Olá,

Visitante

Estratégia de Melhoria da Cobertura Vacinal

Categoria não especificada

A demanda de imunização em sala de vacina, é grande sistemática e precisa ser muito organizada. Tão importante quanto ter a gestão e controle das crianças de 0 a 4 anos de sua área de abrangência e dos grupos prioritários, é acompanhar o lançamento e migração das informações das Plataformas do Governo, do PEC para o SIPNI. Fui admitida em Itabirinha no cargo de Coordenação de epidemiologia em janeiro de 2021 e ao longo deste ano, foi observado que as crianças eram vacinadas, as vacinas eram todas utilizadas, mas quando era retirado relatório do sistema SIPNI WEB, Itabirinha estava em baixa cobertura e sem homogeneidade nas vacinas. Em alinhamento com o Secretário de Saúde Gabriell Coimbra, solicitei o fechamento de um dia de atendimento da sala de vacina, para trabalhos administrativos internos, com: Conferência de cartão espelho, conferência dos lançamentos no PEC e migração das vacinas para o SIPNI. Implantei a organização que os cartões espelhos só seriam guardados no arquivo, depois das doses migradas no sistema SIPNI, pois em conferência observamos que eram lançadas as doses pós vacinação e quando íamos conferir, dados tinham sumido do sistema. Era um risco a assumir, fechar um dia a sala de vacina; mas iniciamos a estratégia em outubro de 2021. Todo o ano de 2022 foi realizado desta forma, com atendimentos ao público 4 dias da semana, sendo fechada a sexta feira para demandas supracitadas. No final de 2022, acompanhando a evolução das estratégias, foi obtido o resultado que era almejado, a cobertura vacinal com 100% nos 13 imunobiológicos, ofertado de 0 a 4 anos, sendo assim alcançada a homogeneidade das vacinas de rotina.

Durante os dois anos de vacinação, 2021 e 2022 as maiores dificuldades eram recursos humanos, equipe desqualificada e sem perfil de imunização, pois técnicos que atuam em imunização são perfis diferenciados, transporte (veículo). Mesmo com as limitações e dificuldades, foi realizado as ações supracitadas para aumento da cobertura vacinal. Pós estes 2 anos, posso dizer que a maior dificuldade encontrada é a falta de comprometimento por parte dos pais e ou responsáveis. Hoje no cenário atual, não falta vacina rotina nas câmaras, o profissional vai até a residência, é ofertado busca ativa domiciliar, é ofertado vacinas nas UBS de Zonas Rurais e ainda sim, tem pais que negam a vacinar, com desculpas incoerentes e irrelevantes, como: Depois levo para vacinar, estou com medos das reações adversas, sempre com desculpas. A imunização é direito da Criança pelo ECA. Art. 227: “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.”

Fechamento de um dia de atendimento na sala de vacina, para lançamentos e acompanhamento das migrações dos dados, Parceria com Conselho Tutelar, Busca ativa semanal das crianças com vacina em atraso.

A imunização é uma ferramenta fantástica para uma boa Saúde Pública, é a prevenção. Uma cidade com boa homogeneidade em vacinas, com boa cobertura vacinal é uma Cidade com Boa Saúde Pública. O Brasil tem a cultura de atuar de forma corretiva e não na preventiva. A equipe de enfermagem em si, tem dificuldades com imunização; no sentido que possuem a cultura que vacina é responsabilidade da sala de vacina. O que deve ser considerado de forma muito relevante, é o papel importante e crucial na Coordenação de imunização. O enfermeiro precisa assumir e cumprir seu papel de coordenação e assumir seu papel dentro da equipe.

Principal

SAMELLA DOS SANTOS PIRES DE ANDRADE

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Ações intersetoriais: integrando estratégias no combate às arboviroses na cidade de Belém do Brejo da Cruz (PB)
Paraíba
Práticas
Os caminhos para alcançar os indicadores de desempenho do Previne Brasil pelo município de Bom Jesus (PB)
Paraíba
Práticas
Re(h)abilitando a interdisciplinaridade e o cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba