Olá,

Visitante

Programa de Controle ao Tabagismo: a Saúde, o Ambiente e a Sociedade Agradecem.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), morrem cerca de seis milhões de pessoas ao ano em todo o mundo devido ao consumo de tabaco. A OMS considera o tabagismo a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Um terço da população mundial adulta é fumante (OMS, 2007).No Brasil, o tabagismo é considerado um grave problema de saúde pública (INCA, 2007) e cerca de 200.000 mortes por ano estão relacionadas ao tabagismo (OPAS, 2002).Estudos comprovam que os malefícios do tabagismo estão relacionados não só à saúde, mas à economia (INCA, 2004), meio ambiente (Redeh, 2002) dentre outros. No Brasil estima-se que 13% da população é fumante. Segundo os dados do Programa de Combate ao Tabagismo de Petrópolis, RJ, Brasil, aproximadamente 37 mil habitantes da cidade são fumantes. O Programa segue as diretrizes do Instituto Nacional do Câncer (INCA/MS) e realiza ações de tratamento, prevenção, vigilância sanitária, educativas, dentre outras. Nessas ações estão envolvidas equipes da Atenção Básica, Estratégia de Saúde da Família, Vigilância Sanitária e Ambiental, Secretaria de Educação dentre outros.

No Brasil, o tabagismo é considerado um grave problema de saúde pública (INCA 2007), em Petrópolis aproximadamente 37 mil habitantes da cidade são fumantes.Estudos comprovam que os malefícios do tabagismo estão relacionados não só à saúde, mas à economia (INCA, 2004), meio ambiente (Redeh, 2002) dentre outros.Como dificuldades, identificamos a rotatividade dos profissionais e equipes de saúde sobrecarregadas com multitarefas.

Analisando as ações desenvolvidas de controle de tabagismo em Petrópolis neste período, podemos concluir que o trabalho intersetorial é muito importante, e que os resultados alcançados favoreceram não só a saúde, como o meio ambiente a economia e a sociedade. Perspectivas futuras: Manter o trabalho de expansão para as equipes da Saúde, Educação e Vigilância em Petrópolis.

Principal

Lilian Bastos Ottero, Adriana Duringer Jacques, Adriana S. Thiago Papinutto, Carlos Luiz da Silva Pestana, Márcia de Sá Fortes Guilino de Faria, Carla de Souza Coelho

ottero@globo.com

A prática foi aplicada em

Petrópolis

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

RUA AURELIANO COUTINHO - 2º ANDAR - CENTRO

Uma organização do tipo

Foi cadastrada por

Lilian Bastos Ottero, Adriana Duringer Jacques, Adriana S. Thiago Papinutto, Carlos Luiz da Silva Pestana, Márcia de Sá Fortes Guilino de Faria, Carla de Souza Coelho

Conta vinculada

claudia.oliveira@fiocruz.br

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Acolhimento Como Ferramenta de Escuta e Mobilização no Grupo de Mães do Tea no Município de Sumé
Paraíba
Práticas
Programa de Atendimento Fisioterapêutico Domiciliar em Pacientes Crônicos Restrito ao Leito em Locais de Difícil Acesso
Rio de Janeiro
Práticas
Agenda Jovem Aprendiz
Minas Gerais
Práticas
Hiperdia em Ação nas Comunidades: Estratégias para Melhorar a Qualidade de Vida dos Cidadãos Coqueirenses.
Práticas
Uso do Futsal Como Estratégia de Promoção da Saúde e Diminuição do Risco de Marginalização: Projeto Caminhos do Viver.
São Paulo
Práticas
Qualidade de Vida no Grupo “Mulher Ativa” na Cidade de Montalvânia – Mg
Minas Gerais
Práticas
Qualidade de Vida e Longevidade: Educação/Prevenção/Promoção em Saúde Sob os Aspectos Biopsicossociais Como Ferramenta para o Cuidado de Pacientes Hipertensos e Diabéticos.
Minas Gerais
Práticas
Projeto “Viva Leve”
Minas Gerais
Práticas
Grupo Girassol: Relatos de Experiência de Ações de Promoção da Saúde para Melhoria da Qualidade de Vida de Pessoas com Doenças e Sequelas
Minas Gerais
Práticas
Praticas Exitosas no Grupo de Emagrecimento.
Minas Gerais