Olá,

Visitante

Oficina de Educação Popular em Saúde Mental para Populações Assentadas e Acampadas em Projetos de Reforma Agrária de Minas Gerais: Um Relato de Experiência

A oficina foi elaborada de maneira que permitisse aos atores envolvidos à reflexão sobre a relação entre a saúde mental e as condições de vida e saúde dessas populações fortalecer práticas de cuidado em saúde mental e promoção da saúde e estimular o diálogo e o desenvolvimento conjunto (populações acampadas e assentadas e profissionais de saúde) de práticas de saúde. A proposta desse projeto se baseou nos princípios da educação popular em saúde e, nesse sentido, foi orientada por uma metodologia dialógica, pelo conhecimento crítico da realidade, pela valorização dos saberes locais, da relação entre teoria e prática, e da articulação dos diversos atores sociais. Para tal, foram utilizadas exposições dialogadas, rodas de conversa, oficinas práticas, visitas para intercâmbio de experiências e vivências com práticas e grupos. Também foram utilizados vídeos documentários, dramatização, integração cultural, etc. A oficina contou com a participação de duas turmas, contendo em cada uma três (3) etapas presenciais e etapas locais (em assentamentos e acampamentos), envolvendo ao todo cerca de 140 participantes 70 lideranças de saúde do MST e 70 profissionais da atenção primária e/ou saúde mental das redes públicas de saúde dos municípios mineiros onde estão situados os assentamentos e acampamentos (respectivamente 35 lideranças do MST e 35 profissionais de saúde em cada turma). Um dos produtos desta experiência será a produção de uma cartilha com uma linha de cuidados em saúde mental, onde serão contempladas as diferentes práticas abordadas durante os encontros, tanto aquelas desenvolvidas pelas populações do MST quanto aquelas desenvolvidas pelo Sistema Único de Saúde.

Este trabalho trata-se de um relato da experiência do projeto: Oficina de educação popular em saúde mental para populações assentadas e acampadas em projetos de reforma agrária de Minas Gerais iniciada em novembro de 2012 e concluída em novembro 2013. O projeto foi desenvolvido pela Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP/MG) em parceria com o Setor de Saúde do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Consistiu na realização de Oficinas que teve como público participante militantes do MST, trabalhadores e gestores do SUS.

Principal

Bianca Rückert

A prática foi aplicada em

Belo Horizonte

Minas Gerais

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Av Augusto de Lima 2061, Belo Horizonte, MG

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Bianca Rückert

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 dez 2015

e atualizada em

20 mar 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Oficina de Culinária Afeto e Sabor
Paraíba
Práticas
Aproximando a Comunidade com a Gestão da Atenção Primária em Saúde
Rio de Janeiro
Práticas
Gestão Estratégica e Participativa no SUS: Implantando Novas Instâncias Deliberativas no Município Paulo Jacinto – Al
Alagoas
Práticas
Visita Domiciliar ao Usuário do SUS com Demanda Judicial
Ceará
Práticas
Importância da Conferência Municipal de Saúde para o Fortalecimento da Participação da Comunidade na Defesa do SUS.
Paraíba
Práticas
Participação Popular na Estratégia Saúde da Família em Petrópolis-Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Roda de Conversa com As Famílias: Cuidando de Quem Cuida
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação de Colegiado Gestor nas Unidades de Saude da Família de Japeri-Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Controle Social e Saúde do Trabalhador: a Experiência Regional do Conselho Gestor do Cerest- Pólo Duque de Caxias – Rj
Rio de Janeiro
Práticas
A Experiência do 1º Curso de Capacitação para Conselheiros de Saúde e Membros das Comissões Intersetoriais de Saúde do Trabalhador (Cists) Sobre a Temática da Saúde do Trabalhador do Cerest- Pólo Duqu
Rio de Janeiro