no dia do evento.

O CAPS (Centro de Atenção psicossocial) de São Domingos do Araguaia (PA), tem atuado na perspectiva de consolidar políticas sociais que tratem da inclusão de pessoas com sofrimento psíquico, destaca-se a importância do tema no atual cenário e sua interface com os princípios da economia solidária para a inserção socioeconômica, promovendo ações de cuidado que venham garantir direitos das pessoas com transtornos mentais.

INDICADORES/VARIÁVEIS/COLETA DE DADOS: Para coleta e análise dos dados, tomamos por base o RAAS (Registro das Ações Ambulatoriais e Saúde), utilizando o método quantitativo para medir a frequência dos usuários na participação do grupo terapêutico, ao realizarmos esse comparativo, constatamos que nos quatro primeiros meses que antecederam o projeto, tivemos 216 atendimentos e durante os quatro seguintes meses, período que ocorreu o desenvolvimento do projeto em questão, obtivemos 309 atendimentos, mostrando nos resultado uma evolução de 43,05 % nos atendimento, com o aumento da frequência dos usuários nesse projeto de humanização e cooperação.OBSERVAÇÕES/AVALIAÇÃO/MONITORAMENTO: A avaliação ocorreu durante todo o processo de desenvolvimento desse projeto, analisando a aceitabilidade, a recuperação da saúde e integração social, e partir daí direcionamos a as ações, sempre visando a autonomia dos participantes.

Entendemos que o projeto supracitado constituiu-se como instrumento de transformação e troca de experiências, conseguindo acolher, incentivar e integrar usuários e familiares, oferecendo esse cuidado diferenciado para o convívio social e inovação em um viés de igualdade, melhorando de forma gradativa e significativa a qualidade de vida, superando a fragmentação de vulnerabilidades e assegurando direito a saúde.

Principal

Elenilda Gomes Vieira Alves de Souza, Caliane Pereira Lima, Kaio Felipe Jorge Abadia

elenilda2009@bol.com.br

A prática foi aplicada em

São Domingos do Araguaia

Pará

Norte

Esta prática está vinculada a

Av. Jarbas Passarinho, 2

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Elenilda Gomes Vieira Alves de Souza, Caliane Pereira Lima, Kaio Felipe Jorge Abadia

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

11 jun 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
PROJETO PRIMEIROS SOCORROS E PREVENÇÃO DE ACIDENTES NAS ESCOLAS – LEI LUCAS
Rio de Janeiro
Práticas
Consciência Vacinal: fortalecendo as estratégias e combatendo a desinformação para o cumprimento do calendário de vacinação de crianças no município de São Francisco-PB.
Paraíba
Práticas
Dengue: uma abordagem além do combate ao vetor nos centros de educação infantil
Rio de Janeiro
Práticas
Imunização na Zona Rural, em áreas de difícil acesso: Projeto Vacina Volante
Maranhão
Práticas
A importância da equipe multidisciplinar no tratamento e no cotidiano dos pacientes com Fibromialgia de Itatiaia-RJ
Rio de Janeiro
Práticas
Projeto “Saúde Aqui: Relato de Experiência”
Tocantins
Práticas
Projeto Viva Mais, práticas de exercícios físicos e orientações nutricionais com princípios funcionais para a melhoria de qualidade de vida no município de Ourém (PA)
Pará
Práticas
Combatente municipal – escola e comunidade livres do Aedes Aegypti
Amazonas