Olá,

Visitante

Planejamento, Monitoramento e Avaliação: Estratégias Fundamentais para a Eficiência da Gestão em Saúde.

Ao sinalizarmos sobre a importância de planejar e avaliar a qualidade a gestão e assistência em saúde, pensamos, logo, no PMAQ que é uma proposta fundamental na melhoria e qualidade do acesso a saúde, apresenta indicadores avaliativos que contribuem com o padrão de qualidade, porém, a minha proposta está para além do PMAQ e de outros instrumentos avaliativos que temos como referencias indicados pelo ministério da saúde. Para alcançarmos o resultado dos impactos das ações de saúde à população e a fim de atender e consolidar a proposta de planejar e monitorar, constantemente, as ações de saúde, realizou algumas intervenções:a)

A Política Municipal de Atenção à Saúde assume as diretrizes operacionais e as prioridades previstas no Pacto pela Saúde, os princípios e diretrizes do SUS: universalidade, equidade, integralidade, resolutividade, descentralização e participação popular, presente na CF de 1988 e nas Leis Orgânicas da Saúde (8080/90 e 8142/90).A Política de saúde do município atua no modelo de gestão da atenção básica em saúde e apresenta diversos setores e equipamentos de saúde que estão à disposição da população, através de atendimentos e ações de saúde que priorizam a prevenção de doenças e agravos, isso exige compromisso, conhecimento e compreensão acerca da demanda e das intervenções que deverão ser realizadas. (Plano municipal de gestão 2014). Como eixo norteador e de fundamental importância para consolidação do processo de gestão foi necessário implementar uma proposta de planejamento no que se refere à avaliação e o monitoramento dos serviços e ações de saúde. Nesse período, dois anos e quatro meses, ao qual estou à frente da secretaria de saúde, na condição de secretária, foi possível observar a complexidade da política de saúde no que tange a organização dos serviços e ações de saúde, impossibilitando a visão, enquanto gestora, dos resultados e impactos dessa política na vida dos usuários do serviço de saúde. Para dar conta dessa situação e, posteriormente, realizar intervenção foi necessário a identificação dos problemas e a priorização do principal problema a ser discutido além de elencar as causas e consequências da falta de planejamento, no que incide a avaliação e o monitoramento dos serviços e ações de saúde.A função planejamento, neste compreendido o monitoramento e a avaliação, é inerente a todos profissionais, independentemente de onde atuem. O planejamento permite, debater, organizar, priorizar, construir as ideias e acima de tudo monitorar e avaliar a ações referentes a política de saúde nas três esferas de governo (Assis, dez 2013). Consideramos o planejamento um instrumento de gestão, que possibilita verificar a eficiência dos serviços, porém, constata-se que a consolidação de uma cultura de uso do planejamento, ainda, é um grande desafio e na execução da política de saúde do município de Mutuípe, essa prática se reproduz na medida em que, não temos instituído como cultura a efetivação do ato de planejar, monitorar e avaliar e para que essa proposta se constitua foi necessário estabelecermos diálogos constantes com as equipes de saúde além de dedicação dos que compõem, diretamente, a gestão da política de saúde no processo de elaboração de instrumentos que permitam verificar, no cotidiano, a qualidade dos nossos serviços ofertados à população na perspectiva da saúde enquanto política de direito (Sistema de Planejamento do SUS, 2009).

A instituição do planejamento, o monitoramento e avaliação, tende a se tornar estratégia permanente, inerente a gestão de saúde, possibilitando os profissionais de saúde a estarem sempre em contato com a proposta de planejar, monitorar e avaliar as ações de saúde modo a atender a população com qualidade e ter oportunidade de verificar os resultados e avaliar os impactos das ações direcionadas aos usuários do SUS para isso precisamos do envolvimento de diversos atores.O principal desafio à instituição da política de planejamento, monitoramento e avaliação está na adesão da equipe em aderir à proposta, por exigir dedicação e conhecimento de todas as intervenções executada pelas equipes, que devem possuir registros, dados, resultados e impactos além da maturidade e habilidade no sentido de direcionar os momentos de avaliação com base em critérios técnicos e que priorizem a política de saúde como direito da população.Contudo, o desdobramento dessa proposta vislumbra-se na possibilidade de instituição de um modelo inovador de gestão, somado a um conjunto de sujeitos ativos, com vistas a gerar mudanças no encaminha¬mento da saúde municipal. A execução da proposta depende de uma soma de iniciativas apontadas, que a meu ver, possibilita a geração de mudanças no processo de gerir com vistas à consolidação de uma gestão que tem o ato de planejar, monitorar e avaliar as ações pensando na eficiência da oferta dos serviços e ações de saúde enquanto direito da população.

Principal

Jacklene Mirne Gonçalves Santos

jackmirne@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

Mutuípe

Bahia

Nordeste

Instituição

Rua Ruy Barbosa

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Jacklene Mirne Gonçalves Santos

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Regulação: o Desafio Presente no Ajuste dos Fluxos e Processos de Trabalho para organização do Sistema de Saúde.
Rio Grande do Sul
Práticas
Construção da Rede Saúde Manauara
Amazonas
Práticas
Organograma Como Dispositivo de Gestão: a Experiência de Mauá
São Paulo
Práticas
Tecendo Redes: a Regulação Como Articuladora da Alta Responsável do Usuário Pós-Covid-19.
Rio de Janeiro
Práticas
1º Audiência Regional de Saúde de Campo: Regionalizar é Preciso – Exercitando a Participação Social e Vencendo os Vazios Assistenciais.
Paraná
Práticas
Sala de Situação: Um Instrumento Facilitador para Implantação de Gestão Compartilhada em Cidade de Pequeno Porte
Mato Grosso
Práticas
Apoio Institucional Como Dispositivo para o Fortalecimento das Redes de Atenção À Saúde na 13ª Região de Saúde da Paraíba
Paraíba
Práticas
Gestão Financeira da Saúde na Prática Municipal
Paraná
Práticas
A Regulação do Acesso no Município de Vitória: o Caminho para a Equidade e Integralidade do Cuidado
Espírito Santo
Práticas
Apoiadores Municipais da Política Nacional de Humanização, Fomentando os Núcleos Técnicos de Humanização nos Distritos Sanitários de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Maceió/Al
Alagoas