Olá,

Visitante

Implantando o Prontuário Eletrônico em Unidade de Saúde: Relato de Experiência no Sul Capixaba

A informatização na área da saúde já se faz presente em vários níveis, especialmente gerenciais (TOLEDO et al., 2021), inclusive o prontuário eletrônico é realidade em diversos serviços de atenção terciária, compreendendo a rede privada (COLLETI JUNIOR

A versão do prontuário mais conhecida e utilizada por muito tempo é a de papel, o que hoje significa uma infinidade de folhas impressas que, além de gerarem gastos extras com materiais e armazenamento, também dificultam o trabalho da equipe de saúde. Ainda, conforme Thofehrn e Lima (2006) o uso do papel pode gerar problemas como legibilidade, que conforme expressa os documentos emitidos de forma ilegível constituem um grande problema na área da saúde, e para isso, a prática digital, exigência da atual sociedade da informação, dispõe hoje de ferramentas e instrumentos que podem apoiar a organização e a administração dos serviços, a captura, o armazenamento e o processamento das informações do paciente, bem como procedimentos e orientações terapêuticas. Sem contar que, por ser o prontuário um instrumento valioso para o paciente e para todos os profissionais da saúde, o correto e completo preenchimento tornam-se grandes aliados para avaliação da qualidade de assistência prestada. (THOFEHRN E LIMA, 2006).

A implantação do PEC impactou positivamente na rotina da unidade além de ter tido boa aceitação pelos usuários. A ferramenta ainda é recente e não substitui o comprometimento de cada profissional frente a qualidade dos registros, mas sem dúvidas favorece um atendimento com maior embasamento e segurança frente a possibilidade de acesso aos registros da história clínica do paciente. Não precisar do prontuário físico do paciente para conhecer seus atendimentos anteriores, assim como ter acesso a informação de vários pontos de assistência favorece a logística da unidade e do atendimento. Ampliar a utilização do PEC a outros níveis de assistência do município, como aos atendimentos especializados, assim como estender a utilização da ferramenta a nível estadual e federal, será um avanço ainda maior ao acompanhamento de saúde do usuário, uma vez que a unidade básica de saúde passará a ter acesso as informações de maneira simplificada, favorecendo o acompanhamento do usuário e auxiliando no seu papel de regulador do cuidado da rede de assistência.

Principal

Ana Carolina Abdalla Duarte Calvi

anacalvi1989@gmail.com

A prática foi aplicada em

Atilio Vivacqua

Espírito Santo

Sudeste

Instituição

Pedro Lopes

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ana Carolina Abdalla Duarte Calvi

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 nov 2016

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Estratégias de imunização em município do interior da Paraíba resulta em 1º lugar no estado durante campanha de influenza 2024 : relato de experiência
Paraíba
Práticas
Os caminhos para alcançar os indicadores de desempenho do Previne Brasil pelo município de Bom Jesus (PB)
Paraíba
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
Humanização na prática do cateterismo vesical de demora na atenção básica.
Paraíba