Olá,

Visitante

Implantando o Prontuário Eletrônico em Unidade de Saúde: Relato de Experiência no Sul Capixaba

A informatização na área da saúde já se faz presente em vários níveis, especialmente gerenciais (TOLEDO et al., 2021), inclusive o prontuário eletrônico é realidade em diversos serviços de atenção terciária, compreendendo a rede privada (COLLETI JUNIOR

A versão do prontuário mais conhecida e utilizada por muito tempo é a de papel, o que hoje significa uma infinidade de folhas impressas que, além de gerarem gastos extras com materiais e armazenamento, também dificultam o trabalho da equipe de saúde. Ainda, conforme Thofehrn e Lima (2006) o uso do papel pode gerar problemas como legibilidade, que conforme expressa os documentos emitidos de forma ilegível constituem um grande problema na área da saúde, e para isso, a prática digital, exigência da atual sociedade da informação, dispõe hoje de ferramentas e instrumentos que podem apoiar a organização e a administração dos serviços, a captura, o armazenamento e o processamento das informações do paciente, bem como procedimentos e orientações terapêuticas. Sem contar que, por ser o prontuário um instrumento valioso para o paciente e para todos os profissionais da saúde, o correto e completo preenchimento tornam-se grandes aliados para avaliação da qualidade de assistência prestada. (THOFEHRN E LIMA, 2006).

A implantação do PEC impactou positivamente na rotina da unidade além de ter tido boa aceitação pelos usuários. A ferramenta ainda é recente e não substitui o comprometimento de cada profissional frente a qualidade dos registros, mas sem dúvidas favorece um atendimento com maior embasamento e segurança frente a possibilidade de acesso aos registros da história clínica do paciente. Não precisar do prontuário físico do paciente para conhecer seus atendimentos anteriores, assim como ter acesso a informação de vários pontos de assistência favorece a logística da unidade e do atendimento. Ampliar a utilização do PEC a outros níveis de assistência do município, como aos atendimentos especializados, assim como estender a utilização da ferramenta a nível estadual e federal, será um avanço ainda maior ao acompanhamento de saúde do usuário, uma vez que a unidade básica de saúde passará a ter acesso as informações de maneira simplificada, favorecendo o acompanhamento do usuário e auxiliando no seu papel de regulador do cuidado da rede de assistência.

Principal

Ana Carolina Abdalla Duarte Calvi

anacalvi1989@gmail.com

A prática foi aplicada em

Atilio Vivacqua

Espírito Santo

Sudeste

Instituição

Pedro Lopes

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ana Carolina Abdalla Duarte Calvi

Conta vinculada

anacalvi1989@gmail.com

01 nov 2016

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
O Encontro como Estratégia de Fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial: Conectando e Mobilizando Fluxos nos Diferentes Pontos da Atenção Básica no Vale do Jamari, Rondônia
Rondônia
Práticas
Projeto Menina do Laço de Fita: Integralidade do Cuidado na Garantia do Direito Sexual e Reprodutivo da População de Abaetetuba – Pará
Pará
Práticas
Aperfeiçoamento do Processo de Gerenciamento do Programa do Tratamento Fora do Domicílio de Santa Luzia do Pará
Pará
Práticas
Criança Vacinada e Feliz
Práticas
Outside Vaccine: Rorainópolis Fora dos Muros
Práticas
Estratégias para Vacinação Contra Covid: Busão +saúde – Palmas-to
Práticas
Estrategias para Contornar Dificuldades e Elevar Cobertura Vacinal de Polio e Penta
Práticas
Reorganização do Processo de Trabalho das Equipes da Atenção Básica para o Fortalecimento das Ações de Imunização no Município de Jandaíra-ba
Práticas
Vacinar para Proteger: Metodologias Sistematizadas Aplicadas para o Alcance da Cobertura Vacinal em Pindoretama-ceará
Práticas
Imunização na Terceira Idade: Educação em Saúde Como Estratégia para Adesão de Idosos em um Município do Estado do Maranhão