Olá,

Visitante

Risus – de Coadjuvante A Protagonista

A arte tem grande papel na vida do homem: suas variadas linguagens viabilizam o trabalhado de suas angústias, aflições. Elas proporcionam como melhor lidarem com suas dificuldades e/ ou limitações. Com a Reforma Psiquiátrica, valorizou-se o cuidado integral e humanizado, extrapolando o saber científico. em março/ 2018, arte educadores passaram a integrar a equipe do CAPS Registro, valorizando a expressão artística como estratégia de cuidado. Sintomas, consultas e medicamentos abrem espaço para que figurinos, cenas, ritmos e cores integrem as atividades diárias e se consolidem como estratégias terapêuticas. A construção do Grupo de Teatro Risus surgiu como a proposta de trabalhar autonomia e os afazeres cotidianos. Este trabalho tem o propósito de compartilhar a experiência do grupo Risus, que se utiliza da arte para privilegiar a abordagem psicossocial em detrimento à medicalização e pelo desejo de mostrar que todos possuem talentos escondidos, esperando para serem descobertos.

Proporcionar aos integrantes do Risus novas propostas de tratamento e participação social. Melhora da autoestima, empoderamento e expressão das emoções. Divulgar o trabalho do Risus em diferentes espaços, proporcionando a interlocução entre diverso Os arte-educadores buscaram aprofundar seus conhecimentos, através do estudo de materiais impressos, vídeos e da participação em ensaios de outros grupos de teatro do município. Contudo o Risus, surgiu com a proposta de facilitar a integração em grupo a posterior, agigantou-se, passando a contribuir para o sentimento de valorização e reconhecimento enquanto sujeito minimizando o impacto que a doença traz em suas vidas.

A equipe do CAPS Registro avalia como positivo o impacto do grupo Risus na vida dos seus participantes, devido à contribuição no ganho de autoestima, por promover o empoderamento do sujeito, por auxiliar no compromisso com o tratamento e autocuidado, além da contribuição para o desenvolvimento do senso de trabalho em equipe. as apresentações do Risus nas salas de espera das Unidades de Saúde da Família, oportunizou que a Atenção Básica estreitasse diálogo com o CAPS e contribuiu para a redução de estigmas perante o portador de doença mental. De fato, as peças teatrais se configuraram como bandeira da luta pela igualdade social e respeito às diferenças.É importante acreditar na capacidade dos portadores de transtorno mental, reduzidos a um CID e marcados por limitações. o Risus mostrou que atividades de recreação, mas pensadas para desenvolver potencialidades do sujeito em singularidade, buscam fins terapêuticos e inserção social. Promoveu a descoberta de talentos mostrando que portadores de transtorno mental não destoam das pessoas “normais”. Todo mundo tem dose de loucura e, com determinação, é possível fazer da vida um grande espetáculo.

Principal

hugo5313@hotmail.com

Coautores

Sttefano Juan Bomfim Merfa, Maria Gabriela Amorim Da Silva, Emília Mitsuko Kimura Noguti, Paula Dobravec Rosetti, Ana Caroline Souza Cruz

A prática foi aplicada em

Registro

São Paulo

Sudeste

Instituição

Rua Nelson Brihi Badur, 349

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
TEA/TDAH: inclusão sem discriminação
Paraíba
Práticas
Visita de luto – uma atitude humanizada
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação Sem Barreiras: um Grande Desafio
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Vacinação: Estratégias para o Aumento da Cobertura Vacinal no Município de Barrolândia – TO
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Plano de Recuperação do Faturamento Ses/Df
Distrito Federal
Práticas
Sala de Situação Ses-Df
Distrito Federal
Práticas
Rede Inovases
Distrito Federal
Práticas
Diagnóstico de Atendimento da População Hipertensa/Diabética da Equipe 474/06
Distrito Federal