Olá,

Visitante

Comunicare – Redes Temáticas

Resumo: O apoio aos projetos populacionais em larga escala através de intervenção de educação e comunicação em saúde utilizando Redes Temáticas de Condições de Saúde, para apoiar instituições públicas e privadas na implementação de ações de promoção da saúde, prevenção de riscos e doenças e acompanhamento de condições de saúde. Objetivo: Auxiliar a população a mudança de comportamento e atitude das pessoas para hábitos de consumo adequados e saudáveis que promovam sua saúde e previnam doenças.Metodologia: Utiliza-se o conceito da captologia, que é o uso das tecnologias para o apoio a mudança do comportamento e atitudes de indivíduos e populações, considerando-se o Comunicare – plataforma persuasiva que apoia a intervenção. Esta plataforma persuasiva utiliza-se de práticas de comunicação interativa entre pares, usuários conversando com usuários, usuários conversando com moderadores sociais especializados em saúde (médicos, enfermeiros, nutricionistas….) que proporcionam o entendimento de como a população e indivíduos se sentem, o que acreditam e como se comportam. Utiliza-se de saberes de diversas áreas do conhecimento, como psicologia, comunicação social, saúde e medicina, antropologia como ciências integradas e aplicadas no ideário da intervenção. Permite que o usuário seja ouvido e que durante as conversas na rede social, os moderadores acompanhem e identifiquem oportunidade para orientação, instrução e educação. O uso de conteúdos multimídias, disponibilizados em uma biblioteca de conteúdos, em formato de artigos, vídeos, infográficos, referenciados em evidência e com autoria declarada é facilitado no arraste para os post em que o moderador lança mão para exemplificar sua orientação. A possibilidade de salas de bate papo, chats com os moderadores sociais. auxiliam na adesão da população a Plataforma Persuasiva. Criação de grupos de discussão sob a governabilidade dos usuários e moderadores sociais permite o aprofundamento no assunto em questão. Ferramentas interativas denominadas widgets, que contemplam pequenos formulários de captura de dados diretamente dos usuários, permitindo o retorno do resultado on time de forma gráfica e visual, servindo como ferramental de educação lúdico para os participantes. O usuário dispões de uma rede de moderadores sociais especializados no tema em questão que os auxilia na construção de um conhecimento que vai desde o uso de serviços de saúde adequados, padrões de comportamentos e atitudes, desmistificação de crenças e valores, ensinamentos de técnicas de autocuidado.

Há evidente necessidade de soluções que permitam a incorporação de grandes populações em projetos de promoção da saúde e prevenção de riscos e gerenciamento de doenças. O setor de saúde no Brasil até o momento voltou suas soluções para o apoio de equipes de saúde responsáveis pela operacionalização de projetos preventivos locais, que demandaram investimento em estrutura fisica, equipe, treinamento, software de gestão especialista gestão de cuidados clínicos. Estes projetos preventivos locais possuem um limite de capacidade de atendimento da demanda. Idosos fragilizados e domiciliados, doentes crônicos domiciliados com ou sem sequelas em orgão alvo, foram o alvo dos projetos preventivos no Brasil, pois a evidente necessidade de organização do cuidado a saúde destes indivíduos, resultaria em melhor padrão de qualidade assistencial e redução do custo de utilização dos serviços de saúde. Por ora, um percentual menor do que 2% de uma população total foi incorporado em algum destes projetos, deixando a maior parte da população fora do modelo de cuidados preventivos a saúde. Estudos e pesquisas para viabilizar a incorporação de novas condições de saúde e mais pessoas em projetos preventivos foram demandados. Como ampliar populacionalmente os projetos preventivos sem aumentar proporcionalmente os custos e os investimentos com estas iniciativas? O primeiro passo foi entender que idosos e doentes crônicos, não esgotam o universo de abordagem preventiva, há que se incorporar populações com condições de saúde ou de risco outras, para realmente promover a saúde, prevenir doenças e riscos, além de se acompanhar novas condições ou doenças.

Principal

Leonardo Pereira Florêncio

A prática foi aplicada em

Belo Horizonte

Minas Gerais

Sudeste

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Leonardo Pereira Florêncio

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

11 abr 2015

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Planejamento Local e Participativo na Estratégia Saúde da Família no Município de Cachoeirinha/Tocantins
Tocantins
Práticas
Novo modelo de cooperação intermunicipal na região de saúde de São Sebastião do Paraíso(MG)
Minas Gerais
Práticas
Implantação do Espaço de ofertas de Práticas Integrativas e Complemenares em Saúde(Pics) para Trabalhadores, Alunos, Estagiários e Usuários-Ensp/Fiocruz
Rio de Janeiro
Práticas
Conferências Locais de Saúde: Estratégias de Educação Permanente para o Plano Municipal de Saúde.
Rio Grande do Sul
Práticas
“Uso de Dados do Sisreg Prótese odontológica no Planejamento na Gestão Pública em Fraiburgo Sc”
Santa Catarina
Práticas
Saúde do Trabalhador: Ampliação do Acesso a Assistência, Cuidado, Promoção e Prevenção.
Paraíba
Práticas
A Saúde Mais Perto de Você
Rio de Janeiro
Práticas
Planejamento em Saúde: uma Construção Coletiva.
Paraíba
Práticas
Humanizar para Bem Cuidar: Capacitando Servidores de Santa Luzia para Um Cuidado Digno e Qualificado
Paraíba
Práticas
Monitoramento do Acesso e Avaliação das Ações e Serviços de Saúde na Aps na Melhoria da Qualidade
Paraíba