Olá,

Visitante

Fato ou fake: utilizando a força da internet no combate a fake news sobre vacinação em Esperança – PB.

O Programa Nacional de Imunização (PNI) constitui um dos programas mais completos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) por ser determinante na redução, eliminação e erradicação de doenças imunupreviníveis desde a sua criação pelo Ministério da Saúde (MS) em 1973, que antecedeu, ainda, a implantação do SUS em 1988. Considerado uma referência mundial, o programa se consolidou, nesses seus 50 anos, pelo impacto positivo na Saúde Pública com a diminuição da morbimortalidade de doenças, através da conquista de altas coberturas vacinais. No entanto, o Brasil tem registrado queda nas coberturas vacinais desde 2013, intensificada após a pandemia da COVID-19. Estudos demonstram que uma das principais barreiras da atualidade contra a vacinação é a internet, e apesar de ser um importante instrumento, junto as redes sociais, no consumo e produção de informação, o acesso e o compartilhamento de informações falsas têm se tornado problema de saúde pública no Brasil. Esse fenômeno, apesar de ser uma prática antiga, recentemente recebeu o termo de “Fake News” e atinge frequentemente as ações de vacinação em todo território nacional, resultando em hesitação vacinal e declínio das coberturas vacinas. Mediante exposto, o município de Esperança-PB utilizou da mesma força da internet e redes sociais para combater a desinformação e fortalecer a confiança da população a cerca das vacinas, na busca pela retomada das altas coberturas vacinais.

Com o objetivo de ombater as fake news através da internet e redes sociais, estimular a interação da população para sanar as principais dúvidas, através dos profissionais do SUS em forma de vídeos, fortalecer as ações de imunização no município, diminuir a hesitação vacinal e reconquistar altas coberturas vacinais, organizou-se, através da coordenação de imunização, a articulação entre os profissionais médicos de diversos setores do SUS para a gravação de conteúdo, em forma de vídeo, para divulgação e publicação nas redes sociais oficiais do município, bem como, entre os grupos de aplicativos de mensagens, para o alcance do maior número de pessoas. Considerando as principais dúvidas da população demonstradas durante o processo de vacinação, nas salas de vacinas, junto aos profissionais de enfermagem de agentes comunitários de saúde, foram elaboradas as perguntas mais frequentes, para que o profissional, em seu local de trabalho, respondesse se tratava-se de um “Fato ou Fake” a respeito da vacinação. Foram selecionados profissionais de diferentes especialidades e setores, tais como: Ginecologista do alto risco, médica do SAMU, pediatra, médico da APS, médico do serviço hospitalar, dentre outros, para que pudéssemos direcionar a orientação e assim, conseguir sensibilizar o ouvinte conforme a confiança depositada ao procurar o atendimento médico. Algumas das perguntas abordaram a falsa relação entre a vacinação contra COVID-19 e infarto, que impactou negativamente durante toda a campanha a busca da população pelo imunizante, bem como, abordou a afirmativa da importância da vacinação durante a infância em tempo hábil, conforme preconiza o PNI. Após a gravação os vídeos foram divulgados e compartilhados dentre a população, potencializando a importância da divulgação de informações corretas.

Observou-se que durante a divulgação dos vídeos, a população demonstrou interação no compartilhamento e reforçou as orientações contidas na ações durante a procura pela vacinação, o que evidencia a importância de se combater a desinformação e fake news na mesma proporção em que essas se espalham, apesar do movimento anti-vacina e da hesitação vacinal ainda ser observado no município, especialmente quando associada a crença religiosa e/ou orientação política e partidária, as equipes de profissionais do município se empenham para desmistificar falsas informações com respaldo científico e abordagem humanizada para conquistar a confiança da população e diminuir a taxa de abandono e hesitação vacinal em todas as faixas etárias.

Conclui-se que a força da internet, junto as redes sociais, tem gerado atualmente um grande impacto na saúde pública, seja positivo ou negativo, e cabe aos profissionais de saúde e gestores, intervir, para utilizar dessa potência a favor das ações de imunização, visto ser uma área com um dos principais ataques de informação falsa, especialmente se relacionado a vacinação contra COVID-19, deste modo, as ações de divulgação, com a participação de profissionais capacitados, dando espaço para expressão da população é uma necessidade para os dias atuais que não pode ser ignorada, tendo em vista que o movimento de fake news é um importante problema de saúde pública no Brasil.

Principal

PRISCILA GEOVANA CÂMARA RODRÍGUES CABRAL

pgcrc12@gmail.com

Coordenador de Imunização

Coautores

PRISCILA GEOVANA CÂMARA RODRÍGUES CABRAL. CECÍLIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALMEIDA. JOSICLEIDE DA SILVA SANTOS. LANÍSIA BIANCA PASSOS DE OLIVEIRA.

A prática foi aplicada em

Esperança

Paraíba

Nordeste

Esta prática está vinculada a

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Priscila Geovana Câmara Rodrígues Cabral

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

15 abr 2024

e atualizada em

15 abr 2024

Início da Execução

01/07/2023

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Ações intersetoriais: integrando estratégias no combate às arboviroses na cidade de Belém do Brejo da Cruz (PB)
Paraíba
Práticas
Re(h)abilitando a interdisciplinaridade e o cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Projeto saúde na feira: ampliando o acesso de serviços de saúde no município de Ingá.
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Promoção da saúde mental dos trabalhadores da estratégia de saúde da família: cuidando do cuidador.
Paraíba
Práticas
Projeto Hidrovida: a utilização de terapia aquática como forma de tratamento para idosos com doenças osteomusculares.
Paraíba