Olá,

Visitante

Caminhos vivenciados na elaboração do contrato organizativo de ação pública da saúde na 8ª região de saúde – Quixadá

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: Relatar os caminhos vivenciados pela Regional de Saúde, apresentando as dificuldades e facilidades, particularidades e desafios, que possam contribuir para outros Estados que ainda estão em sua fase de elaboração. DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS: Inicialmente foi feita a composição do grupo Condutor Regional e a divisão de responsabilidades em conformidade com cada parte do COAP-Contrato Organizativo de Ação Pública. As tarefas foram divididas de acordo com as responsabilidades, a saber: organizativas, executivas, orçamentário-financeiras e as monitoramento e avaliação de desempenho e auditoria. Após esta etapa foi convocada a CIR-Comissão Intergestora Regional para apresentação do instrumento e do processo de elaboração do COAP. Posteriormente foram convocadas as Câmaras Técnicas, a saber: Gestão e Financiamento, Vigilância á Saúde, Atenção Primária à Saúde e Gestão Estratégica e Participativa no SUS. No decorrer do processo, foram realizadas várias reuniões e oficinas com técnicos municipais para esclarecimentos e pactuação de metas. INDICADORES/VARIÁVEIS/COLETA DE DADOS: nº de municípios com adesão ao COAP, nº de reuniões de Câmaras Técnicas ocorridas, nº de mapas da saúde elaborados, nº de instrumentos com pareceres-técnico-jurídico elaborados. A coleta de dados deu-se através dos Sistemas de Informação em Saúde, dos bancos de dados nacionais (SIM, SINASC, SINAN, SIAB) SCNES-Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, do Orçamento dos Municipios. OBSERVAÇÕES/AVALIAÇÃO/MONITORAMENTO: O processo de monitoramento e avaliação acontece através dos relatórios do SAI-Sistema de Informação Ambulatorial, SIH-Sistema de Informação Hospitalar

O Decreto 7508, de 28 de junho de 2011, que trata da regulamentação da lei nº 8080 de 19 de setembro de 1990, versa sobre a organização do SUS, o planejamento da saúde,, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, dentre outros aspectos, com o propósito de prover mais transparência na gestão do SUS, mais segurança jurídica nas relações interfederativas e maior controle social (Brasil, 2012). Considera que um acordo de colaboração deverá ser firmado através do Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde – COAP, um instrumento de gestão compartilhada, firmado entre entes federativos, definindo suas responsabilidades individuais e solidárias, a partir de uma Região de Saúde, com a finalidade de organizar e integrar as ações e serviços de saúde para garantir integralidade da assistência aos usuários. Com a necessidade de implantação do COAP, iniciou-se uma mobilização no Estado para a condução desse processo e foi firmado um acordo político entre os entes envolvidos: Governo do Estado, Associação dos Prefeitos do Estado do Ceará – APRECE, Conselhos das Secretarias Municipais-COSEMS-CE e a Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa no SUS-SGEP.

Sugerimos que o COAP fosse amplamente divulgado entre os profissionais de saúde e Conselheiros de Saúde, além da sugestão de que a prestação de contas fosse acompanhada pelos Conselheiros de Saúde nas reuniões ordinárias e nas reuniões do FÓRUM Regional de Conselheiros de Saúde. A construção do COAP foi um momento singular no cenário da Região de Saúde, em que esse novo instrumento, define responsabilidades dos entes federativos, com atuação em conjunto, levando a um novo pensar, olhar e agir para o SUS, regionalmente, com intuito de fortalecimento desse processo político e por conseguinte, aperfeiçoar a atenção ao usuário desse sistema.

Principal

Benedita de Oliveira

benedita.oliveira@saude.ce.gov.br

A prática foi aplicada em

Quixadá

Ceará

Nordeste

Esta prática está vinculada a

RUA PROF JULIO HOLANDA, ALTO SAO FRANCISCO

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Benedita de Oliveira

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

09 maio 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Contribuição da Tecnologia da Informação na Auditoria para Emissão de Autorização de Internações Hospitalares (Aih) no Município de Curitiba.
Paraná
Práticas
Implementação do Plano Estadual de Monitoramento e Avaliação da Atenção Básica: uma Proposta de Gestão Estratégica do Departamento de Ações em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do S
Rio Grande do Sul
Práticas
Auditores para o SUS: o Caminho na Busca da Governança e Garantia da Regionalização em Saúde
Bahia
Práticas
A Pactuação das Metas e Indicadores 2013-2015 no Estado da Bahia
Bahia
Práticas
Saúde de Fronteira na Perspectiva da Equidade: Dialogando com os Direitos Constitucionais
Práticas
Gestão do Acesso Aos Serviços de Média e Alta Complexidade: Um Relato de Benedito Novo-Sc
Santa Catarina
Práticas
O Reflexo da organização da Rede na Redução da Mortalidade Infantil
Paraná
Práticas
Planejamento Participativo das Ações do Agente de Controle de Endemias
Rio de Janeiro
Práticas
Relato da Redução dos Exames e Consultas Ambulatoriais a Partir da Implantação da Central de Regulação em Silva Jardim-Metropolitana Ii/Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Reduzindo em Mais de 30% os Custos com a Média Complexidade, a Partir da Automação das Ações dos Acs: a Experiência de São José de Ubá – Rj.
Rio de Janeiro