Olá,

Visitante

Acolhimento na Emergência em Saúde Mental

Foi criado como estratégia de gestão o serviço de acolhimento em saúde mental que tem como proposta promover um processo de cuidado implicado de forma a atender os usuários que acessam o serviço de emergência e urgência com demandas de saúde mental, pressupõe um direcionamento de ações, articulando serviços, alinhando a co gestão do cuidado com responsabilidade de todos os envolvidos no processo terapêutico, promovendo assim, a integração de saberes e práticas, aumentando sua resolubilidade. Nesse sentido, a Equipe de Acolhimento objetiva qualificar a porta de entrada e o acolhimento em saúde mental na rede de urgência e emergência, incluído a população em situação de rua com transtorno mental e sofrimento psíquico. Para operacionalização dessa estratégia de gestão foi composta uma equipe de um enfermeiro e uma assistente social. Método: relato de experiência, que possibilitou a discussão, a troca e a proposição de estratégias para a melhoria do cuidado na saúde. Foi realizado treinamento acerca da proposta do trabalho de acolhimento em saúde mental com os profissionais contratados, a estratégia foi iniciarmos um acolhimento qualificado em saúde Mental, colocando uma equipe que acolhiam os usuários, os familiares e a rede de apoio deste usuário, além do apoio ao clínico geral quando não haviam psiquiatras. Todos os usuários que demandaram atendimento de saúde mental, foram acolhidos por meio da escuta qualificada, sendo identificado a necessidade de saúde ou serviço, encaminhado para psiquiatra de plantão ou para rede de referência, assim criando vínculo e fortalecendo o cuidado na rede intersetorial com o encaminhamento implicado para os diferentes pontos de atenção da rede de saúde. Foram quantificados pelos boletins de atendimento médico do ano de 2021, 1.862 usuários que buscaram a rede de urgência e emergência em saúde mental, com caraterização de demanda de 12,24% em razão do comportamento suicida (tentativas, ideações e ou autolesões), 17,93% foram internados, sendo que foram ocupados por 12,19% de usuários que fazem uso de substâncias psicoativas e 5,74% internaram por crises ou surtos em usuários com transtorno psiquiátrico. A taxa de ocupação 51,3% e taxa média de permanência foi de 9,6%, a média de permanência tem influência em virtude dos usuários que por demanda judicial ou social permanecem um período maior que o necessário pela clínica do sujeito. Após a alta os usuários são matriciados e encaminhados para acompanhamento pelos serviços de referência no ponto de atenção da rede. Neste momento temos psiquiatras todos os dias, com os CAPS mais acessíveis e resolutivos, com o acolhimento construindo uma saída implicada com consulta marcada para cada atendimento dentro do seu território, para os diversos dispositivos da rede, seguindo a necessidade do usuário.Palavras Chave: Acolhimento

No início da gestão municipal em 2021, ao olhar a rede de saúde mental do Município de Volta Redonda, a coordenação realizou um diagnóstico que apontou um elevado número de atendimento de surtos e as pessoas em uso de substâncias psicoativas, assim como a necessidade de qualificação da porta de entrada da rede de urgência e emergência em saúde mental.

– Fortalecer o cuidado em rede e intersetorial- Fortalecer os serviços da rede de atenção psicossocial- Ofertar cuidado de saúde mental com acolhimento e humanizado na urgência e emergência psiquiátrica – Realizar cuidado integral, equânime na urgência e

Principal

Paula Cristina da Silva Cavalcanti

assconmental@gmail.com

A prática foi aplicada em

RJ

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Volta Redonda

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Paula Cristina da Silva Cavalcanti

Conta vinculada

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Os Desafios de Construir Caminhos para Desistitucionalização Sem a Totalidade dos Dispositivos Substitutivos Apropriados, Considerando a Cultura Manicomial dos Atores Envolvidos.
Rio de Janeiro
Práticas
de Perto Quem é Normal? Um Diálogo Coletivo e Integrado Sobre a Saúde Mental no Município de Tanhaçu-Ba: Todos em Defesa da Luta Antimanicomial!
Bahia
Práticas
Estratégias de Prevenção e Promoção da Saúde Mental dos Usuários do SUS na Atenção Básica no Município de Patos-Pb À Luz da Campanha Janeiro Branco
Paraíba
Práticas
Cuidando do Cuidador – Apoio Psicossocial Às Equipes de Saúde da Família
Bahia
Práticas
O Serviço de Atenção À Infância e Juventude: Um olhar Multidisciplinar no Cuidado em Saúde Mental ao Público Infantojuvenil
Rio de Janeiro
Práticas
A Saúde Mental Como Campo de Atuação da Terapia Comunitária Integrativa: o Fortalecimento do Acolhimento Aos Sofrimentos no Caps.
Rio de Janeiro
Práticas
Projeto João de Barro (Moradia Assistida)
Rio de Janeiro
Práticas
Matriciamento Judiciário: Articulação Setorial a Serviço da Eficiência
Rio de Janeiro
Práticas
da Medicalização À Vida no Território.
Rio de Janeiro