Olá,

Visitante

Relato de Experiência: Implementação do Atendimento Remoto na Clínica de Fisioterapia da Universidade Católica de Petropolis, para o Enfretamento do Isolamento Social, Devido a Pandemia da Covid-19

Em tempos de Pandemia da COVID-19, a medida de prevenção como o isolamento social, nos colocou diante do impasse de interrupção dos atendimentos presenciais, quando identificamos a necessidade de continuar a dar respostas aos pacientes que necessitam de cuidados fisioterapêuticos, nesse sentido tornou-se necessário a elaboração de uma plano de contingências para mitigar os risco desse isolamento. Assim sendo, foi instituído o atendimento remoto, em abril de 2020, no serviço de fisioterapia, da Universidade Católica de Petrópolis, conveniada com a Secretária Municipal de Saúde de Petrópolis, para os pacientes que estavam em atendimento na instiuição.

O atendimento já praticado em alguns países do mundo, no Brasil outros conselhos profissionais já tem regulamentada esta prática, no entanto o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), aderiu a mesma recentemente, através da publicação da Resolução Nº 516/2020, que estabelece providências durante o enfretamento da crise provocada pela pandemia do Covid -19. Na prática, a resolução permite o atendimento não presencial de pacientes, evidenciando a importância que a modalidade de assistência remota pode assumir no desempenho da profissão, o que nos permitiu desenhar e adequar um atendimento ao nosso público alvo, para lograr continuidade nesta prestação de serviço.Com o apoio do COFFITO com o plano emergencial, para diminuir os riscos de exposição ao COVID-19 de pacientes, profissionais,estudantes, público e equipe de saúde. As consultas remotas, foram a opção, permitindo que os serviços fossem prestados sem nenhuma interação física, em concordância com a Resolução COFFITO/ Nº 516.Nas modalidades de teleconsulta, teleatendimento e telemonitoramento.

Que a resolução COFFITO/ Nº 516, se estendesse para além do período da pandemia da COVID-19, visto que se mostrou com grande potencial de ação, em particular nas situações em que as barreiras físicas, sociais e econômicas são as maiores limitações de muitos, para terem acesso ao atendimento fisioterapêutico qualificado.A viabilidade é factível, para uma parcela grande de usuários do SUS,

Principal

Marilia Isabel Winter Huhges Leon

marilia.leon@ucp.br

A prática foi aplicada em

RJ

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Petrópolis

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Marilia Isabel Winter Hughes Leon

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Projeto Coração Forte: realização de exames de holter 24h (eletrocardiograma dinâmico), medição ambulatorial da pressão arterial em 24 (mapa 24h), eletrocardiograma de esforço (teste ergométrico), eletrocardiograma de repouso e ecocardiograma transtorácico no município de Belém do Brejo do Cruz, no Sertão da Paraíba.
Paraíba
Práticas
SOS CORAÇÃO
Rio de Janeiro
Práticas
Triagem Multidisciplinar de TEA em Petrópolis: uma parceria necessária e significativa.
Rio de Janeiro
Práticas
Assistência de média complexidade em município de pequeno porte: experiência de Mendes (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Experiencia de Barra do Piraí no suporte as enfermidades cardiovasculares no leito de cuidados prolongados na rede de urgência e emergência do Médio Paraíba.
Rio de Janeiro
Práticas
O trabalho do assistente social no âmbito hospitalar: acolhimento e garantia de direitos.
Rio de Janeiro
Práticas
Indicadores de excelência do HMSJ em doação de órgãos para transplante
Santa Catarina
Práticas
Assistência Domiciliar Aos Pacientes do Serviço de Atenção Especializada em Ist/Aids do Município de Vila Velha-Es
Espírito Santo
Práticas
Saúde Prisional e Equipe de Saúde: Serviços Multidisciplinares na Cadeia Pública de Itabaiana – Pb
Paraíba
1 / 512345