Olá,

Visitante

Promoção da Saúde na Estratégia de Saúde da Família: Atividades Lúdicas Acolhedoras em Comunidades de Difícil Acesso

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: Essa atividade teve como finalidade realizar, por meio de uma atividade lúdica, a promoção da saúde e o acolhimento da população de abrangência da ESF de Rio Pequeno, Sinimbu – RS.DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS: Em março de 2017, foi criado o grupo “Mais Saúde” na ESF de Rio Pequeno. Esse grupo foi proposto com o intuito de promover a saúde entre os usuários, que residem na zona rural do município, local onde a ESF está inserida. Considerando a localização, o território de abrangência e o perfil da população, a equipe de saúde e os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) perceberam que o sucesso do grupo dependia da realização de atividades inovadoras, lúdicas, criativas e atrativas aos usuários. Frente a isso, foi pensado e elaborado pela equipe o jogo “Bingo da Saúde”. Para a atividade, levantaram-se os temas a serem abordados, como por exemplo: Saúde do homem

As Estratégias de Saúde da Família (ESFs) surgiram no Brasil como um método de reorientação do modelo assistencial a partir da atenção básica. Uma das principais características das ESFs é a criação de equipes que devem agir a fim de desenvolver práticas de saúde com foco nos princípios do Sistema Único Saúde – (SUS): Universalidade, Integralidade e Equidade¹. No estado do Rio Grande do Sul, a expansão da Estratégia de Saúde da Família se deu no início do ano 2000. Desde então, um dos desafios para o Estado é ampliar o acesso da população gaúcha à atenção básica, não só nas áreas centrais dos municípios, como também nas áreas rurais e de difícil acesso². A partir da análise territorial aprofundada, a atuação dos profissionais que compõem as equipes de saúde da família tende a criar maior aproximação com o usuário e fundamenta um trabalho sistematizado e contínuo. Essa aproximação, possibilita um olhar ampliado sobre a saúde da população delimitada, permite que haja um rompimento com o modelo tradicional curativista (com foco na eliminação de doenças), e passa a preconizar a promoção da saúde e a qualidade de vida³.Dentre as ferramentas para a construção do vínculo entre os profissionais de saúde e a população de abrangência das ESFs, destaca-se a Educação em Saúde. As atividades de Educação em Saúde são realizadas inúmeras vezes, em grupo, e visam não só à prevenção, mas também ao acolhimento, à troca de conhecimentos e à construção da autonomia e corresponsabilidade pelo cuidado4. As reuniões em grupos nas ESFs facilitam a construção coletiva de conhecimentos e a reflexão sobre situações enfrentadas no cotidiano. No entanto, para que os usuários tenham interesse de frequentar e se sintam acolhidos durante as intervenções em grupo, é necessário que os profissionais de saúde utilizem recursos inovadores, lúdicos e de fácil compreensão4.As atividades lúdicas no campo da saúde se configuram como métodos alternativos, que auxiliam no processo de aprendizado. Nesse sentido, as ações de promoção da saúde – que contemplam recursos lúdicos – colaboram para a aprendizagem efetiva, que pode ser transferida e aplicada no dia-a-dia dos usuários5.

Com a realização do “Bingo da Saúde”, o objetivo de desenvolver, por meio de uma atividade lúdica, a promoção da saúde e o acolhimento da população que reside no interior do município de Sinimbu – RS, foi alcançado. O trabalho dos profissionais de saúde em áreas rurais e de difícil acesso precisa ser diferenciado, pois configura uma rotina desafiadora. No que diz respeito à promoção de saúde e ao acolhimento, percebe-se que o trabalho em equipe precisa estar sempre em evidência, onde a construção coletiva das dinâmicas em grupo deve partir de uma lógica criativa. Vê-se a necessidade de promover atividades acolhedoras voltadas ao público masculino e de estimulá-lo a buscar atendimentos na ESF. Frente ao exposto, conclui-se que a utilização de recursos lúdicos deve ser cada vez mais estimulada no SUS, pois contribui para a construção de atividades inovadoras e de alto impacto, que podem ser desenvolvidas nos diversos níveis de atenção. Considerando a grandiosidade do tema abordado, acredita-se que a divulgação de atividades dessa natureza possa contribuir para a construção de um SUS realmente universal, integral e equânime, à nível estadual e federal.

Principal

Daniel Soares Tavares, Silvana Beatriz Roesch da Silva, Solange Henn Schultz, Zelia Francini Dias, Gislaine Muller, Iraci de Carvalho

daniel_tavares_ctg@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

Sinimbu

Rio Grande do Sul

Sul

Instituição

Av. Gen. Flôres da Cunha, 868

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Daniel Soares Tavares, Silvana Beatriz Roesch da Silva, Solange Henn Schultz, Zelia Francini Dias, Gislaine Muller, Iraci de Carvalho

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

10 nov 2022

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Fato ou fake: utilizando a força da internet no combate a fake news sobre vacinação em Esperança – PB.
Paraíba
Práticas
Projeto saúde na feira: ampliando o acesso de serviços de saúde no município de Ingá.
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Promoção da saúde mental dos trabalhadores da estratégia de saúde da família: cuidando do cuidador.
Paraíba
Práticas
Projeto Hidrovida: a utilização de terapia aquática como forma de tratamento para idosos com doenças osteomusculares.
Paraíba
Práticas
Assistência multiprofissional aos portadores de hipertensão e diabetes mellitus de uma UBS de Belém do Brejo do Cruz – PB: relato de experiencia
Paraíba