Olá,

Visitante

Gestão da Atenção Básica: Apoio Institucional como Estratégia para o Fortalecimento

Um dos maiores desafios no SUS tem sido inovar as práticas de gestão. Dentre as iniciativas e inovações, está o Apoio Institucional. É um modo complementar para realizar coordenação, planejamento, supervisão e avaliação do trabalho em equipe, agindo de forma interativa e não impositiva, articulando os objetivos institucionais aos saberes e interesses dos trabalhadores e usuários. A atuação dos apoiadores visa o acompanhamento do processo de trabalho das eSF por meio de ferramentas que contribuem na discussão e reflexão. A co-gestão como base do Apoio Institucional pressupõe um modo de agir mais dialogado por parte da organização, visando reformular o modo tradicional de fazer coordenação, planejamento, supervisão e avaliação em saúde. Portanto, é com a participação em reuniões da unidade que o apoiador fomenta reflexões e promove a articulação na rede. Torna-se parte das equipes e atua para romper as barreiras burocráticas, auxiliando os profissionais nos desafios enfrentados.

Este relato de experiência tem como objetivo demonstrar que o apoio institucional promove a melhoria do acesso e da qualidade da assistência valoriza as eSF e fortalece o vínculo entre instituição, equipe e população. o apoio institucional iniciou juntamente com o primeiro ciclo do PMAQ. o início contou com a participação de quatro apoiadores, um médico, um cirurgião dentista e duas enfermeiras da SMS. Este grupo se dividia entre as oito equipes de eSF do município e reunia-se sempre que necessário. Atualmente o grupo é composto por duas enfermeiras, uma cirurgiã dentista, uma farmacêutica e um nutricionista, alguns dos profissionais, inclusive, são integrantes do NASF-AB. Esses profissionais organizam-se e estão presentes nas reuniões mensais das eSF das quais são apoiadores oportunizando discussões democráticas, além de realizarem uma reunião mensal entre si. Mesmo a distância, estão sempre à disposição das equipes por meio eletrônico e via telefone.

Inserção dos apoiadores nas atividades da eSF, como as reuniões de equipe, coma discussão das dificuldades que a equipe enfrentava para concretização do cuidado/assistência, não somente da realidade local, mas também as intersecções com os demais pontos da Rede, como Hospitais, CAPS, e outros, contribuindo para o fortalecimento das RAS e resolutividade. Aproximação da gestão com as eSF, fortalecendo o vínculo e entendimento da realidade local. Fortalecimento na tomada de decisão das equipes frente à realidade do território e necessidades locais. Favorecimento da análise ampliada dos indicadores de saúde, oportunizando o planejamento. Melhoria nos indicadores de saúde e de acesso. Realização de Mostra de Experiências Exitosas no município.A experiência revelou-se inovadora e potente para a integração da gestão com as eSF, estreitando laços, reafirmando compromissos e fortalecendo a eSF. Reformulou o modo tradicional de fazer gestão e contribuiu para a construção de práticas produtoras de mudanças nos modelos de atenção e gestão da saúde. Considera-se relevante a continuidade da experiência de modo a aperfeiçoar a capacidade de análise dos processos de trabalho e de elaboração de projetos de melhoria das práticas de saúde.

Principal

Lígia Hoepfner

farmasaude@pomerode.sc.gov.br

Coautores

Geliandro Fidelis Ribeiro, Maira Beatriz Kamke Herzog, Marisa Calissi, Michaela Reimer Dopona,

A prática foi aplicada em

Pomerode

Santa Catarina

Sul

Instituição

Rua Hermann Weege, 677, Centro

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Marcos Bonmann

Conta vinculada

saude@pomerode.sc.gov.br

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Regulação do Acesso À Atenção Especializada: des coberta de um Iceberg e des afios A Serem Superados
São Paulo
Práticas
Fórum Permanente de Embu Guacu: uma Possibilidade de Organização do Cuidado Intersetorial
São Paulo
Práticas
Profilaxia Pré-Exposição ao Hiv (Prep) como Nova Estratégia para A Prevenção do Hiv – uma Experiência Multiprofissional
São Paulo
Práticas
Consultório na Rua: uma Ampliação da Abordagem das Pessoas Vivendo com Hiv/Aids Focando A Adesão
São Paulo
Práticas
Processo Formativo de Apoio em Saúde Mental no Município de Franco da Rocha – Sp
São Paulo
Práticas
Estruturação da Rede de Saúde de Franco da Rocha: Análise do Financiamento das Ações, Por Meio da Transferência de Recursos Obrigatórios e Voluntários ao Município
São Paulo
Práticas
Participação Social na Construção do Planejamento Estratégico em Saúde e do Plano de Educação Permanente no Território de Ermelino Matarazzo/Sp
São Paulo
Práticas
Impactos da Formação de Trabalhadores Sobre Práticas Relativas ao Uso Racional de Medicamentos: Experiência no Contexto do Plano Regional de Educação Permanente em Saúde (Pareps)
São Paulo
Práticas
A Assistência Farmacêutica como Veículo de Educação e Economia
São Paulo
Práticas
Programa de Automonitoramento Glicêmico para Paciente Diabético Insulinodependente
São Paulo