Olá,

Visitante

Rádioaudio: uma Possibilidade de Cuidado em Meio À Pandemia

A Ação de Cuidado Ampliado foi nomeada como uma frente de trabalho da Secretaria Municipal de Saúde de Carmo composta por uma equipe mínima, assistente social e psicóloga, que visa promover atenção psicossocial através da atenção básica uma vez que não possuímos NASF em nosso município.A Ação de Cuidado Ampliado na Atenção Básica surge como estratégia de potencialização da RAPS – Rede de Atenção Psicossocial, por meio de práticas de cuidado integrado, realizada com equipe própria e dirigida à população e profissionais da rede, sobre as quais a equipe de Cuidado Ampliado assume responsabilidade.A Atenção Básica será a principal referência para promover espaços coletivos de discussão e produção de estratégias para o enfrentamento de situações que causam sofrimentos considerados Transtorno Mental Comum-TMC bem como de questões clínicas de maior relevância em cada localidade do município levando-se em consideração o diagnóstico situacional e o matriciamento como diretriz para descentralização do cuidado. Há um mês foram iniciadas as ações preocupadas em atender as demandas emergenciais que surgem nesse momento de pandemia e com objetivo de dar voz e sentido ao cuidado que pede urgência, preconizamos neste momento ações de apoio desenvolvidas por seus profissionais semanalmente junto à comunidade de Porto Velho do Cunha, distrito com maior número de casos da COVID-19 do município, através do que denominamos “rádioáudio”, estimulando a rede socioafetiva de cuidado virtual com o Grupo “Eu, Tu, Elas” já existente naquela localidade e composta por aproximadamente cinquenta mulheres. Espera-se que essa estratégia de cuidado possa promover intervenções no território e na saúde de grupos populacionais impactando a saúde da coletividade através de ações intersetoriais de prevenção e promoção da saúde com um recurso tecnológico simples e acessível (áudios por WhatsApp).De caráter coletivo e visando fortalecimento da participação social no SUS, o serviço visa atender o indivíduo de forma singular, a família e a comunidade através de ações específicas centradas no paciente e seu entorno.A origem da ideiaEm meio à pandemia recebemos um pedido de ajuda de mulheres sufocadas pela incerteza da doença. Um assombro no interior de uma comunidade ribeirinha localizada na zona rural do município e um apelo fez com que se pensasse numa forma de fortalecimento socioafetivo virtual. Um grupo de mulheres potentes já existia na comunidade e foi preciso apenas um contato com uma delas para disseminar através do poder da palavra, discursos e narrativas o alívio e a certeza de que o distanciamento entre elas era apenas físico. Mas como alcançar essas mulheres e ajudá-las? A ideia de recursos rebuscados parecia impossível. Então, buscando resgatar a cultura do radio e usando dos recursos atuais, surge a estratégia “rádioáudio”. Um recurso possível e com impacto para além do esperado. Leitura de textos, contos, propostas de reflexão e ação, lembranças de momentos, orientações de biossegurança doméstica… através de mensagens de áudio e de uma intervenção simples, surgem relatos e expressões de sentimentos, resgate da própria história até ali construída. Pensar em cuidado é pensar para além, é pensar em como chegar e muitas vezes não se tem ideia dos efeitos no outro. Cada retorno recebido traz em si a possibilidade de ver emoções externalizadas, e o caminho continua… e seguimos eu, tu, elas…

No contexto atual de uma Pandemia torna-se crucial garantir que a população mais vulnerável tenha acesso à atenção psicossocial. O isolamento, medo do contágio, luto devido as perdas, são fatores que tendem a produzir efeitos na saúde mental e no bem estar psicossocial. Porém, todas as intervenções devem ser pensadas no contexto do isolamento social, o que torna tudo mais difícil. O desafio é garantir o suporte à comunidade para além da atenção clínica e o podcast é um recurso possível a AB.

Para grupos e outros serviços em que o público não esteja sendo alcançado em razão das dificuldades de utilização de outros recursos mais rebuscados. Recomendamos a aplicação com grupos que demandem atenção psicossocial em função da fragilização emocional advindas ou agravada pelo momento atual de enfrentamento da Pandemia. Aplicação com grupos de profissionais de saúde, educação, cuidadores, usuários de CAPS, comunidades isoladas, grupos de idosos, entre outros.

Principal

Fabricia Ximenes Canela Ventura

fabriciaximenes@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

Carmo

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

R. Martinho Campos, 184

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Fabricia Ximenes Canela Ventura

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
A importância do trabalho em rede para a efetivação da reinserção social aos dependentes químicos enquanto sujeitos de direitos: observações acerca do eixo reinserção social no Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas do município de Cachoeiro de Itapemirim (ES)
Espírito Santo
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Explorando as possibilidades: atividade aquática no tratamento de TEA no município de Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Inovação do cuidado em saúde mental no município de São José do Sabugi-PB a partir da prática.
Paraíba
Práticas
Em boas mãos: valorização dos profissionais de saúde e os impactos na proatividade em Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Protocolo de passagem de plantão no serviço residencial terapêutico: um relato de experiência
Paraíba
Práticas
Ressignificando vidas através das artes manuais: uma vivência do CAPS I Umbuzeiro-PB
Paraíba