Olá,

Visitante

Relato da Cooperação Entre a Prefeitura de Quissamã e a Universidade Federal do Rio de Janeiro -Campus Macaé para o Enfrentamento da Covid 19

A Organização Mundial da Saúde declarou como evento epidêmico a doença causada pelo coronavírus SARS-CoV2 (COVID-19) em 11/03/2020. Trata-se de um vírus novo e com alto poder de transmissão e letalidade que impactou os serviços de saúde e a vida social e, por conseguinte, no momento, o distanciamento social é a forma de prevenção mais eficaz. A previsão de interiorização e o alarde da propagação da doença moveu a gestão municipal de Quissamã para adotar medidas de restrição de circulação da população, implantar o Centro de Triagem Respiratória e construir um Hospital de Campanha com 10 leitos, criar o Disque Saúde e o Teleatendimento de apoio psicológico a fim de concentrar os atendimentos de casos suspeitos e diagnosticados para reduzir a transmissão e preservar a vida. No entanto, avaliava a importância de garantir o cuidado em saúde para os usuários acometidos por outras patologias, com menor exposição de risco para os mesmos e para os profissionais de saúde. Além disso, identificava a necessidade de conhecer o comportamento da doença no município. Por outro lado, a avalanche de informações oriundas dos meios de comunicação, algumas delas contraditórias, exigia um filtro técnico-científico. Portanto, a questão sobre como enfrentar a pandemia a partir das melhores evidências científicas e da defesa da vida motivou a cooperação técnica estabelecida entre a Prefeitura e a UFRJ. Essa prática visa apresentar as ações realizadas e os produtos gerados em decorrência dessa parceria com a universidade.

A pandemia COVID 19 gerou uma grande tensão, em diversos aspectos e intensidades, para a gestão municipal, para os profissionais de saúde e para a população, sobretudo, porque não existe, ainda, vacina para induzir a imunidade. Reorganizar os serviços de saúde de modo a garantir à assistência com menor exposição de riscos para a população e profissionais de saúde tem exigido uma atuação da gestão municipal com base em evidências científicas.

Para um problema com tal nível de gravidade recomendamos a condução das ações por técnicos qualificados e a tomada de decisões baseadas em evidências científicas. Ter uma vigilância em saúde atuante, dar visibilidade sobre as medidas adotadas para a população e para os órgãos de controle interno e externo, divulgar os indicadores relativos ao problema enfrentado, estabelecer parceria com instituições acadêmicas e de pesquisa, promover a educação permanente em saúde são outros aspectos relevantes.

Principal

Tereza Cristina Cabral Gomes

tereza-cabral@uol.com.br

A prática foi aplicada em

Paraíba

Nordeste

Instituição

Quissamã

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Tereza Cristina Cabral Gomes

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Ideação suicida e tentativas de suicídio: uma análise de casos do SAMU 192 no interior do estado do RJ.
Rio de Janeiro
Práticas
Samuzinho: Educação em saúde e primeiro socorros na escola para a promoção do SAMU 192.
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do programa de gestão transparente do tempo resposta no SAMU 192: uma missão desafiadora
Rio de Janeiro
Práticas
Verde, amarelo e vermelho: protocolo de classificação das consultas por grau de prioridade no Centro Especializado de Saúde de Quissamã (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Indicadores para monitoramento das ações de promoção e atenção a saúde do homem em Petrópolis
Rio de Janeiro
Práticas
Fluxo dos pacientes oncológicos atendidos na UNACON da região Noroeste – RJ
Rio de Janeiro