Olá,

Visitante

Experiência vivenciada pelo grupo de convivência As Marias

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: Através do desenvolvimento do Grupo de Convivência “As Marias” busca-se promover a saúde mental, socialização, fortalecimento de vínculos e de melhorias na qualidade de vida das mulheres da comunidade, usuárias da UBS.DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS: Desde o início do grupo, no ano de 2014, realiza-se reuniões semanais no próprio espaço físico da UBS, com duração média de 60 minutos. Os encontros apresentam o número médio de 10 a 12 participantes fixas, com faixas etárias que varia entre 35 anos a 80 anos de idade, ministrado pela psicóloga do NASF e ou outros profissionais convidados para o encontro. A maioria das participantes convidadas (o público alvo) tem como perfil serem mulheres casadas/ viúvas, mães e donas de casa. Todas as integrantes apresentam ou já apresentaram algum tipo de sofrimento psíquico no decorrer de suas vidas, sendo o Transtorno Depressivo o mais comum. Nos encontros é promovida a convivência das participantes, entre elas e também entre os profissionais da UBS/ NASF, havendo assim a busca pelo fortalecimento do vínculo entre usuários e profissionais da UBS. Aborda-se em cada reunião uma temática diferente de acordo com as necessidades do grupo, identificadas pela psicóloga do NASF e enfermeira da UBS. Os principais temas já abordados foram: os sofrimentos psíquicos (como a ansiedade, depressão, dependência emocional, luto, estresse), a autoestima da mulher

Diante da realidade vivenciada e exposta pela comunidade atendida pela UBS Eurípedes Vicente de Paula do município de Itamogi/ MG, a instituição identificou um número relevante de mulheres que apresentavam algum tipo de sofrimento psíquico, como quadros de depressão, conflitos familiares, violência doméstica, isolamento social e solidão. Estas problemáticas identificadas na comunidade, motivaram as profissionais de enfermagem da UBS em parceria com a psicologia do NASF (Núcleo de Apoio a Saúde da Família) do município, a desenvolverem o Grupo de Convivência “As Marias” como proposta de trabalho para prevenção, intervenção e promoção da saúde, implantado desde agosto de 2014 tendo como público alvo as mulheres com algum sofrimento psíquico. Segundo a literatura “os grupos de convivência intencionam enfrentar o isolamento social de determinados indivíduos e/ou grupos sociais de maneira a criar …espaço que favoreça o encontro e o desenvolvimento global dos participantes (FERRO, L. F. et al., 2012 apud OLIVEIRA et al., 2004, p. 277).O título do grupo As Marias, foi pensado e escolhido por ser um nome feminino conhecido por todos e comum entre as mulheres da comunidade da UBS. Assim o nome tem o sentido de representar todas as mulheres da comunidade, sem distinção de classe social, raça ou etnia. Buscando-se a partir do nome a inclusão social, o acolhimento da instituição e a identificação das integrantes com os objetivos do grupo. O Grupo de convivência visou desde a sua implantação, realizar ações que pudessem prevenir e tratar os quadros depressivos, assim como de outros sofrimentos psíquicos, promover a saúde mental e como consequência a qualidade de vida das integrantes. Buscou-se que as interversões realizadas fossem propagadas para além do bem estar e desenvolvimento das participante, como para as suas famílias e a comunidade.A pretensão do grupo de convivência da UBS condiz com a teoria de Feltes (2015 apud MIELK et al. 2011), na qual afirma que os profissionais envolvidos ao tratamento da Saúde Mental, “devem entender que a construção da autonomia do usuário faz parte do cuidado oferecido no serviço de atenção psicossocial, devendo o mesmo atuar na reinserção social do usuário, tendo como base o resgate da autonomia(…).

A partir da experiência vivenciada no grupo de convivência As Marias observou-se que cada mulher participante foi resgatando a vontade de viver, sua autoestima, mudança da percepção de si e das pessoas ao seu redor, como de seus esposos, filhos e sociedade. Começaram assim a enfrentar de uma forma mais positiva e confiante as adversidades encontradas e buscando descobrirem novas perspectivas para suas vidas. Ou seja, houve o desenvolvimento de promoção da saúde e de qualidade de vida ao público alvo atendido pelo grupo e indiretamente atingindo e trazendo transformações para as suas famílias e como consequência a comunidade usuária da UBS.

Principal

Joseline Cristina de Paula

joselinepsicologa@gmail.com

A prática foi aplicada em

Itamogi

Minas Gerais

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Rua Olímpia Ebrantina Mello Barreto, 392

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Joseline Cristina de Paula

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

30 mar 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Fato ou fake: utilizando a força da internet no combate a fake news sobre vacinação em Esperança – PB.
Paraíba
Práticas
Projeto saúde na feira: ampliando o acesso de serviços de saúde no município de Ingá.
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Promoção da saúde mental dos trabalhadores da estratégia de saúde da família: cuidando do cuidador.
Paraíba
Práticas
Projeto Hidrovida: a utilização de terapia aquática como forma de tratamento para idosos com doenças osteomusculares.
Paraíba
Práticas
Assistência multiprofissional aos portadores de hipertensão e diabetes mellitus de uma UBS de Belém do Brejo do Cruz – PB: relato de experiencia
Paraíba