Olá,

Visitante

Estratégia de rodízio para ampliação do acesso da população às vacinas com apresentação multidoses

Mesmo antes do início da pandemia de Covid-19, o mundo já estava passando por um período de declínio nas coberturas vacinais. A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que, em 2019, somente 85% das crianças do mundo receberam a vacina DTP, deixando 19,7 milhões de crianças vulneráveis a difteria, tétano e coqueluche. Estimativas publicadas recentemente mostraram que a taxa de cobertura de DTP diminuiu ainda mais, chegando a 80%.

O Brasil concentra uma alta porcentagem de crianças que precisam ser vacinadas contra poliomielite. Para enfrentar essa situação, a Organização Panamericana de Saúde (OPAS) trouxe propostas cujo objetivo é deter o declínio da cobertura de ViP/VOP até dezembro de 2023 e aumentar as taxas de cobertura vacinal dos programas de imunização. Nesse contexto, o rodízio mensal das vacinas de apresentação multidose, pode garantir a alta qualidade das atividades de vacinação, seja no programa de rotina, seja em estratégias como campanhas, intensificações, varreduras, vacinação casa a casa, entre outras, partindo da aplicação de critérios e indicadores de eficácia, homogeneidade, oportunidade, simultaneidade e eficiência.

O rodízio mensal é um processo realizado pela Coordenação de Imunização de nível local de forma sistematizada e documentada, utilizando uma metodologia simples e de baixo custo que permite a disponibilização de algumas vacinas em apresentação multidose (VIP, VOP e DTP) nas áreas de abrangência das Equipes Saúde da Família e suas salas de vacina, além do planejamento, a execução, o monitoramento, a supervisão e a avaliação das coberturas vacinais. O método permite, ainda, a participação consciente das equipes de saúde locais como protagonistas na busca pelo alcance das metas, de forma oportuna e garantindo a alta performance das equipes de vacinação, colaborando assim para a recuperação das coberturas vacinais em nosso município.

Este trabalho relata experiência do Município de Mendes, com a implantação do esquema de rodízio das vacinas em apresentação multidoses, expecialmente VIP, VOP e DTP, para manter as coberturas vacinais.

Devido a apresentação multidose destas vacinas, a Coordenação Municipal do Programa de Imunização, em 2019, instituiu o cronograma mensal de rodízio de vacinas entre as 13 salas que atendem vacinação de rotina, ampliando o acesso da população à essas vacinas, que anteriormente eram ofertadas de forma centralizada no Centro de Imunizações e diminuindo, assim, o descarte de doses por perda técnica.

INTRODUÇÃO:

A Secretaria Municipal de Saúde de Mendes, por intermédio do Programa Municipal de Imunização, apresenta a “Estratégia de Rodízio para ampliação do acesso da população às vacinas com apresentação multidoses”, que se trata das ações pactuadas pela Coordenação de Imunização e as Equipes de Saúde da Família, após a percepção da dificuldade de trabalhar com as vacinas em apresentação multidoses, principalmente daquelas com recebimento mensal de frascos em quantidade insuficiente para atender as 13 salas de vacinação de rotina.

Ao longo dos seus 45 anos de existência, o Programa Nacional de Imunização (PNI) vem contribuindo para a redução da morbimortalidade causada pelas doenças imunopreveníveis, buscando a qualidade e a segurança dos produtos oferecidos para a manutenção e a disponibilidade, em tempo oportuno, dos imunobiológicos preconizados nos calendários e nas campanhas nacionais de vacinação para a população brasileira. Neste sentido, o PNI vem desenvolvendo e aperfeiçoando ferramentas para possibilitar a melhor instrumentalização e qualificação das atividades de vacinação.

É um anseio da Coordenação Municipal de Imunização (CI/SMS-Mendes) que esta estratégia atinja seu objetivo principal de resgate das altas coberturas vacinais, utilizando atividades operacionalizadas e as ações de vacinação a nível local.

Como metodologia integrada, utilizada neste estudo, podemos fornecer uma visão abrangente dos impactos do esquema de rodízio de vacinas em apresentação multidoses no Município de Mendes, sendo utilizado:

a) Análise de Dados: coleta e análise de dados de cobertura vacinal pré e pós-implementação do esquema de rodízio, bem como dados sobre descarte de doses e adesão da população.
b) Estudo Comparativo: comparação entre os custos e benefícios do novo esquema em comparação com o modelo anterior, levando em consideração a redução do descarte de doses e o impacto nas coberturas vacinais.

c) Observação Direta: observação direta das operações nas 13 salas de vacinação para avaliar a eficácia do rodízio na prática, incluindo a logística de distribuição e o atendimento à população
d) Revisão Bibliográfica: análise de estudos anteriores sobre estratégias de ampliação do acesso à vacinação e utilização de apresentações multidoses, para embasar as conclusões do trabalho.

OBJETIVOS:

O presente plano tem como objetivo, organizar as atividades municipais de imunização diante de um contingente populacional a ser vacinado, que demanda a organização dos Serviços de Saúde Públicos no sentido de ampliar a oferta da vacinação.
O intuito estudo é orientar, facilitar, agilizar e uniformizar as ações necessárias para atingirmos a meta proposta de forma coordenada e articulada.

Objetivo Geral:

Avaliar o impacto do esquema de rodízio de vacinas em apresentação multidoses na melhoria das coberturas vacinais para VIP, VOP e DTP no Município de Mendes.

Objetivos Específicos:

a) Investigar a eficácia do cronograma mensal de rodízio de vacinas na descentralização do acesso, comparando a acessibilidade prévia no Centro de Imunizações com a distribuição em 13 salas de vacinação de rotina.
b) Analisar a redução no descarte de doses por perda técnica como resultado direto da implementação do esquema de rodízio, considerando os aspectos logísticos e operacionais envolvidos.
c) Examinar a satisfação e aceitação da população em relação ao novo modelo de distribuição das vacinas, destacando as vantagens percebidas em termos de acessibilidade e conveniência.

O município recebe mensalmente uma quantidade de vacinas, que por doses são suficientes para atender a demanda municipal, porém o problema acontece devido à apresentação de algumas vacinas, que são disponibilizadas exclusivamente em frascos multidoses e que prejudicam a distribuição entre as salas de vacina e por conseguinte, o acesso da população às mesmas.

O município apresenta grande dificuldade, principalmente, com as vacinas Poliomielite (VIP/VOP) e DTP, devido sua apresentação multidose e até o seu tempo de validade após abertura do frasco.

Devido estes problemas, foi necessária a estruturação de um cronograma mensal, chamado no município de “rodízio”, onde as vacinas VIP, VOP e DTP são disponibilizadas aos ESF em dias específicos dentro do mês.

O rodízio por ser um fluxo fixo e inflexível, não leva em consideração as impossibilidades do usuário. O paciente é quem deve se organizar dentro dele.

Não é o fluxo ideal de atendimento à população, mas é o que o município, hoje, consegue fazer para atender de forma descentralizada e levando a vacinação para mais perto da população.

Ao discutir o sistema de rodízio mensal, encontramos aspectos positivos e negativos nessa abordagem. Nos positivos, destacam-se a disponibilidade dessas vacinas nas unidades básicas de saúde (UBS) e redução de perdas técnicas por vencimento dos frascos multidoses após abertura. Os pontos negativos incluem a restrição de acesso em dias e horários determinados por um cronograma rígido e a manipulação dos frascos por diversos profissionais, o que pode comprometer a segurança e a qualidade das doses.

Os resultados obtidos com a implementação dessa estratégia para ampliação do acesso a estas vacinas são dignos de nota. Temos observado um aumento significativo no número de indivíduos vacinados em 2023, contribuindo na melhoria da cobertura vacinal no município.

Além disso, a disponibilidade das doses em diferentes UBS reduziu a necessidade de deslocamentos para receber as vacinas, beneficiando aqueles que enfrentavam dificuldades de acesso aos serviços de imunização.

Embora tenhamos enfrentado desafios iniciais na implementação do sistema de rodízio, como a necessidade de coordenação entre as UBS e a adequada manipulação das doses, os resultados positivos demonstram que a estratégia é eficaz na ampliação do acesso da população às vacinas com apresentação multidoses.

Esses dados reforçam o impacto positivo da iniciativa e destacam a importância de estratégias inovadoras para garantir que a imunização seja acessível a todos, contribuindo para a promoção da saúde pública.

A implementação do sistema de rodízio para ampliação do acesso às vacinas com apresentação multidoses revelou-se uma estratégia eficaz na promoção da cobertura vacinal e na redução das barreiras de acesso à imunização.

Apesar dos desafios iniciais, os resultados positivos evidenciam a importância de adaptar as práticas de distribuição de vacinas para atender às necessidades da população.

A descentralização das vacinas e a redução dos deslocamentos prolongados beneficiaram especialmente aqueles que enfrentavam dificuldades de acesso aos serviços de imunização. Nesse sentido, é crucial considerar a continuidade e aprimoramento dessa abordagem, bem como o desenvolvimento de estratégias inovadoras para garantir que a imunização seja acessível a todos, contribuindo assim para a promoção da saúde pública e o bem-estar coletivo.

Principal

Verônica Werneck Pereira

imunomendesrj@gmail.com

Enfermeira - Coordenadora Municipal do Programa de Imunização

Coautores

Verônica Werneck Pereira

A prática foi aplicada em

Mendes

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Avenida Júlio Braga, 47 - Centro - Mendes - RJ

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Verônica Werneck Pereira

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 abr 2024

e atualizada em

01 abr 2024

Início da Execução

08/01/2019

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Estudo das infecções do trato urinário na população de Queimadas (PB) atendida pelo SUS
Paraíba
Práticas
VIVER BEM É SER SAUDÁVEL: ACOMPANHAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS
Paraíba
Práticas
Vigilância Epidemiológica: relato de experiência sobre a operacionalização do trabalho no município de Quatis
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação antirrábica animal itinerante – a vigilância ambiental em saúde vai até você!
Rio de Janeiro
Práticas
Projeto agrotóxicos: Um olhar consciente
Paraíba