Olá,

Visitante

Eu Quero Entrar na Rede

O projeto Eu quero entrar na rede foi realizado por meio da parceria entre o Laboratório Internet, Saúde e Sociedade (LaISS) vinculado ao Centro de Saúde Escola Germano Sinval de Faria, o Caps- Magal e o Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial (Laps). Essas iniciativas de pesquisa e assistência são parte integrante da Ensp/Fiocruz. A equipe multidisciplinar foi composta por profissionais da área da saúde e das ciências humanas e sociais. A experiência contou com a participação de uma mediadora profissional de comunicação. Esse projeto foi aprovado em um edital de apoio Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação em Saúde da Fiocruz.Tendo como base a Translação do Conhecimento e a pedagogia de Paulo Freire, foram desenvolvidas atividades visando à produção de um blog. Foram realizadas palestras, rodas de conversa e exercícios práticos e teóricos. Foram priorizadas as atividades que proporcionaram maior autonomia, troca de experiência e conhecimento entre os usuários e os demais envolvidos.A atividade de inclusão digital contou com a participação de 10 usuários do Caps-Magal e teve a duração de 12 meses, de outubro de 2018 a setembro de 2019. Os participantes são moradores das comunidades de Manguinhos e da Maré. Foram realizados 40 encontros semanais no LaISS com a mediação de uma profissional do laboratório e o acompanhamento de um profissional do Caps. Cada encontro teve a duração de 2 horas. Os participantes foram selecionados pela equipe do Caps-Magal a partir da proposta de construção de um blog. Foram convidados usuários em fase não aguda, com boa adesão ao serviço e que tivessem o domínio básico das principais ferramentas digitais. Os 10 usuários selecionados pelos profissionais da Caps- Magal receberam uma bolsa auxílio mensal de R$ 100,00. Oito participantes eram do sexo masculino e dois do sexo feminino

Inclusão digital de Pessoas em sofrimento mental usuárias de CAPS moradoras de comunidades carentes do Rio de Janeiro.Uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) como instrumento facilitador da autonomia e visibilidade dos cidadãos em sofrimento psíquico.De que forma o uso das TICs e a produção de um blogue pode contribuir com a inclusão digital e social dos usuários participantes?

Ao avaliar essa iniciativa, é possível identificar alguns fatores que facilitaram ou dificultaram sua plena realização. Foram identificados quatro fatores que facilitaram a realização do projeto. O primeiro deles foi a utilização da metodologia da ‘Translação do Conhecimento’. Por intermédio das trocas de conhecimento e vivências proporcionadas pelo método os encontros realizados no LaISS, constituíram espaços confiáveis para o exercício de fala. Os usuários puderam se expressar livremente, tendo oportunidade de aprender e ensinar uns aos outros e construir coletivamente o blog trocando experiências. Um segundo fator facilitador está relacionado com o fato de a atividade ter sido realizada fora do espaço do Caps. A necessidade de transitar por um novo espaço ajudou na promoção da autonomia dos participantes e serviu como um incentivo à integração do grupo, já que, muitas vezes, eles se deslocavam em conjunto. A circulação dos usuários se mostrou como um facilitador na emancipação desses cidadãos. Um terceiro elemento que facilitou essa atividade está relacionado com o fato de ela ter sido realizada nas dependências do LaISS: uma sala equipada com dez computadores, ligados à internet, datashow e ar-condicionado. Assim, não foi necessária a constituição da infraestrutura tecnológica necessária para a realização da atividade. Além disso, esse projeto havia sido aprovado em um edital de Divulgação Cientifica da Vice-Presidência de Ensino, Informação e Comunicação da Fiocruz. Essa aprovação permitiu que os usuários recebessem uma bolsa que contribuiu para o aumento da autoestima e favoreceu a adesão dos participantes. O último fator facilitador identificado foi o perfil dos participantes. Como já foi exposto, os usuários selecionados para a participação no projeto eram, em sua maioria, jovens adultos com conhecimento básico necessário para utilização da NTIC. Esse perfil fez com que não fossem necessários muitos encontros e atividades voltadas para a formação técnica dos participantes, tornando o trabalho mais rápido de produtivo. Foi possível iniciar a etapa de produção de conteúdo em menos tempo do que seria possível com um grupo com pessoas mais idosas ou sem o mesmo domínio das tecnologias. Consideramos que dois fatores dificultaram a realização do projeto. O primeiro deles foi a violência que domina o território de Manguinhos, onde ocorrem constantes conflitos armados entre a milícia, a polícia e os traficantes de droga. Durante todo o período de realização do projeto, quatro encontros não foram realizados em função de tiroteios na região. Eles colocaram participantes e equipe em risco impedindo o deslocamento de todos até o LaISS. Algumas vezes, esses conflitos armados foram noticiados na imprensa. O segundo fator que dificultou a plena realização da atividade foram os efeitos colaterais dos medicamentos psicotrópicos consumidos pelos usuários. Muitas vezes, alguns chegavam à sala do LaISS sob o efeito dessas medicações, apresentando sonolência ou dificuldade de concentração nas atividades propostas. Isso implicou a necessidade de pensar didáticas diferenciadas que proporcionassem um maior envolvimento. Dois desafios merecem ser analisados se houver interesse em replicar essa experiência em outros ambientes. Em primeiro lugar, constatamos que houve um engajamento desigual dos usuários. Aproximadamente a metade dos usuários foi proativa, envolvendo-se e tomando frente de ações. A outra metade se envolveu pouco e não mostrou interesse nas atividades. Esse segundo grupo se mostrou interessado, sobretudo, em receber a bolsa. No contexto de vulnerabilidade da população-alvo, a valorização da participação por incentivo financeiro não necessariamente é negativa, mas precisa ser acompanhada de uma ressignificação do processo como agregador de ferramentas de protagonismo e emancipação. Outro desafio está relacionado com a construção de narrativas que não sejam centradas apenas na dor e no sofrimento. A emancipação dos usuários foi pensada a partir da perspectiva sociocultural da RPB. Nesse sentido, buscamos encorajar os participantes a se afastarem da condição de doente mental. Sugerimos que esta não fosse a principal temática e/ou única. Incentivamos os participantes a valorizar a criatividade e as afinidades existentes entre eles. Assim, foram surgindo temas referentes a arte, esporte e alimentação. Nesse ponto, a formação do pensamento crítico e a mediação baseada na ‘Translação do Conhecimento’ se mostraram muito importantes para ampliar a visão dos participantes. A sustentabilidade do blog se mostrou como um desafio de natureza prática. O projeto não encontrou uma solução para tornar sua produção rentável. Por fim, é desafiador pensar a viabilidade tecnológica de ações dessa natureza em outros espaços. O projeto se tornou possível por meio de uma estrutura técnica que não é a realidade da maioria dos dispositivos da Raps. Isso pode ser um limitador, impedindo que projetos semelhantes ocorram. Parcerias entre dispositivos de saúde mental e instituições de outras naturezas e o investimento em laboratórios de informática são alternativas que podem contribuir para o enfrentamento desse problema.

Principal

Paulo Duarte de Carvalho Amarante

pauloamarante@gmail.com

A prática foi aplicada em

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Bruna Vanessa Dantas Ribeiro

Conta vinculada

brunaribeirojor@gmail.com

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Trovadoras da Quarentena
São Paulo
Práticas
Projeto “Transforma-Dor”: a Psicologia e Sua Reconstrução no Cenário da Pandemia da Covid-19 – Um Relato de uma Experiência Singular no Município de Paraíba do Sul.
Rio de Janeiro
Práticas
Plantão Psicológico online
Santa Catarina
Práticas
Isolamento Social em Tempos de Pandemia: o Trabalho em Rede de Saúde Mental e Saúde da Família no Município de Niterói
Rio de Janeiro
Práticas
Mapeamento e Intervenção em Usuarios com Comportamento Suicida em Volta Redonda- Rj
Paraná
Práticas
Acolhimento na Emergência em Saúde Mental
Rio de Janeiro
Práticas
Caps on-Line
Distrito Federal
Práticas
Rede de Cuidados Aos Usuários de Álcool e outras Drogas
Rio Grande do Sul
Práticas
Grupo de Bem Comigo – Espaço de Bem-Estar e Saúde
Goiás
Práticas
Controle da Família e do Paciente
Minas Gerais