Olá,

Visitante

A Potência da Visita Compartilhada Entre Caps e Atenção Básica em Saúde Mental

A visita domiciliar-VD é um dos instrumentos terapêuticos para o cuidado de saúde de base territorial. Nos casos que envolvem transtornos mentais graves, assim como, outros relacionados a problemas que coloquem em risco a vida do paciente e/ou de seus familiares, como é o caso de problemas com álcool e outras drogas ou ideação suicida, ela se torna fundamental.

Apresentar a experiência que o CAPS I – Casa Azul da cidade de Mafra/SC tem tido com a realização de visitas domiciliares conjuntas com profissionais da Atenção Básica. as VDs conjuntas iniciaram em janeiro de 2017 partindo da necessidade que os profissionais de saúde têm de atender pacientes em crise nos seus domicílios.. as agentes comunitárias de saúde e enfermeiros na maioria das vezes já mantem um vínculo com o paciente em questão, a visita conjunta é agendada e o primeiro acolhimento é realizado no domicílio. Durante a VD os profissionais avaliam qual a prioridade de atendimento e planejam juntos as ações do Projeto Terapêutico Individual do paciente, assim como de sua família. as visitas domiciliares conjuntas tem um dia fixo no calendário de atividades do CAPS, com os profissionais do serviço social e da enfermagem.

Foram realizados em dois anos de experiência 54 visitas domiciliares conjuntas entre profissionais do CAPS e Atenção Básica. Foi produzida uma listagem com os pacientes mais graves, que necessitam de cuidados em saúde mental domiciliares mais constantes. Os pacientes passaram a se vincular ao tratamento com maior frequência, assim como a família. as equipes do CAPS e Atenção básica tem desenvolvido um senso de cooperação e confiança mútua.Para que se tenha sucesso na opção por atendimentos compartilhados de saúde mental com a visita domiciliar é preciso traçar um planejamento constante. Deve-se incluir o maior número de participantes possíveis, pois a presença concomitante de variadas ideias e visões facilita o surgimento de percepções e de ações que podem vir a ser bem-sucedidas.

Principal

Adriana Moro

saude.mafra@gmail.com

Coautores

Alci Leite, Maria Aparecida Drapalski,

A prática foi aplicada em

Mafra

Santa Catarina

Sul

Instituição

Rua José Cassias Pereira, 291

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Jaqueline De Fátima Previati Veiga

Conta vinculada

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Primeira Mostra de Experiência da Linha de Cuidado Sobrepeso e Obesidade, Os Resultados Alcançados Pelo Município de Parapuã Sp
São Paulo
Práticas
Compulsão Decisória na Judicialização da Saúde, des estruturando e des afiando o Financiamento Finito do Sistema Único de Saúde
São Paulo
Práticas
Regulação do Acesso À Atenção Especializada: des coberta de um Iceberg e des afios A Serem Superados
São Paulo
Práticas
Fórum Permanente de Embu Guacu: uma Possibilidade de Organização do Cuidado Intersetorial
São Paulo
Práticas
Profilaxia Pré-Exposição ao Hiv (Prep) como Nova Estratégia para A Prevenção do Hiv – uma Experiência Multiprofissional
São Paulo
Práticas
Consultório na Rua: uma Ampliação da Abordagem das Pessoas Vivendo com Hiv/Aids Focando A Adesão
São Paulo
Práticas
Processo Formativo de Apoio em Saúde Mental no Município de Franco da Rocha – Sp
São Paulo
Práticas
Estruturação da Rede de Saúde de Franco da Rocha: Análise do Financiamento das Ações, Por Meio da Transferência de Recursos Obrigatórios e Voluntários ao Município
São Paulo
Práticas
Participação Social na Construção do Planejamento Estratégico em Saúde e do Plano de Educação Permanente no Território de Ermelino Matarazzo/Sp
São Paulo
Práticas
Impactos da Formação de Trabalhadores Sobre Práticas Relativas ao Uso Racional de Medicamentos: Experiência no Contexto do Plano Regional de Educação Permanente em Saúde (Pareps)
São Paulo