Olá,

Visitante

Implantando o Prontuário Eletrônico em Unidade de Saúde: Relato de Experiência no Sul Capixaba

A informatização na área da saúde já se faz presente em vários níveis, especialmente gerenciais (TOLEDO et al., 2021), inclusive o prontuário eletrônico é realidade em diversos serviços de atenção terciária, compreendendo a rede privada (COLLETI JUNIOR

A versão do prontuário mais conhecida e utilizada por muito tempo é a de papel, o que hoje significa uma infinidade de folhas impressas que, além de gerarem gastos extras com materiais e armazenamento, também dificultam o trabalho da equipe de saúde. Ainda, conforme Thofehrn e Lima (2006) o uso do papel pode gerar problemas como legibilidade, que conforme expressa os documentos emitidos de forma ilegível constituem um grande problema na área da saúde, e para isso, a prática digital, exigência da atual sociedade da informação, dispõe hoje de ferramentas e instrumentos que podem apoiar a organização e a administração dos serviços, a captura, o armazenamento e o processamento das informações do paciente, bem como procedimentos e orientações terapêuticas. Sem contar que, por ser o prontuário um instrumento valioso para o paciente e para todos os profissionais da saúde, o correto e completo preenchimento tornam-se grandes aliados para avaliação da qualidade de assistência prestada. (THOFEHRN E LIMA, 2006).

A implantação do PEC impactou positivamente na rotina da unidade além de ter tido boa aceitação pelos usuários. A ferramenta ainda é recente e não substitui o comprometimento de cada profissional frente a qualidade dos registros, mas sem dúvidas favorece um atendimento com maior embasamento e segurança frente a possibilidade de acesso aos registros da história clínica do paciente. Não precisar do prontuário físico do paciente para conhecer seus atendimentos anteriores, assim como ter acesso a informação de vários pontos de assistência favorece a logística da unidade e do atendimento. Ampliar a utilização do PEC a outros níveis de assistência do município, como aos atendimentos especializados, assim como estender a utilização da ferramenta a nível estadual e federal, será um avanço ainda maior ao acompanhamento de saúde do usuário, uma vez que a unidade básica de saúde passará a ter acesso as informações de maneira simplificada, favorecendo o acompanhamento do usuário e auxiliando no seu papel de regulador do cuidado da rede de assistência.

Principal

Ana Carolina Abdalla Duarte Calvi

anacalvi1989@gmail.com

A prática foi aplicada em

Atilio Vivacqua

Espírito Santo

Sudeste

Instituição

Pedro Lopes

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ana Carolina Abdalla Duarte Calvi

Conta vinculada

01 nov 2016

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Programas de provimento médico federais: estratégias de monitoramento e avaliação municipais
Rio de Janeiro
Práticas
Acessibilidade no SUS: Implantação de um laboratório da Língua Brasileira de Sinais em unidades de Estratégia da Família em São Pedro da Aldeia
Rio de Janeiro
Práticas
Arte como instrumento de cuidado na Atenção Primária à Saúde
Bahia
Práticas
O Agente Comunitário de Saúde e a integralidade do cuidado no controle das Arboviroses.
Rio de Janeiro
Práticas
O Nasf de Armação dos Búzios como uma fênix em tempos sombrios: novas tecnologias a serviço do cuidado
Rio de Janeiro
Práticas
ATHIS Casa Saudável
Rio Grande do Sul
Práticas
Campanha Permanente de Castração de Cães e Gatos: Combate Estratégico às Zoonoses Centrado nos Princípios do SUS e no Conceito Território em Saúde, em Gurupi – To
Tocantins
Práticas
Cuidado de Enfermagem aos Portadores de Diabetes com “Pés Diabéticos” em Equipe de Estratégia Saúde da Família Relato de Experiência
Rondônia
Práticas
Territorialização e Expansão do Acesso na Atenção Básica em Pimenta Bueno: Redução de Nove para Duas Áreas des cobertas Pelos Agentes Comunitários de Saúde – Acs
Rondônia