Olá,

Visitante

Relato da Cooperação Entre a Prefeitura de Quissamã e a Universidade Federal do Rio de Janeiro -Campus Macaé para o Enfrentamento da Covid 19

A Organização Mundial da Saúde declarou como evento epidêmico a doença causada pelo coronavírus SARS-CoV2 (COVID-19) em 11/03/2020. Trata-se de um vírus novo e com alto poder de transmissão e letalidade que impactou os serviços de saúde e a vida social e, por conseguinte, no momento, o distanciamento social é a forma de prevenção mais eficaz. A previsão de interiorização e o alarde da propagação da doença moveu a gestão municipal de Quissamã para adotar medidas de restrição de circulação da população, implantar o Centro de Triagem Respiratória e construir um Hospital de Campanha com 10 leitos, criar o Disque Saúde e o Teleatendimento de apoio psicológico a fim de concentrar os atendimentos de casos suspeitos e diagnosticados para reduzir a transmissão e preservar a vida. No entanto, avaliava a importância de garantir o cuidado em saúde para os usuários acometidos por outras patologias, com menor exposição de risco para os mesmos e para os profissionais de saúde. Além disso, identificava a necessidade de conhecer o comportamento da doença no município. Por outro lado, a avalanche de informações oriundas dos meios de comunicação, algumas delas contraditórias, exigia um filtro técnico-científico. Portanto, a questão sobre como enfrentar a pandemia a partir das melhores evidências científicas e da defesa da vida motivou a cooperação técnica estabelecida entre a Prefeitura e a UFRJ. Essa prática visa apresentar as ações realizadas e os produtos gerados em decorrência dessa parceria com a universidade.

A pandemia COVID 19 gerou uma grande tensão, em diversos aspectos e intensidades, para a gestão municipal, para os profissionais de saúde e para a população, sobretudo, porque não existe, ainda, vacina para induzir a imunidade. Reorganizar os serviços de saúde de modo a garantir à assistência com menor exposição de riscos para a população e profissionais de saúde tem exigido uma atuação da gestão municipal com base em evidências científicas.

Para um problema com tal nível de gravidade recomendamos a condução das ações por técnicos qualificados e a tomada de decisões baseadas em evidências científicas. Ter uma vigilância em saúde atuante, dar visibilidade sobre as medidas adotadas para a população e para os órgãos de controle interno e externo, divulgar os indicadores relativos ao problema enfrentado, estabelecer parceria com instituições acadêmicas e de pesquisa, promover a educação permanente em saúde são outros aspectos relevantes.

Principal

Tereza Cristina Cabral Gomes

tereza-cabral@uol.com.br

A prática foi aplicada em

Paraíba

Nordeste

Instituição

Quissamã

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Tereza Cristina Cabral Gomes

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Contracepção Reversível de Longa Ação na política de saúde feminina: aquisição de todos em Maricá – RJ
Rio de Janeiro
Práticas
Planejamento Local e Participativo na Estratégia Saúde da Família no Município de Cachoeirinha/Tocantins
Tocantins
Práticas
Novo modelo de cooperação intermunicipal na região de saúde de São Sebastião do Paraíso(MG)
Minas Gerais
Práticas
Implantação do Espaço de ofertas de Práticas Integrativas e Complemenares em Saúde(Pics) para Trabalhadores, Alunos, Estagiários e Usuários-Ensp/Fiocruz
Rio de Janeiro
Práticas
Conferências Locais de Saúde: Estratégias de Educação Permanente para o Plano Municipal de Saúde.
Rio Grande do Sul
Práticas
“Uso de Dados do Sisreg Prótese odontológica no Planejamento na Gestão Pública em Fraiburgo Sc”
Santa Catarina
Práticas
Implantação de ferramenta de cadastro e autorização de procedimentos oncológicos em Montes Claros (MG)
Minas Gerais
Práticas
Saúde do Trabalhador: Ampliação do Acesso a Assistência, Cuidado, Promoção e Prevenção.
Paraíba