Olá,

Visitante

Experiência de Integração Intersetorial no Controle ao Aedes Aegypti e Bloqueio da Doença Chikungunya no Município de Cunha Porã, Sc.

ObjetivoRelatar as experiências adquiridas na integração intersetorial da força tarefa, no controle do Aedes aegyti e contenção da doença chikungunya, a fim de servir como base para outros municípios colocarem em prática nas suas ações, conforme a sua realidade.MetodologiaBloqueio de transmissão da chikungunya Em fevereiro de 2018, o primeiro caso de chikungunya importado foi registrado e dois casos autóctones. Devido ao grande número de focos e elevado risco de epidemia, foi necessário sensibilizar as ESF’s e Hospital, e realizar plantões com equipe de bloqueio para contenção da doença, além da aplicação de Ultra Baixo Volume. Força-tarefa Devido ao alto índice de infestação do mosquito Aedes aegypti e casos de chikungunya, viu-se a necessidade de mobilizar uma força-tarefa, com aproximadamente 80 profissionais das Secretarias Municipal de Saúde e de Obras, SES, Defesa Civil e Bombeiros, formando equipes que trabalharam em pontos diferentes, aéreo (drone) e terrestre, percorrendo todo perímetro urbano.

Segundo a estimativa do IBGE (2018), Cunha Porã, município situado ao oeste de Santa Catarina, possui 11.053 habitantes. Para o controle do mosquito Aedes aegypti, além do próprio setor, Cunha Porã conta com a integração dos Agentes Comunitários de Saúde, Vigilância Sanitária, Secretaria de Obras, Vigilância Epidemiológica, Atenção Básica (Estratégia da Saúde da Família – ESF), Educação, Bombeiros, Polícia Militar, Defesa Civil, técnicos da Secretaria do Estado da Saúde (SES), entidades privadas e sociedade civil organizada da Sala de Situação. O presente trabalho justifica-se pelo fato de que Cunha Porã, no ano de 2018, apresentava um alto índice de infestação do mosquito Aedes aegypti. Sendo relatadas as experiências vivenciadas através das ações de intersetorialidade, como na contenção da doença chikungunya, onde ocorreu surto isolado e na força tarefa, que foi de fundamental importância no controle do mosquito Aedes aegypti no município.

A integração intersetorial é fundamental no controle do Aedes aegypti e deve ser feita de forma contínua, pois trouxe resultados positivos em curto prazo de tempo, observado na redução do número de focos resultante da força-tarefa e no controle da doença chikungunya. Destaca-se a utilização de drone, indispensável para a visualização de depósitos elevados, antes imperceptíveis.

Principal

Angela Giseli Rieger Kölln

A prática foi aplicada em

Santa Catarina

Sul

Instituição

Cunha Porã

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ideiasus/Fiocruz, Conasems

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

22 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Aedes Aegypti: Controle Biológico
São Paulo
Práticas
Análise Espacial e Espaçotemporal da Aids no Município de São Paulo Entre 2001 e 2010.
São Paulo
Práticas
Vacinação Itinerante: uma Estratégia para Alcance da Cobertura Vacinal
Santa Catarina
Práticas
Formulário Eletrônico na Fiscalização: Mapeamento de Medidas Sanitárias de Prevenção À Covid-19.
Santa Catarina