Olá,

Visitante

Desenvolvimento de Arranjo Produtivo Local em Plantas Medicinais e Fitoterápicos: Desafios da Gestão

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA:Promover e ampliar o acesso às plantas medicinais e fitoterápicos no SUS em Volta Redonda através de um processo de trabalho ampliado na área de fitoterápicos, em que se faz necessária a estruturação da cadeia produtiva e sua integração na busca do desenvolvimento local, resgatando, valorizando, ampliando e qualificando o uso de plantas medicinais e dos fitoterápicos como elementos estratégicos de saúde. Para que isto se viabilize, o projeto pretende, também, contribuir para o desenvolvimento sustentável no município e na região através do desenvolvimento de arranjos produtivos locais(APLs), de acordo com as diretrizes estabelecidas na PNPMF em consonância com a PNPIC.DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS:*Fórum Municipal de PICS em 2010*Oficina de Fitoterapia em 2012*Curso EAD / MS para prescritores (médicos) em 2012*Curso Cultivo Secagem e Armazenamento de Plantas Medicinais em 2011 *Curso Cultivo Orgânico em plantas Medicinais*Participação na elaboração da Lei Municipal nº 4.832/2011, que estabelece a Política municipal de Práticas Integrativas e Complementares.*Parceria com outras instituições afins*Aquisição de 300 mudas, de 40 espécies de Plantas Medicinais, doadas pelo Horto Medicinal – Refúgio Biológico Bela Vista/ Itaipú. *Aquisição de mudas, de 20 espécies de Plantas Medicinais, doadas pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro.*Aprovação no Plano Municipal de Saúde de ações relacionadas as PICS*Aprovação na X Conferência de Saúde de ações referentes as PICsINDICADORES/ VARIÁVEIS/ COLETA DE DADOS:Pensaram-se como indicadores, o interesse dos profissionais de saúde em práticas integrativas e complementares e o uso das plantas medicinais pela população.Com objetivo de avaliar o grau de interesse dos profissionais, a coordenação da Área Técnica de Práticas Integrativas e Complementares, construiu um questionário específico para encaminhamento à 42 (quarenta e duas) equipes das UBSF.. Dessas equipes, 30 (trinta) retornaram com respostas mostrando um total de 66 profissionais de saúde assim distribuídos: 27 enfermeiros, 05 cirurgiões dentistas e 34 médicos, que manifestaram o interesse em capacitação em Fitoterapia.Os Agentes Comunitários de Saúde (ACS), aplicaram questionário semi-aberto, com 04 perguntas junto à população sobre o “Uso de Plantas Medicinais” o que mostrou que a população refere o uso habitual de 27 espécies. Dentre elas o Capim-Limão e o Guaco estão entre as mais frequentes.

O uso de plantas com finalidades terapêuticas é prática antiga na humanidade, seja de maneira empírica ou tradicional. No Brasil, país de maior biodiversidade do planeta, o conhecimento sobre as propriedades de plantas medicinais, uma das maiores riquezas da cultura indígena, estendeu-se às outras etnias e culturas através da medicina popular. A Secretaria Municipal de Saúde de Volta Redonda, através das Áreas Técnicas de Práticas Integrativas e Complementares e de Assistência Farmacêutica, ambas inseridas na Superintendência de Atenção e Vigilância em Saúde, trouxe para debate no município a Política Nacional de Plantas Medicinal e Fitoterápico no SUS. A partir de então, começou a sensibilizar e incluir os profissionais da rede pública de saúde na discussão das estratégias para implantação dessas práticas.

Inclusão de fitoterápicos no Manual de Assistência Farmacêutica do SUS de Volta Redonda (2012), atualmente temos dois padronizados2 (dois) fitoterápicos da RENAME (xp de Guaco e Isoflavona) incluídos na REMUME. Criação do Jardim Sensorial no zoológico Municipal.A criação de uma Trilha de Plantas, no Zoológico Municipal tendo como foco principal as espécies medicinais cultivadas no Horto de plantas medicinais.Articulação junto a Secretaria Municipal de Ação Social, através do programa Cuidadores de Praça, para formação de jardineiros, visando a inserção no mercado de trabalho de usuários de álcool e outras drogas (CAPS-AD) e população em situação de rua.Os recursos no SUS devem ser direcionados a realização de estratégias para as ações voltadas para a proteção e promoção da saúde, que impactem de maneira significativa e sustentável na saúde das comunidades. O uso desses recursos deve levar em conta o conhecimento disponível, adequando-o à realidade local, além de considerar a ampliação das opções terapêuticas ofertadas aos usuários do SUS. Assim, um projetode estruturação e consolidação de ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS (APLs), NO ÂMBITO DO SUS, conforme a Política e o Programa Nacional de Plantas Medicinal e Fitoterápicos (PNPMF) tem grande relevância para a saúde pública do município e a inclusão social.

Principal

Marta Gama Magalhães

A prática foi aplicada em

Volta Redonda

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Rua 566, nº 31- Nossa Senhora das Graças CEP:

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Marta Gama Magalhães

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
IMPLANTAÇÃO DE PRÁTICA INTEGRATIVA E COMPLEMENTAR NA REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE QUEIMADAS-PB
Paraíba
Práticas
A terapia comunitária integrativa como inclusão e bem-estar na terceira idade.
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do Centro de Referência em MTC e Práticas Integrativas no Município de Duque de Caxias
Rio de Janeiro
Práticas
Planejamento orientativo do CTA/SAE Juara – MT, sobre protocolo de PEP às farmácias do Vale do Arinos.
Mato Grosso
Práticas
A Ozonioterapia no tratamento de dores crônicas
Rio de Janeiro
Práticas
Práticas integrativas e complementares no cuidado aos trabalhadores de saúde mental de Resende
Rio de Janeiro
Práticas
Projeto quilombos: o cuidado realizando práticas integrativas e complementares em quilombolas da Amazônia
Pará