Olá,

Visitante

Vigilância em Saúde na Cobertura Vacinal

A partir deste momento realizou-se capacitação de maneira descentralizada atingindo os profissionais que trabalham na rede de frio/sala de vacina, pactuado duas supervisões anuais com ferramenta construída a partir da elaborada pelo Ministério da Saúde e adequada a nossa realidade. Coincidindo com a implantação do programa sipni desktop.Os atores envolvidos neste processo foram a coordenação regional do programa de imunização da regional de saúde, o gestor municipal da saúde, a coordenação municipal do programa de imunização neste processo vinculada a vigilância em saúde, juntamente com a equipe de atenção primária que atuam nas salas de vacina e rede de frio. A instrumentalização desta proposta ocorreu de abril de 2013 a dezembro de 2014.

O objetivo da apresentação deste trabalho é divulgar a importância da vigilância em saúde no programa de imunização municipal. A inspeção das salas de vacinas de maneira não efetiva, capacitação em sala de vacina realizada no ano de 2000 e a notificação de crianças com 5 a 9 anos para Hepatite B, nos remeteu as dúvidas na qualificação não somente da rede de frio como das informações de registro dos vacinados e cobertura vacinal.

Neste estágio de construção as dificuldades foram viabilizar as capacitações descentralizadas, a qualidade física e estrutural em que se encontravam as salas de vacina/rede de frio, a ingerência da importância e custo do programa de imunização, finalizando o comprometimento do gestor municipal da saúde no contexto. Como aprendizado a percepção dos gestores municipais de saúde e de sua equipe na abordagem qualitativa das salas de vacina e rede de frio após planejamento e ajustes realizados, outorgando aoscritérios estruturais, de informação e educação permanente. Como expectações e desdobramentos futuros realizamos um seminário de imunização no ano de 2015, contudo a educação permanente é papel imprescindível nesse processo de cobertura vacinal em homogeneidade, com a participação de todos os atores envolvidos no processo desde a gestão até ao usuário, portanto para isso estamos organizando rodas de conversa sobre a imunização, o processo da sala de vacina/rede de frio, a dimensão do programa sipni desktop no processo de trabalho e na cobertura vacinal, a seriedade do acompanhamento e cruzamento de dados.

Principal

Cleusa Bosapizon

saudecruzero2014@hotmail.com

A prática foi aplicada em

Cruzeiro do Iguaçu

Paraná

Sul

Instituição

Av. 13 de Maio, 906 - Centro

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Cleusa Bosapizon

Conta vinculada

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
A Saúde do Trabalhador e o Agente Comunitário de Saúde
Paraíba
Práticas
Laboratorio Vivo Fortalecendo Intersetorialidade na Prevenção das Arboviroses em Junco do Serido/Pb.
Paraíba
Práticas
Vigilancia em Saude e Saúde na Escola: uma Parceria de Sucesso no Municipio de Queimadas-Pb
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Laboratorial do Lacen-Pb: Um Relato de Experiência
Paraíba
Práticas
A Feira Livre de Esperança-Pb: Vigilância Sanitária e As Ações de Prevenção e Combate À Covid-19
Rio de Janeiro
Práticas
Ferramentas Tecnológicas Aplicadas no Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Laboratorial do Lacen-Pb
Paraná
Práticas
Medidas Sanitárias Aplicada ao Controle Datransmissão da Leishmaniose Animal
Paraíba
Práticas
Fortalecimento e Ampliação da Rede Nacional de Vigilância Epidemiológica Hospitalar na Paraíba
Paraíba
Práticas
Covid 19 – Experiência de Enfrentamento das Arboviroses, Combatendo As Endemias Durante a Pandemia
Rio de Janeiro
Práticas
Novas Estratégias para o Monitoramento e a Fiscalização das Práticas de Segurança do Paciente pela Vigilância Sanitária nos Hospitais do Distrito Federal.
Distrito Federal